Curso Online de CORRETOR PREMIUM DE SEGUROS
5 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de CORRETOR PREMIUM DE SEGUROS

Neste curso vamos aprender sobre: Histórico dos Seguros; Lei Brasileira, Contratos e Definições; Princípios, Perdas e Indenizações; Negó...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 10 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Neste curso vamos aprender sobre:

Histórico dos Seguros;
Lei Brasileira, Contratos e Definições;
Princípios, Perdas e Indenizações;
Negócios, Riscos e Analogia;
Tipos de Seguro;
Tipos de Companhia de Seguro;
Indústria e Viabilidade Financeira;
Técnicas de Abordagem e Persuasão: Como abordar persuasivamente; objetivo da persuasão, Tamanho, Retórica, Semelhanças, Histórico da Persuasão, Modalidades, Certo ou Preferível, Adesão, Convencimento, Universo como seu Auditório;
Sedução: a quem, o que, como dizer? O que ouvir? Sabe com quem você está falando?
Recurso para abordagem e persuasão: figuras, argumentos subjetivos, identidade, comparação, analogia, transitividade, contradição, parte/todo, entimema, valores, argumentos lógicos, sucessão, coerência, metalinguagem, símbolos, exemplos, modelos, ilustrações;
Pontos de máxima importância e obrigatória observação: duração da conversa, variedade, abertura, validade, restrição, distância, eloquência, confiança, emoção;
Táticas e estratégias;
Ética e Manipulação.

TSS - Troubleshooting Strategist; Consultor em Pesquisa Institucional (E-mec/Inep); Educador e Professor; Palestrante, Autor e Advogado, OAB/MG 94.245. Consultor na área de TSS: Troubleshooting Strategy em Desenvolvimento Educacional, Incremento Profissional, Treinamentos Motivacionais, Recursos Humanos, Neurolinguística, Coaching e Mentoring para colaboradores, profissionais e estudantes, com sólida vivência como palestrante, elaborando e ministrando cursos diversos na formação de líderes, por uma busca constante pela excelência em resultados de curto, médio e longo prazos. http://2013ricardoaugusto.wix.com/svrge


- Mário Fernando Da Silva Rego

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Neste curso vamos aprender sobre:

    Histórico dos Seguros;
    Lei Brasileira, Contratos e Definições;
    Princípios, Perdas e Indenizações;
    Negócios, Riscos e Analogia;
    Tipos de Seguro;
    Tipos de Companhia de Seguro;
    Indústria e Viabilidade Financeira;
    Técnicas de Abordagem e Persuasão: Como abordar persuasivamente; objetivo da persuasão, Tamanho, Retórica, Semelhanças, Histórico da Persuasão, Modalidades, Certo ou Preferível, Adesão, Convencimento, Universo como seu Auditório;
    Sedução: a quem, o que, como dizer? O que ouvir? Sabe com quem você está falando?
    Recurso para abordagem e persuasão: figuras, argumentos subjetivos, identidade, comparação, analogia, transitividade, contradição, parte/todo, entimema, valores, argumentos lógicos, sucessão, coerência, metalinguagem, símbolos, exemplos, modelos, ilustrações;
    Pontos de máxima importância e obrigatória observação: duração da conversa, variedade, abertura, validade, restrição, distância, eloquência, confiança, emoção;
    Táticas e estratégias;
    Ética e Manipulação.

  • HISTÓRICO
    DOS
    SEGUROS

  • Professor Ricardo Augusto

    Em algum sentido nós podemos dizer que o seguro aparece simultaneamente com aparência da sociedade humana. Nós sabemos de dois tipos de economias em sociedades humanas: economias do dinheiro (com mercados, dinheiro, instrumentos financeiros e assim por diante) e sem dinheiro ou economias naturais (sem dinheiro, mercados, instrumentos financeiros e assim por diante). O segundo tipo é um formulário mais antigo do que o primeiro. Em tais economia e comunidade, nós podemos ver o seguro no formulário dos povos que ajudam-se a. Para o exemplo, se uma casa se queimar para baixo, os membros da ajuda da comunidade constroem um novo. Se a mesma coisa acontecer ao vizinho, os outros vizinhos devem ajudar.

  • Professor Ricardo Augusto

    Se não, os vizinhos não receberão a ajuda no futuro. Este tipo de seguro sobreviveu ao dia atual em alguns países onde a economia moderna do dinheiro com seus instrumentos financeiros não é difundida (para países do exemplo no território da união soviética anterior).

  • Professor Ricardo Augusto

    Girando para o seguro no sentido moderno (isto é, seguro em uma economia moderna do dinheiro, em que o seguro é parte da esfera financeira), os métodos adiantados de transferir ou de distribuir o risco foram praticados por comerciantes de Chinês e da Babilônia por muito tempo. Os rápidos e traiçoeiros viajantes do rio dos comerciantes chineses, redistribuíam através de muitas embarcações para limitar a perda. Os babilônios desenvolveram um sistema que fosse gravado no código famoso de Hammurabi, c. 1750 BCE, e praticado por comerciantes e navegadores do Mediterrâneo. Se um comerciante recebesse um empréstimo para financiar sua embarcação, pagaria ao emprestador um a soma adicional na troca pela garantia para cancelar o empréstimo se fosse roubado.

  • Professor Ricardo Augusto

    Os monarcas Armênios eram os primeiros para segurar seus povos e feito lhe oficial registrando o processo segurando em escritórios de escribas governamentais. A tradição do seguro foi executada cada ano em Norouz (começo do ano novo iraniano); as cabeças de grupos étnicos diferentes as.well.as outros que querem fazer exame da parte, apresentadas presentes ao monarca. O presente o mais importante foi apresentado durante uma ceremônia especial. Quando um presente valeu a pena mais de 10.000 Derrik (moeda de ouro 8.35-8.42 pesando de Acaemeniano) a edição foram registrados em um escritório especial. Isto era vantajoso àqueles que apresentaram tais presentes especiais. Para outros, os presentes foram avaliados razoavelmente pelos confidentes da corte. A avaliação foi registrada então em escritórios especiais.

  • Professor Ricardo Augusto

    A finalidade de registrar era que sempre que a pessoa que apresentou o presente registrado pela corte estava no problema, o monarca e a corte ajudar-lhe-ia. Jahez, um historiador e escritor, escreve em um de seus livros em Irã antigo: o “quando o proprietário do presente está no problema ou quer construir um edifício, ajustado acima uma festa, tem suas crianças casadas, etc. que esse na carga deste na corte verificaria o registro. Se a quantidade registrada excedesse 10.000 Derrik, ou receberiam uma quantidade de duas vezes como muito." Mil anos mais tarde, os habitantes de Rhodes inventaram o conceito de medida. Os comerciantes cujos os bens eram enviados junto pagariam um prêmio proporcional dividido que fosse usado reembolsar todo o comerciante cujos os bens fossem alijados durante a tempestade ou o afundamento.

  • Professor Ricardo Augusto

    Os Gregos e o Romanos introduziram as origens do seguro c da saúde e de vida. Quando então, organizaram as guildas chamadas sociedades benevolentes; qual se importou com as famílias e as despesas funerárias dos membros em cima da morte. As guildas nas idades médias serviram a uma finalidade similar. O Talmud trata de diversos aspectos de segurar bens. Antes que o seguro estiver estabelecido no 17o século atrasado, sociedades existido em Inglaterra, em que os povos doaram quantidades de dinheiro a uma soma geral que poderia ser usada para emergências.

  • Professor Ricardo Augusto

    Os contratos de seguro separados (isto é, políticas de seguro não empacotadas com empréstimos ou outros tipos dos contratos) foram inventados em Gênova no 1ô século, como eram os pools do seguro suportados por penhor de propriedades aterradas. Estes contratos de seguro novos permitiram que o seguro fosse separado do investimento, uma separação dos papéis que provaram primeiramente útil no seguro marinho. O seguro tornou-se distante mais sofisticado no Renascimento Europa, e as variedades especializadas tornaram-se.

  • Professor Ricardo Augusto

    Para o fim do décimo sétimo século, importância de crescimento de Londres como um centro para o comércio aumentou a demanda para o seguro marinho. No 1680s atrasado, o Sr. Edward Lloyd abriu uma casa de café que se transformasse numa caçada popular de proprietários do navio, comerciantes, e se enviasse capitães, e desse modo uma fonte de confiança da notícia a mais atrasada do transporte. Transformou-se o lugar de reunião para os partidos que desejam segurar cargas e navios, e aquele querer subscrever tais riscos. Hoje, Lloyd's de Londres remanesce o mercado principal (nota que não é uma companhia de seguro) para o fuzileiro naval e os outros tipos do especialista de seguro, mas trabalha diferentemente do que os tipos mais familiares do seguro.

  • Professor Ricardo Augusto

    Benjamin Franklin ajudou popularize e fazer padrão a prática do seguro, particularmente de encontro ao fogo no formulário do seguro perpétuo. Em 1752, fundou a Filadélfia Contributionship para o seguro das casas da perda por Fogo. A companhia de Franklin era a primeira para fazer contribuições para a prevenção de fogo. Não somente sua companhia advertiu de encontro a determinados perigos de fogo, ele recusou segurar determinados edifícios onde o risco do fogo era demasiado grande, como todas as casas de madeira.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Histórico dos Seguros;
  • Lei Brasileira, Contratos e Definições;
  • Princípios, Perdas e Indenizações;
  • Negócios, Riscos e Analogia;
  • Tipos de Seguro;
  • Tipos de Companhia de Seguro;
  • Indústria e Viabilidade Financeira;
  • Técnicas de Abordagem e Persuasão: Como abordar persuasivamente; objetivo da persuasão, Tamanho, Retórica, Semelhanças, Histórico da Persuasão, Modalidades, Certo ou Preferível, Adesão, Convencimento, Universo como seu Auditório;
  • Sedução: a quem, o que, como dizer? O que ouvir? Sabe com quem você está falando?
  • Recurso para abordagem e persuasão: figuras, argumentos subjetivos, identidade, comparação, analogia, transitividade, contradição, parte/todo, entimema, valores, argumentos lógicos, sucessão, coerência, metalinguagem, símbolos, exemplos, modelos, ilustrações;
  • Pontos de máxima importância e obrigatória observação: duração da conversa, variedade, abertura, validade, restrição, distância, eloquência, confiança, emoção;
  • Táticas e estratégias;
  • Ética e Manipulação.