Curso Online de NOÇÕES DE PAISAGISMO
2 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de NOÇÕES DE PAISAGISMO

UMA DAS PROFISSÕES MAIS REQUIZITADAS EM NIVEL DE MERCADO.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 69,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

UMA DAS PROFISSÕES MAIS REQUIZITADAS EM NIVEL DE MERCADO.

Cursos Livres formatados para internet .Curso O professor e as mídias na educação. CURSOS DE APERFEIÇOAMENTO e workshop!


- Andrea Paes De Castro

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • NOÇÕES DE PAISAGISMO

  • 1. INTRODUÇÃO

    Uma bela paisagem é capaz de despertar sensações boas com um único olhar. Morar em um lugar mais verde e em harmonia, certamente irá incrementar sua qualidade de vida. Falando em harmonia, não há nada que se compare ao equilíbrio alcançado pela natureza intocada. O nome paisagismo refere-se exatamente ao desafio de preservar este equilíbrio dentro das atuais possibilidades. O paisagismo é definido como a comunhão do espaço vital com a vida orgânica. Na atual conjuntura, pode-se usar esta arte para melhorar as condições do meio ambiente. Para isso é importante que o paisagista conheça as espécies nativas. É preciso ter em mente que não só as espécies vegetais são importantes neste cenário. As plantas estão ligadas aos animais em um relacionamento íntimo. Muitas vezes plantas e animais não conseguem viver separadamente em uma relação ecológica que chamamos de mutualismo.

  • 2. PAISAGISMO
    O paisagismo é uma ciência relativamente nova e faz parte dos cursos de arquitetura, agronomia e até biologia. O paisagismo é a arte e técnica de promover o projeto, planejamento, gestão e preservação de espaços livres, urbanos ou não, de forma a processar micro e macropaisagens. Um bom paisagista deve ter conhecimentos sobre botânica, ecologia, zoologia, substratos e até embasamento nas artes plásticas. Um grande projeto paisagístico envolve a participação de diversos especialistas: biólogos, agrônomos, arquitetos, engenharia florestal e outros. Um dos principais objetivos do paisagista é tornar mais agradável a vida nas cidades de concreto. Para isso faz-se necessário um amplo conhecimento das espécies para que se saiba, por exemplo, quais são as mais belas plantas para aquelas condições climáticas, quais podem oferecer mais sombra, quais exalam um perfume mais agradável e muito mais.

  • 3. PROBLEMA DO DESIGN DA PAISAGEM
    A abordagem do problema do design da paisagem é similar ao encarado na arquitetura, considera-se que a paisagem é um elemento a ser construído, tanto quanto os edifícios e o ambiente urbano: dessa forma, a arquitetura da paisagem é uma extensão da arquitetura, como disciplina, de uma forma mais ampla. Originalmente relacionado apenas ao desenho de jardins e praças, considerando apenas os aspectos estéticos e cênicos do projeto de um lugar, o paisagismo ao longo do tempo foi abarcando escalas e propostas maiores, chegando a se confundir com o desenho urbano e incorporando as variáveis socioeconômicas relativas aos problemas em questão. Enquanto profissão, a arquitetura paisagista abrange um conjunto de disciplinas relacionadas ao projeto arquitetônico, ao planejamento regional e urbano, à preservação do meio ambiente natural e construído e do patrimônio histórico, ao planejamento de sistemas de lazer e recreação e sinteticamente ao planejamento espacial. A arquitetura da paisagem é, assim como a própria arquitetura, um campo multidisciplinar, envolvendo a matemática, as ciências naturais e sociais, a engenharia, as artes, a tecnologia, a política, etc. Apesar de ser normalmente associada à jardinagem pelo público leigo, a arquitetura paisagista envolve todos os possíveis elementos constituintes da paisagem, sejam eles naturais ou não.

  • 4. A IMPORTÂNCIA DO PLANEJAMENTO E PROJETO DE PAISAGÍSTICO
    Os habitantes das grandes cidades em meio ao desenvolvimento desenfreado passam a sentir a necessidade premente de reconciliação com a natureza, e implantando áreas verdes nos espaços disponíveis entre as construções, recompõe a paisagem. É onde o paisagismo destaca-se como fator imprescindível e fundamental. O paisagismo não é apenas a criação de jardins através do plantio desordenado de algumas plantas ornamentais. Muito mais do que isso é a técnica artesanal, aliada à sensibilidade, procurando reconstituir a paisagem natural dentro do cenário devastado pelas construções. O paisagismo tem a finalidade precípua à integração do homem com a natureza facultando-lhe melhores condições de vida pelo equilíbrio do meio ambiente. É inegável a influência benéfica das áreas verdes na vida de qualquer comunidade. A prática do paisagismo em mãos inábeis acaba por deturpar suas finalidades principais, muitas vezes transmutando-o em mera mercantilização do verde. Faz-se necessário entender que paisagismo é o meio pelo qual o ser humano pode conseguir restabelecer parte do equilíbrio rompido da natureza através da sua própria ânsia progressista, desequilíbrio hoje que já se faz sentir em todas as partes do mundo civilizado através de muitas catástrofes naturais do meio ambiente conturbado e poluído. É preciso conscientizar as pessoas da importância do planejamento e projeto paisagístico.

  • 5. PLANEJAMENTO DE JARDIM
    Em muitos ambientes, a luz solar direta passa a ser um incômodo, aumentando a temperatura do ambiente, impedindo a colocação de móveis próximos às janelas, além de alguns outros problemas. Mas o fechamento da janela causaria escuridão. Para esse caso, o paisagista pode sugerir o plantio de alguma espécie de planta na frente da janela problema. Essa espécie deverá possuir altura e copa, adequados à situação. Além disso, o aspecto estético é essencial, devendo também ser levado em conta na escolha da espécie a ser plantada. A redução da temperatura de ambientes parece algo sem comprovação, mas a presença de plantas realmente reduz a temperatura do ambiente no qual ela se encontra, quando em altas temperaturas. Isso se dá devido à evaporação de água pelas folhas, processo no qual é necessária uma quantidade de calor, sendo esse fato o responsável pela redução da temperatura local. Em locais excessivamente quentes, o plantio de árvores e arbustos é ideal, além da colocação de gramados, uma vez que quanto mais bem distribuídas as folhas no ambiente, mais eficaz será a regulação da temperatura. Esse processo pode ser facilmente relacionado com o funcionamento dos nebulizadores, e dos climatizadores.

  • 6. ÁREAS DESVALORIZADAS
    Algumas áreas são muito desvalorizadas devido à falta de privacidade do local. Mas isso pode ser em muitos casos, driblado com o plantio de árvores e arbustos em locais estratégicos, tampando a maior parte dos ângulos possíveis de visão. Esse é um recurso muito utilizado, principalmente com arbustos utilizados como cercas-vivas. A escolha da espécie a ser utilizada depende do ângulo que se pretende bloquear, além da densidade da copa da árvore ou arbusto. O isolamento acústico é algo cuja eficácia ainda está em estudo. Mas há de fato uma redução nos níveis sonoros quando o som passa por uma barreira vegetal. O balanço das folhas provocado pelo som reflete a transformação das ondas sonoras em energia cinética, reduzindo assim os níveis sonoros do ambiente. O que resta saber é o quanto isso é eficaz para diminuir os barulhos urbanos, que são grandes problemas na atualidade. Com o plantio de plantas é possível tampar aspectos negativos da paisagem, como obras abandonadas, lixões, fazendo com que eles não façam mais parte do visual local. Essa prática pode ser utilizada também para ressaltar vistas positivas do local, como uma vista para montanhas, ou para belas construções.

  • 7. PAISAGISMO E IDENTIDADE
    Definir como será o jardim de uma casa não é tarefa fácil. Elementos com estilo da casa, perfil do morador, ritmo de vida, clima da cidade, luminosidade do local, escolha de plantas e ambientação do espaço, são alguns itens que devem ser colocados no papel antes de visualizar os contornos deste ambiente. "O paisagismo é capaz de transformar uma construção, ele é a maquiagem final". O primeiro passo é pensar nesta área já na edificação da casa. O projeto do jardim deve ser incorporado ao restante da casa, não pode ser decidido depois, para não haver o risco de ter uma casa perfeita, mas com jardins pequenos demais, simples e sem identidade. O próximo passo é seguir o estilo do projeto, definir a localização e verificar o gosto do cliente. A escolha certa do lugar do jardim, o clima, a luminosidade e o tipo de planta que irá compor o visual são pontos primordiais para o sucesso do espaço. As plantas são capazes de transformar o ambiente. Folhas e flores com tons e geometria diferentes, mas sempre que o ambiente permitir, não existe uma tendência nessa área e que o importante é adequar o projeto ao perfil e ritmo de vida dos moradores. Mesmo que a pessoa não possa investir num jardim, é importante ter ao menos alguns vasos de plantas na casa. O verde harmoniza o local, deixa-o mais acolhedor e humano, portanto traga a natureza para dentro dos ambientes.

  • 8. DIFERENÇA ENTRE PAISAGISMO E JARDINAGEM
    Função exercida pelo paisagista / arquiteto-paisagista, profissional que cria projetos de áreas verdes, compreendendo todos os aspectos que interferem na paisagem externa às edificações, os espaços abertos (não construídos) e as áreas livres, com função de recreação, amenização, circulação e preservação ambiental, integrando o homem à natureza. E, a função exercida pelo jardinista, profissional que define, através de projeto ou não, os volumes, as espécies vegetais, assim como os objetos decorativos de um jardim, onde os espaços e suas funções são pré definidos.

  • 9. PASISAGISMO E JARDINAGEM
    A palavra paisagismo, em princípio foi usada como sinônimo de jardinagem. Hoje principalmente em função das questões ambientais, e da importância que o ambiente assumiu para todos, paisagismo é mais que fazer um jardim bonito. Paisagismo é a planificação da paisagem. Esta paisagem é considerada não somente do ponto de vista estético, mas em todos os seus aspectos: ecológicos e culturais. Este profissional ainda pouco conhecido pelo público tem um olhar abrangente do espaço, e ferramentas técnicas que lhe permitem criar ambientes apropriados para os mais variados fins. Diferente do jardineiro, que tem como seu principal objetivo as plantas, o paisagista além da vegetação, considera o ambiente total: clima, água, solo, subsolo, flora, fauna, infra-estrutura urbana, usos do solo, o usuário, etc. Uma atividade difere da outra, mas são ambas necessárias. Os espaços livres existentes dentro das cidades são cada vez mais reduzidos e, por isso mesmo, mais importante. A vegetação é apenas um item deste “quebra cabeça”, que é planificar um espaço livre. Por outro lado, depois de criado, este espaço precisa ser cuidado para que realmente atinja seus objetivos. Sem bons jardineiros, esta tarefa é impossível, e tudo pode ser perdido.

  • 10. PAISAGISMO NA ARQUITETURA
    Ao iniciar um projeto de arquitetura é importante a observação da topografia, do conjunto da vegetação existente, a paisagem e o caminho do sol. A implantação adequada da obra em relação ao solo e ao entorno existente ajuda muito para o resultado se tornar positivo. Uma obra arquitetônica permite diálogo com a área externa e oferece sensação de liberdade e de bem estar. É por isso que deve ser dada máxima atenção ao projeto de paisagismo. Elementos arquitetônicos como: aberturas, vidros, varandas, pergolados, etc, integram a vegetação no espaço interno e externo. O verde que possui várias tonalidades, os inúmeros coloridos de flores e frutas podem ser usados em conjunto com os materiais de construção em harmonia. A preocupação da manutenção que os jardins podem necessitar, para que preservem a beleza esperada, devem ser levadas em conta no projeto. Nem sempre o paisagismo é complementar em relação à arquitetura e muitas vezes acontece o contrário. Um exemplo é, quando se projetam equipamentos para uma praça, como abrigo para espera de ônibus, banca de jornal, espelhos d’água, fontes, etc, são elementos arquitetônicos necessários como infraestrutura, mas não devem prevalecer em relação às funções principais da praça, como passeios, recantos, vegetações, ar livre, lazer, recreação. A área externa possui luzes e sombras que contribuem para a percepção do tempo, e o sol se movimentando cria ritmos e ângulos surpreendentes.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 69,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail: