Curso Online de Coordenação Pedagógica

Curso Online de Coordenação Pedagógica

O coordenador é um mediador dos diferentes atores escolares, com o objetivo de construir um projeto político-pedagógico coerente com a re...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

O coordenador é um mediador dos diferentes atores escolares, com o objetivo de construir um projeto político-pedagógico coerente com a realidade escolar, buscando assim garantir que de seus diferentes lugares, a comunidade escolar apresente suas expectativas e sugestões em relação a eventuais mudanças e construa um efetivo trabalho em torno do projeto político-pedagógico da escola.

FORMAÇÃO ESCOLAR: *SUPERIOR INCOMPLETO - PEDAGOGIA *ENSINO MÉDIO COMPLETO *CURSANDO- SEGURANÇA DO TRABALHO- TÉCNICO



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

    COORDENAÇÃO PEDAGÓGICA

    PRÁTICAS E VIVENCIAS PEDAGÓGICAS

  • Introdução
    Globalização, novas tecnologias de informação e comunicação, avanços da ciência e da tecnologia são fenômenos que gestam mudanças sociais, culturais, políticas, econômicas que, por sua vez, exigem da escola novos saberes, novas posturas, novas propostas educativas.
    Como se configura a atuação do Coordenador Pedagógico, nesse contexto de mudanças?
    Este curso propõe-se a oportunizar um tempo/espaço aos estudantes para refletir, pensar, dialogar e assumir um caminho no exercício desse significativo papel em escolas de Educação Básica.
    O curso compõe-se de cinco lições que abordam a Coordenação Pedagógica desde as perspectivas: teórica, metodológica e prática com a intencionalidade de provocar a caminhada, que é própria de cada um, do contexto onde atua ou atuará, de suas crenças, de suas forças e de suas concepções teóricas.

  • O Papel do Coordenador Pedagógico
    O coordenador pedagógico muito antes de receber esse nome, existia na escola com as mais diferentes denominações e funções. Às vezes atuava como fiscal, era ele quem checava o que ocorria em sala de aula e normatizava o que podia ou não ser feito. Não tinha muito conhecimento pedagógico e não conseguia criar vínculos, pois não era visto pelos colegas como alguém confiável para compartilhar experiências.
    Outras vezes o coordenador pedagógico era um mero atendente, sem campo específico de atuação, apagando focos de incêndio e, perdido no cotidiano escolar, não conseguia construir propostas que envolvessem o grupo em um trabalho coletivo.
    O coordenador pedagógico ao passar dos anos se faz cada vez mais necessário e começa a se explicitar para muitos dos envolvidos que vários estilos de coordenar os trabalhos nas escolas estão em construção.

  • MOVIMENTO DE CONSTRUÇÃO COLETIVA

    MOVIMENTO DE CONSTRUÇÃO COLETIVA

  • O COORDENADOR PEDAGÓGICO NA PERSPECTIVA DO PENSAMENTO COMPLEXO

    . Formação de grupos de estudos como uma das condições que favorecem:
    - a construção e geração de conhecimentos interdisciplinares, isto é, a interação de duas ou mais disciplinas que pode ir desde a simples comunicação até a integração recíproca de conceitos fundamentais e da teoria do conhecimento; - propagação de uma visão que favoreça a explicação e compreensão da realidade local e global, sem fragmentações, num grau máximo de relações entre as disciplinas (SABALA, 2002); - a elaboração de materiais didáticos utilizáveis por duas ou mais disciplinas que interagem; - divulgação de uma visão que permita a explicação e a compreensão, dos fenômenos locais e globais, numa perspectiva complexa; - criação de condições favoráveis ao uso das novas tecnologias de informação e comunicação que contribuam para entendimento global dos fenômenos e objetos de conhecimento; - elaborações textuais que integrem, relacionem e entrelacem conhecimentos de duas ou mais disciplinas, configurando a interdisciplinaridade; - criação de espaços permanentes de diálogo entre todos os componentes da comunidade escolar, viabilizando a troca de saberes e de experiências pedagógicas que contribuam para a compreensão global da realidade; - manutenção de intercâmbios com instituições locais, nacionais e internacionais que assegurem uma visão integral da realidade local e mundial; - favorecimento ao desenvolvimento de um processo de ensino e aprendizagem que promova a autonomia dos estudantes; - compartilhamento de métodos de trabalho que transformem os originais e gestem inovações metodológicas ao processo de ensino-aprendizagem;
    - geração de soluções inéditas e inovadoras para o encaminhamento de respostas aos problemas e objetos de estudos.

  • PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO
    No sentido etimológico, a palavra projeto vem do latim projectu, que significa lançar para diante. Plano, intento, desígnio. Empresa, empreendimento. Redação provisória de lei. Plano geral de edificação (FERREIRA, 1975, p. 1144).
    A Lei de Diretrizes de Bases da Educação Nacional (LDBEN) de 1996 diz que o projeto político pedagógico é um documento de referência. Por meio dele, a comunidade escolar exerce sua autonomia pedagógica, administrativa e financeira.
    Também chamado de proposta pedagógico, projeto educativo ou plano global, o projeto político-pedagógico pode ser definido como o documento que rege a escola, com normas e fundamentos que norteiam a prática pedagógica.
    Além da Lei de Diretrizes de Bases Nacional (LDBEN), o projeto político pedagógico deve considerar as orientações contidas nas diretrizes curriculares elaboradas pelo Conselho Nacional de Educação e nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN).
    Fazendo referência a visão de documento Alarcão (2001) coloca que o projeto pedagógico da escola, na sua dimensão de produto, é um documento. Mas esse projeto/documento resulta de um processo sobre a missão da escola e o modo como ela se organiza para cumprir essa missão. Mas, é também resultado de um processo de vontade para concretizar, na ação, um projeto delineado, o que faz com que ele, uma vez aprovado, se constitua como referência sistemática de atuação e avaliação.

  • ALGUNS EXEMPLOS..........

    ALGUNS EXEMPLOS..........

  • A GÊNESE DA FORMAÇÃO CONTÍNUA DOS PROFESSORES

    A aprendizagem nos meios organizacionais faz-se necessária diante de um contexto caracterizado por mudanças, incertezas e instabilidade que por sua vez geram novas demandas sociais, culturais, econômicas e políticas.
    E a escola?
    A análise do pensamento de Alarcão (2000, p. 13), sobre a conceituação da escola como “uma organização que continuamente se pensa a si própria, na sua missão social e na sua estrutura, e se confronta com o desenrolar da sua atividade num processo avaliativo e formativo” permite considerar que a escola que ela classifica de reflexiva, constitui-se numa organização de aprendizagem, num processo permanente de repensar-se, avaliar-se e promover as mudanças que o contexto local e mundial exige.
    Assim, para caracterizar-se como uma organização de aprendizagem, não basta à escola qualificar o aluno, mas também todos os seus integrantes, tendo como destaque o professor, através de um processo permanente de formação, coordenado pelo Coordenador Pedagógico.
    Por que destaque à aprendizagem dos professores?
    Porque os professores são profissionais imprescindíveis nos processos de mudança da sociedade, proporcionando, através de sua atuação docente, contribuição à formação humanística, cultural, ética, científica e tecnológica de seus alunos: crianças, adolescentes e jovens. Caso a escola deixe os professores fora do âmbito das decisões pedagógicas e curriculares, estas não se efetivarão, não gerarão efeitos na sociedade, razão pela qual governo, mantenedoras, instituições de ensino superior e escolas deve investir na sua formação e desenvolvimento profissional.
    De acordo com o pensamento de Pimenta e Severino (2005), a democratização do ensino, no Brasil, passa pela formação, valorização e condições de trabalho do professor. Daí a importância de investimento no contínuo desenvolvimento dos professores.
    Essa formação identitária é epistemológica, ou seja, reconhece a docência como um campo de conhecimentos específicos configurados em quatro grandes conjuntos (PIMENTA; SEVERINO, 2005, p. 13).

  • Esses quatro conjuntos são constituídos de conteúdos:

    - das diversas áreas do saber e do ensino (das ciências humanas e naturais, da cultura e das artes);
    - didático-pedagógicos vinculados à prática docente;
    - de saberes pedagógicos mais abrangentes;
    - vinculados ao esclarecimento do sentido da existência humana individual, com sensibilidade pessoal e social.

  • ELEMENTOS DO PROJETO DE FORMAÇÃO CONTÍNUA DOS PROFESSORES
    A elaboração do projeto fundamenta, organiza, sistematiza e direciona a proposta de formação contínua de professores.
    A estrutura de qualquer projeto fundamenta-se no método científico, razão pela qual, tem em sua estrutura os mesmos elementos, conforme. No entanto, dependendo de sua finalidade, pode ter variações, destacando aspectos considerados importantes.
    Elementos básicos de um projeto
    1. Identificação do projeto 2. Descrição da situação-problema 3. Proposição de objetivos 4. Definição de metas 5. Delineamento de método, estratégias e procedimentos 6. Especificação de cronograma 7. Identificação de recursos e custos 8. Proposição de monitoramento e avaliação (LÜCK, 2003, p. 92).

  • AS IMPLICAÇÕES HISTÓRICAS NA PRÁTICA PEDAGÓGICA
    A Pedagogia, no Brasil, vive um grande paradoxo: enquanto é verificada uma imensa pedagogização da sociedade com o impacto das inovações tecnológicas, da informática dos meios de comunicação, da difusão cultural e científica e da propaganda; no meio educacional ela se encontra no descrédito, assim como a atividade docente. (José Carlos Libâneo).
    Há uma tradição na história da formação de professores no Brasil, segundo a qual o pedagogo é alguém que ensina algo e o curso de pedagogia seria um curso de formação de professores para as séries iniciais. Essa idéia permanece viva na experiência de muitos que não entendem, ou não tiveram a oportunidade de perceber que a Pedagogia se ocupa com todo o processo educativo e ao mesmo tempo é uma diretriz orientadora da ação educativa. Dentro dessa visão “o Pedagogo” é um profissional que atua em várias instâncias da prática educativa, direta ou indiretamente ligadas à organização de saberes e ações pedagógicas.
    Segundo Libâneo, o grande paradoxo em que nos encontramos hoje em relação à Pedagogia, está extremamente ligado a ampliação e inovações tecnológicas, as quais, trazem atrativos pedagógicos bem claros e perceptíveis, deixando o meio educacional com mais descrédito ainda.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • *Introdução
  • *O Papel do Coordenador Pedagógico
  • *A Coordenação Pedagógica na Perspectiva do Pensamento Complexo
  • *Projeto Político Pedagógico
  • *A Coordenação Pedagógica e a Formação Contínua de Professores
  • *As Múltiplas Implicações da Prática do Coordenador Pedagógico