Curso Online de Introdução à estrutura atômica

Curso Online de Introdução à estrutura atômica

Este curso inicia, com o desenvolvimento dos modelos atômicos de Thonson e de Rutherford. Pontos relevantes introduzidos com esses modelo...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 6 horas

Por: R$ 55,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso inicia, com o desenvolvimento dos modelos atômicos de Thonson e de Rutherford. Pontos relevantes introduzidos com esses modelos são a presença da carga elétrica (Thonson) e da descontinuidade do átomo, no qual predomina espaço vazio (Rutherford).
Modelos são concepções humanas. Portanto, modelos tendem a ser aprimorados ao longo da história da Ciência, à medida que esta progride. Modelos, e as teorias em que se inserem, fazem parte da tentativa humana de melhor compreender a natureza.
Portanto, o curso não é uma graduação nem um curso completo básico, equivale à uma pequena parte do currículo de Química geral e Inorgânica I com 40 horas/aulas.

Mestrando do Programa de Pós-Graduação em Ciência e Tecnologia para Recursos Amazônicos - PPGCTRA/UFAM.Possui Graduação em Licenciatura Plena em Quimica Pela Universidade do Estado do Amazonas - UEA.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Química básica 1º ano Introdução à estrutura atômica

    química básica 1º ano introdução à estrutura atômica

    disciplina: química geral e inorgânica i
    profº. oziel ribeiro marinho

  • Apresentação

    apresentação

    este curso inicia, com o desenvolvimento dos modelos atômicos de thonson e de rutherford. pontos relevantes introduzidos com esses modelos são a presença da carga elétrica (thonson) e da descontinuidade do átomo, no qual predomina espaço vazio (rutherford).
    modelos são concepções humanas. portanto, modelos tendem a ser aprimorados ao longo da história da ciência, à medida que esta progride. modelos, e as teorias em que se inserem, fazem parte da tentativa humana de melhor compreender a natureza.
    portanto, o curso não é uma graduação nem um curso completo básico, equivale à uma pequena parte do currículo de química geral e inorgânica i com 40 horas/aulas.

    2

    profº. marinho - 2011

  • Sumário

    sumário

    objetivos
    introdução
    a natureza elétrica da matéria.
    modelo atômico de rutherford.
    íons.
    exercícios
    conclusão
    referência

    3

    profº. marinho - 2011

  • Descrição do professor

    descrição do professor

    possui licenciatura plena em química pela universidade do estado do amazonas – 2010
    parintins – amazonas.

    4

    profº. marinho - 2011

  • Objetivos

    objetivos

    montar um modelo de átomo que respeite as proporções entre raio do núcleo e raio da eletrosfera, escolhendo o objeto mais adequado para representar o núcleo, a fim de que o átomo representado caiba no seu ambiente de estudo, pelo menos, no terreno de sua escola.
    consultar a tabela periódica dos elementos de modo a obter informações sobre nome, símbolo e número atômico dos elementos.
    de posse da tabela periódica e da carga de um íon, estabelecer comparação entre ele e o respectivo átomo neutro, no tocante ao número de prótons e ao de elétrons.
    interessar-se pelas ideias científicas e pela ciência como maneira de entender melhor o mundo que nos cerca.
    perceber que, na história da ciência, teorias e modelos são aprimorados ou substituídos por outros melhores.
    compreender que a ciência é um constructo humano.

    5

    profº. marinho - 2011

  • Introdução

    introdução

    em química, a ideia de modelo é muito importante. modelo, de um modo bem simples, consiste na maneira como imaginarmos que é algo a que não temos acesso direto.
    à medida que novas evidências surgem, teorias e modelos têm, muitas vezes, de ser aperfeiçoados ou substituídos por outros. e foi isso que aconteceu com a teoria de dalton e com o seu modelo.
    átomos são muito pequenos para serem vistos até nos melhores microscópios convencionais. isso sempre dificultou o estudo da sua estrutura, que deve ser feito por meio de evidências indiretas e, às vezes, bastante complexas.
    nos próximos slide você encontrará uma série de informações mostrando, em linhas gerais, como o aparecimento de novas evidências conduziu os cientistas a substituir o modelo de dalton por outras mais adequadas para explicar tais evidências. você também aprenderá qual é o conceito moderno de elemento químico.

    6

    profº. marinho - 2011

  • A natureza elétrica da matéria

    a natureza elétrica da matéria

    parte - i

  • 1.1 Cargas elétricas, atração e repulsão

    1.1 cargas elétricas, atração e repulsão

    ao atritarmos um bastão de vidro em tecido de lã, o vidro passa a ser portador de cargas elétrica positiva (por uma convenção) e a lã, portadora de carga elétrica negativa (também por uma convenção).

    8

    profº. marinho - 2011

  • 1.1 Cargas elétricas, atração e repulsão

    1.1 cargas elétricas, atração e repulsão

    muitos materiais, quando atritados em outros, ficam eletrizados, ou seja, adquirem carga elétrica. por meio de experiências envolvendo corpos eletrizados, os cientistas concluíram que cargas elétricas de sinais diferentes se atraem e cargas elétricas de sinais iguais se repelem.
    essas conclusões estão de acordo com o fato de a lã e o vidro, eletrizados com cargas de diferentes sinais, se atraírem, e os dois de vidro, eletrizados com cargas de mesmo sinal, se repelirem.

    9

    profº. marinho - 2011

  • 1.2 Descargas elétricas em gases a baixa pressão

    1.2 descargas elétricas em gases a baixa pressão

    gases, de modo geral, não conduzem corrente elétrica quando à pressão ambiente. no entanto, na segunda metade do século xix, os trabalhos de heinrich geissler, johann hittorf e william crookes mostraram experimentalmente que, quando submetidos a baixas pressões, os gases podem tornar-se condutores elétricos.
    para chegar a essa conclusão, eles utilizaram o chamado tubo de raios catódicos, isto é, uma ampola de vidro ligada a uma bomba de vácuo que visa diminuir a pressão interna.
    nas duas pontas do tubo há extremidades metálicas (chamadas de eletrodos) ligadas a uma bateria.
    quando a pressão interna chega a cerca de um décimo da pressão ambiente, observa-se que o gás entre os elétrodos passa a emitir uma luminosidade.
    quando a pressão diminui ainda mais (cerca de cem mil vezes que a pressão ambiente), a luminosidade desaparece, restando apenas uma mancha atrás do polo positivo.

    10

    profº. marinho - 2011

  • 1.2 Descargas elétricas em gases a baixa pressão

    1.2 descargas elétricas em gases a baixa pressão

    os cientistas atribuíram essa mancha a raios (de natureza desconhecida, naquela época) que seriam provenientes do polo negativo, chamada de cátodo. esses foram denominados raios catódicos.

    11

    profº. marinho - 2011


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 55,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Química básica 1º ano Introdução à estrutura atômica
  • Apresentação
  • Sumário
  • Descrição do professor
  • Objetivos
  • Introdução
  • A natureza elétrica da matéria
  • 1.1 Cargas elétricas, atração e repulsão
  • 1.2 Descargas elétricas em gases a baixa pressão
  • 1.3 Descoberta do elétron e de próton
  • O modelo atômico de Rutherford
  • 2.1 Experiência sobre a dispersão de partículas alfa
  • Exercícios
  • Exercício - 1
  • Exercício - 2
  • Exercício - 3
  • Exercício - 4
  • Exercício - 5
  • Exercício - 6
  • Exercício - 7
  • 2.2 Número atômico e número de massa
  • 2.3 O conceito moderno de elemento químico
  • 2.4 Isótopos
  • Exercícios
  • Exercício - 8
  • Exercício - 9
  • Exercício - 10
  • Exercício - 11
  • Exercício - 12
  • Exercício - 13
  • Exercício - 14
  • Íons
  • 3. íons
  • Exercícios
  • Exercício - 15
  • Exercício - 16
  • Exercício - 17
  • Exercício - 18
  • Exercício - 19
  • Exercício - 20
  • Conclusão
  • Referência