Curso Online de ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DEFICIENCIAS MULTIPLAS
5 estrelas 4 alunos avaliaram

Curso Online de ATENDIMENTO EDUCACIONAL ESPECIALIZADO - DEFICIENCIAS MULTIPLAS

Esse curso aborda de forma simples e objetiva, o atendimento educacional especializado da pessoa com deficiência múltipla, além de um est...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Esse curso aborda de forma simples e objetiva, o atendimento educacional especializado da pessoa com deficiência múltipla, além de um estudo de caso, traz um plano de atendimento detalhado, explicando cada etapa e sugerindo inúmeras atividades que podem ser adequadas para cada pessoa atendida.

FORMARE É UMA ASSOCIAÇÃO DE AMIGAS AUTORAS,TODAS GRADUADAS NA ÁREA DE CIÊNCIAS DA EDUCAÇÃO,SENDO QUE A ORGANIZADORA É GRADUADA EM PEDAGOGIA,ESPECIALISTA EM EDUCAÇÃO ESPECIAL E MESTRANDA EM PSICANÁLISE.OS CURSOS AQUI POSTADOS SÃO ELABORADOS EM CONJUNTO O QUE GARANTE UMA MAIOR CREDIBILIDADE,POIS SÃO ELABORADOS A PARTIR DE PESQUISAS,CONHECIMENTOS TEORICO-PRÁTICOS ORGANIZADOS E SISTEMATIZADOS DE FORMA COERENTE E DE FÁCIL ENTENDIMENTO.


- Jessica Ribeiro Beghini

"Foi muito proveitoso fazer este curso, adorei e adquiri um maior conhecimento nesta área. Obrigada"

- Flaidiane Joana Viana Dos Santos

"Muito Bom."

- Andresa Da Silveira

"ACHEI QUE DEVERIA SER MAIS APROFUNDADO, FOI MUITO SUPERFICIAL"

- Meire Lopes Defanti

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Atendimento Educacional Especializado – Deficiências Multiplas

    atendimento educacional especializado – deficiências multiplas

    formare – formação de professores

  • Introdução

    introdução

    a temática desse trabalho está centrada no estudo de caso de um aluno da educação especial com deficiências múltiplas, esse aluno pertence à rede municipal de ensino, cursa o 3º ano do ensino fundamental, é do sexo masculino e tem doze anos. o problema estudado se refere à área cognitiva e à linguagem/comunicação. entre os objetivos desse trabalho destacamos: analisar as necessidades do aluno e elaborar um plano de aee para atender essas necessidades, de modo que possa ultrapassar as barreiras impostas pela escola comum e participar de sua turma com autonomia. a metodologia utilizada nesse trabalho foi o estudo de caso, com levantamento de questões, identificação do problema, análise e clarificação do problema e busca de solução do problema, onde nos serviram de instrumentos: entrevistas e observações participantes. o plano de aee foi elaborado a partir da avaliação do aluno e da análise do caso. para cada objetivo traçado no plano foram selecionadas atividades específicas para desenvolvê-los, sempre contemplando as possibilidades apresentadas pelo aluno. esse plano tem como principais tópicos: objetivos, organização do atendimento, atividades, adequação de materiais, seleção de matérias que serão adquiridos, parcerias a serem estabelecidas, profissionais envolvidos, avaliação e reestruturação do plano.
     

  • Proposição de um caso

    proposição de um caso

    julival tácito (nome fictício) tem 12 anos, é uma criança bastante ativa e alegre, tem quatro irmãos, o pai morreu há dois anos, e sua mãe dedica-se exclusivamente a ele.
    a criança teve paralisia cerebral a qual afetou tanto seu corpo, quanto a parte cognitiva, provocando um leve retardo.
    frequenta uma escola municipal, onde cursa o 3°ano do ensino fundamental no turno manhã, e freqüenta o aee na própria escola. socializa-se bem à medida do possível, na hora do recreio a mãe vem para auxiliá-lo na merenda e deixa-o brincar livremente com os colegas.

  • Sobre a sala regular

    sobre a sala regular

    a professora da sala regular relatou que ele consegue ter autonomia no uso do material e na organização do mesmo, consegue ir ao banheiro sozinho e também ir ao bebedouro. durante a realização das tarefas sempre manifesta interesse e todas as garatujas que faz solicita com a professora, no que essa avalia com o visto, sempre pede para a professora olhar seu livro, para ver se colocou na página certa, sinaliza que quer ir ao quadro fazer atividade, ao que a professora prontamente atende.
    participa das brincadeiras e demais atividades escolares. porém não escreve nenhuma letra, sua coordenação motora ainda apresenta muitos problemas, no entanto não precisa de materiais adaptados, não consegue recortar papéis, pois embora consiga pegar normalmente na tesoura, seu tônus muscular não permite que ele realize movimentos com maior esforço como o exigido em atividades de recorte, não identifica letras e números, não compreende todos os comandos da professora e quando não consegue se comunicar grita e demonstra grande inquietação em sala de aula. geralmente utiliza gestos para comunicar-se, mas nem sempre esses gestos são compreendidos pelos demais.

  • Sobre a sala de recursos

    sobre a sala de recursos

    a professora do aee relatou que ele resiste na utilização das pranchas de comunicação, sempre virando o rosto, ou gritando e empurrando as cadeiras. quando são realizadas atividades para estimular sua motricidade demonstra pouco interesse e coloca um livro sobre a mesa, fica apontando para as coleções e lápis. depois que começou a ser atendido em dupla ou pequenos grupos demonstrou um maior interesse por outras atividades desde que não fossem somente atividades escritas. 

  • Aspectos familiares

    aspectos familiares

    a mãe dedica-se integralmente à sua educação e aos atendimentos médicos, relatou que a criança só começou a andar com nove anos de idade, depois de tratamento intensivo no centro especial e de estimulação feita em casa conforme orientação médica, também utilizando medicação específica para estimulação e fortalecimento dos músculos. só começou a balbuciar as primeiras palavras quando entrou para a escola, a partir de 2008. não tem equilíbrio ao andar, mas adquiri a cada dia mais autonomia, chegando a arriscar-se a correr nos intervalos e em casa também, ainda não pronuncia palavras, emite apenas sons e alguns fonemas, principalmente as vogais e os fonemas /m/ e /p/. 
    sua comunicação em casa é feita por meio de gestos que foram sendo aprendidos de acordo com a necessidade, porém a mãe procura estimular ao máximo sua verbalização, conforme as orientações que pede à fonoaudióloga. a mãe é muito presente na escola, a criança não se alimenta sozinha, por isso todos os dias durante o recreio a mãe vem à escola para dar a merenda da criança. sua convivência em casa, segundo a mãe é boa, algumas vezes briga com os irmãos, mas brinca normalmente, gosta muito de assistir tv e imitar os cantores, demonstra grande interesse por computadores, fica extremamente agitado quando esta diante de um computador. 

  • Aspectos gerais

    aspectos gerais

     
    após observarmos o caso julival, traçamos um pequeno perfil dele, destacando alguns pontos relacionados ao seu problema. ele é uma criança de 12 anos, que tem deficiências múltiplas, apresenta problemas na socialização com outras crianças, não fala, apresenta inquietação, dificuldade de concentração, apresenta atraso na aprendizagem de matemática e dos mecanismos de leitura e escrita, têm problemas na motricidade fina e principalmente na comunicação.
    sabemos que as deficiências intelectuais e físicas já nos remetem à idéia de limitações, às quais podem ocorrer de maneiras diferentes, e agravar-se, quando atrelada a outros fatores contextuais da vida, mas na busca de uma clarificação do problema, analisamos o caso e procuramos evidenciar os fatores que poderiam ser determinantes nesse processo. 
     

  • identificamos alguns dos fatores que seriam determinantes para compreender o caso, entre eles o problema da comunicação, pois de acordo com figueiredo e paullin (2008,p.25) “os traços de personalidade e os comportamentos adaptativos não se desenvolvem no vazio, mas dentro de uma interação com o ambiente e a partir das experiências vividas pelo sujeito.” 
    no caso estudado, o aluno apresenta dificuldades de adaptação e interação com o ambiente, pois não faz uso de uma linguagem que seja compreendida por aqueles que o cercam, sendo esse o motivo de muitas vezes apresentar um comportamento agressivo e inquieto, não demonstrando interesse pelas aprendizagens e atividades que lhes são propostas dentro de suas possibilidades.
    verificamos ainda, que a dificuldade apresentada na motricidade fina, também interfere significativamente em seu desenvolvimento, uma vez que “prejuízos de ordem motora e sensorial dificultam as trocas mais elementares desses sujeitos com o meio e instalam defeitos na forma como agem ao retirar informações do real e ao processarem os dados extraídos, ativa e logicamente.” (mantoan,1992, p.08) 

  • o aluno apresenta grande resistência para realizar atividades que envolvam coordenação motora, empilhar objetos, fazer sequências, ordenar elementos, entre outras atividades que estimulem a aprendizagem e o desenvolvimento motor não lhe despertam interesse e assim a sua vivencia e interação motora e sensorial não são estimuladas causando-lhe prejuízos no desenvolvimento global de suas habilidades.
    podemos, nesse contexto, inferir que o atraso no desenvolvimento cognitivo do aluno, está intimamente ligado à comunicação e à motricidade, sendo os principais problemas de ordem cognitiva e de linguagem ; uma vez que ele não apresenta dificuldades acentuadas para desenvolver as atividades de coordenação motora, mas na verdade ele não demonstra interesse e se nega a realizá-las por não as considerar importantes para seu desenvolvimento.

  • do ponto de vista do aee, podem ser pensadas estratégias para solucionar os problemas de comunicação, onde utilizaremos recursos de comunicação alternativa e outros recursos de tecnologia assistiva, como por exemplo, pranchas de comunicação para aumentar o vocabulário, com relação ao seu desenvolvimento físico o aee pode intervir confeccionando recursos de baixa tecnologia que facilitem o manuseio de objetos exercitando o tônus muscular, sendo ainda necessário que um terapeuta ocupacional ou fisioterapeuta oriente quanto ao tônus muscular, e dos movimentos reflexos que ele possa apresentar. cognitivamente o aee poderá intervir de modo a utilizar materiais diversos para trabalhar o desenvolvimento da escrita, e orientar a professora em sala de aula regular a utilizar suportes diversos e mídias variadas para apresentação dos textos, de modo que possam ser acessíveis para o aluno. 

  • as pessoas envolvidas nesse problema são: a família, a professora, os colegas, a professora de aee e os profissionais de saúde. 
    para entender o problema é necessário observarmos a descrição do caso, e nos interrogarmos ainda sobre alguns detalhes como: 
    o aluno apresenta dificuldade quanto à adequação postural? 
    há problemas com o tônus muscular? 
    há descontrole das atividades reflexivas e tônicas? 
    a família sabe informar se há problemas com a cavidade bucal, ou nas cordas vocais que o impeçam de estabelecer uma fala compreensível? 
    de acordo com os relatos da professora da sala regular, da mãe e da professora do aee, o aluno não apresenta dificuldade quanto à adequação postural, porém apresenta problemas com relação ao tônus muscular, não conseguindo realizar movimentos que envolvam a motricidade fina, como recortar papel, escrever e desenhar.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Atendimento Educacional Especializado – Deficiências Multiplas
  • Introdução
  • Proposição de um caso
  • Sobre a sala regular
  • Sobre a sala de recursos
  • Aspectos familiares
  • Aspectos gerais
  • Fundamentação Teórica
  • O processo de inclusão
  • Habilidades de comunicação
  • A deficiência intelectual
  • Tecnologias Assistivas
  • Paralisia Cerebral
  • Projetando recursos
  • Pranchas de comunicação
  • Plano de Atendimento Educacional Especializado
  • Dados de identificação   
  • Objetivos
  • Organização do atendimento
  • Atividades que serão desenvolvidas
  • Ampliar as possibilidades de comunicação, através do uso de recursos de tecnologia assistiva, comunicação alternativa, facilitando a sua expressão e favorecendo a compreensão por parte dos colegas e a sua própria compreensão:
  • Diante da necessidade de estimular a memorização, podem ser desenvolvidas as seguintes estratégias: 
  • Para desenvolver a capacidade de estabelecer semelhanças e diferenças entre os objetos serão realizadas as seguintes atividades:
  • Organizar situações de aprendizagem nas quais diversos recursos adaptados possam ser utilizados para que João Paulo se aproprie dos mecanismos de leitura e escrita:
  • Possibilitar a participação do aluno nas atividades pedagógicas e recreativas favorecendo o desenvolvimento de sua coordenação motora e ampliando sua autonomia quando da realização de atividades da vida diária:
  • Seleção de materiais a serem produzidos para o aluno. 
  • Adequações de materiais:
  • Seleção de materiais e equipamentos que necessitam ser adquiridos:
  • Tipos de parcerias necessárias para aprimoramento do atendimento e da produção de materiais
  • Profissionais da escola que receberão orientação do professor de AEE sobre serviços e recursos oferecidos ao aluno
  • Avaliação dos resultados
  • Resultados obtidos diante dos objetivos do Plano de AEE
  • Reestruturação do Plano
  • Conclusão
  • Referencias Bibliográficas