Curso Online de Pedagogia do Oprimido Paulo Freire

Curso Online de Pedagogia do Oprimido Paulo Freire

Este curso foi montado para uma boa compreensão sobre o livro Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso foi montado para uma boa compreensão sobre o livro Pedagogia do Oprimido de Paulo Freire

Estudou Licenciatura em Física na Instituição Universidade Estadual de Ponta Grossa, com grande experiência na área de educação.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • Pedagogia do Oprimido

    Pedagogia do Oprimido

  • Capítulo 1

  • Tal discussão coloca o ser humano no centro como ponto chave de reflexão e estudo, percebe-se tamanha desumanização, mesmo esta sendo um fato concreto histórico, não é um caminho dado mas uma ordem injusta que gera a violência dos opressores, que são como capatazes esta é a ideia do “ser menos”.

  • Esta luta somente tem sentido quando os oprimidos, ao buscar recuperar sua humanidade, que é uma forma de cria-la, não se sente idealistamente opressores, nem se tornam, de fato, opressores dos opressores, mas restauradores da humanidade em ambos” – Cap. 1, Pg. 16, 7° paragrafo.

  • A pedagogia dialógica emancipatória do oprimido descrita pro Freire, distingue a classe dominante da classe opressora, auxiliando-nos a percepção destes conceitos no nosso cotidiano, a visão de posse que percebemos dos opressores, sobre os oprimidos os quais buscam sua libertação, para eles tudo o que não seja o seu direito de oprimir, significa opressão. E, por temerem perder suas posses, veem a humanização e a liberdade dos oprimidos como subversão.

  • Para o opressor não interessa a inserção crítica, mas a impotência diante da realidade ‘situação-limite’ . Daí a necessidade constante de controle, quanto mais controlam os oprimidos, mais os transformam em coisas, em objeto inanimado.
    “ O opressor só se solidariza com os oprimidos quando o seu gesto deixa de ser um gesto piegas e sentimental, de caráter individual, e passa a ser um ato de amor àqueles.” – Cap. 1, Pg. 20, 2° paragrafo.

  • Os opressores apresentam uma falsa ‘generosidade’. Eles tem necessidade desta generosidade para continuar oprimido, a Verdadeira Generosidade está em lutar para que desapareçam as razões que alimentam o falso amor. E fazer com que as mãos tremulas e suplicantes se tornem mãos transformadoras do Mundo. Logo estes oprimidos, necessitam libertar-se e viver uma vida sem opressões, porém esta situação de oprimido e opressor, passa de geração a geração, esta hierarquia torna cada vez mais fortes a consciência dos opressores, por isso tudo sua generosidade é tão falsa e medíocre, afim de ser somente para o opressor ter a vantagem sobre os demais.

  • A justificativa da Pedagogia do Oprimido, trata da pedagogia dos dominantes onde a educação serve a pequenos grupos, como forma de opressão as massas tornando-as manipuláveis e alienadas ao interesse dos opressores, que são identificados a essa altura no texto pelo autor.

  • Partindo deste ponto Paulo Freire lança uma nova perspectiva a essa pratica pedagógica utilizando-se da pedagogia libertadora que leva os oprimidos a liberdade de expressão, pensamento crítico e considera a bagagem do individuo, trazendo a re-humanização dos oprimidos, já que o homem passa a ser sujeito de sua historia se relacionando com o mundo e com os demais homens, deixando de lado o papel de receptor e tornando-se um mediador do processo.

  • [...] "Ninguém liberta ninguém, ninguém se liberta sozinho. Os homens se libertam em comunhão.” [...] pag. 29
    Entende-se com esta citação que a pedagogia deve ser usada na promoção da práxis onde o oprimido deve refletir sobre as causas de sua opressão, orientar-se na pedagogia para lutar contra o medo libertador, rompendo assim, está pedagogia manipuladora.

  •   Em síntese este primeiro capitulo tem o objetivo de caracterizar os opressores, expor a real situação dos oprimidos e apresentar alternativas para a solução dessa relação de opressor e oprimido, evidenciando que a libertação deve ser liderada justamente pelo próprio oprimido depois de agir sobre si deve refletir o mundo e assim transforma-lo.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Pedagogia do Oprimido