Curso Online de Tratamento da flacidez corporal e redução de medidas
5 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de Tratamento da flacidez corporal e redução de medidas

sumário Pág. 1 Tratamento da flacidez corporal e redução de medidas Pág. 2 introdução Pág.3 Tecido epitelial Pág.4 o epit...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 6 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

sumário
Pág. 1 Tratamento da flacidez corporal e redução de medidas
Pág. 2 introdução
Pág.3 Tecido epitelial
Pág.4 o epitélio pavimentoso
Pág.5 Tecido epitelial glandular
Pág.6 Tecido epitelial glandular
Pág.7 Células epiteliais glandulares
Pág.8 Imagem de glândulas endócrinas e exócrinas
Pág.9 Imagem de glândulas endócrinas e exócrinas
Pág.10 Tecido conjuntivo
Pág.11 Matriz extracelular
Pág.12 Células adiposas
Pág. 13 Tecido adiposo e tecido ósseo
Pág.14 Imagem do tecido conjuntivo
Pág.15 Tecido cartilaginoso
Pág.16 Diferenças de cartilagens
Pág.17 Tecido conjuntivo frouxo
Pág.18 Imagem do tecido cartilaginoso
Pág.19 Tecido tegumentar
Pág.20 Funções
Pág.21 derme
Pág.22 Imagem de um corte de pele
Pág.23 Tecido Subcutâneo
Pág.24 Sistema muscular
Pág.25 Imagem do sistema muscular :
Pág.26 Classificação do sistema muscular
Pág.27 Tecido muscular em geral
Pág.28 Sistema linfático
Pág.29 Estudos laboratoriais sobre o sistema linfático
Pág.30 Circulação Linfática
Pág.31 Esquema do circulatório linfático
Pág.32 A linfa
Pág.33 O sistema linfático humano
Pág.34 órgãos Linfático
Pág.35 Ducto Linfático Direito
Pág.36 Órgãos linfáticos

Pág.37 Imagem de tonsila timo e baço
pág.38 Baço imagem 1
Pág.39 Texto sobre o baço
Pág. 40 Anatomia do baço
Pág. 41linfonodos ( gânglios linfáticos)
Pág. 42 macrófagos
Pág. 43 Continuação de macrófagos
Pág. 44 Tonsilas palatinas(amidalas)
Pág. 45 Timo
Pág. 46 Continuação de timo
Pág. 47 Imagem de Timo
Pág. 48 Linfonodos da cabeça e pescoço
Pág. 49 Imagem de tonsilas
Pág. 50 Imagem do timo
Pág. 51 Vasos linfáticos e linfonodos da faringe
Pág. 52 Vasos linfáticos e linfonodos da mama
Pág.53 Vasos linfáticos e linfonodos do membro superior
Pág. 54 Vasos linfáticos e linfonodos da parede abdominal posterior
Pág. 55 Vasos linfáticos do períneo e região inguinal
Pág. 56 Linfonodos do membro inferior
Pág. 57 Linfonodos da região poplítea
Pág. 58 Sistema Arterial
Pág. 59 Algumas artérias importantes do corpo humano
Pág. 60 Sistema da artéria aorta o sangue oxigenado
Pág. 61 Esquema da aorta
Pág. 62coração
Pág.63 Artéria coronária esquerda
Pág. 64 Artéria coronária direita
PÁG. 65 Artéria marginal esquerda
Pág. 66 Tabela Artérias da aorta
Pág. 67 Artérias da cabeça e pescoço
Pag. 68 Artéria carótida
Pág. 69 Artéria carótida externa
Pág. 70 Esquema de artéria carótida externa
Pág. 71 Artéria carótida externa direita e esquerda
PÁG. 72 Polígono de willis
Pág. 73 Esquemas de artérias cerebral
Pág. 74 Artérias do s membros superiores
Pág. 75 Artéria subclávia
Pág. 76 Gráfico da artéria aorta
Pag. 77 Gráfico da artéria axila
Pág. 78 Artéria aorta torácica
Pág. 79 Tabela
Pág. 80 Aorta abdominal
Pág. 81 Artéria esofágica
PAG. 82 Artéria hepática comum
PÁG. 83 Artéria marginal
PAG. 84 Artéria de recuo
Pág. 85 Artérias do membro inferior
Pag. 86 Aorta abdominal
PÁG. 87 Artéria femoral
Pág. 88 Artérias principais do tórax
Pag. 89 Veia do abdome
Pág. 90 Sistema porta hepático
Pág. 91 Tabela de veias dos membros superiores
Pág. 92 Trajeto das veias profundas dos membros superiores
Pág. 93 Veias dos membros inferiores
Pág. 94 Gráfico veias dos membros inferiores
Pág. 95 ESTRUTURAS DO TECIDO MUSCULAR
Pag. 96 Fibra muscular vista no microscópio
Pág. 97 PROCESSO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR
Pag. 98 Estímulos musculares
Pág. 99 ARCO REFLEXO
Pág. 100 TIPOS DE CONTRAÇÃO MUSCULAR
Pág.101 Desenho esquemático da malha de controle que envolve músculo, tendão, fuso muscular e fibras nervosas
Pág. 102 TIPOS DE CONTRAÇÃO MUSCULAR Contração Muscular Isométrica
Pág. 103 HIPERTROFIA E ATROFIA MUSCULARES
Pag. 104 Tipos DE CONTROLE MÚSCULOS X MALHAS
Pag.105 Algumas causas dos problemas estéticos
Pag. 106 flacidez
Pág. 107 Principais indicações da massagem modeladora
PÁG.108 Técnicas de massagem modeladora
Pág. 109 Celulite grau I
Pag. 110 Celulite grau II
Pág. 111 CELULITE GRAU III
Pág. 112 CELULITE GRAU IV
Pág. 113 Contra indicação
Pag. 114 Tratamentos associados
Pág. 115 Definição de argila
Pág.116 Composição mineral
Pág.117 Tônico e equilibrante do organismo
Pág.118 Argiloterapia, geoterapia, ou talassaterapia
Pág.119 procedimento
Pág.120 Região lateral do tórax
Pág.121 Frente do tórax
Pág.122 coxa
Pág.123 Pés e tíbia
Pág.124 Tórax posterior
Pág.125 Coxa posterior.


curso de estética facial curso de estética corporal trabalho com estética corporal e facial a 6 anos Professora de estética facial e corporal do instituto Seike de beleza cursando 2º semestre de tecnologia em estética e cosmética UNIP CURSO DE DEPILAÇÃO


- Dagmar Fátima De Oliveira Curto

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Tratamento da flacidez corporal e redução de medidas

    Tratamento da flacidez corporal e redução de medidas

  • introdução

    introdução

    Tenho como objetivo principal neste curso não invalidar as técnicas já existente, mas sim somar conhecimentos através de uma técnica utilizada por mim, e com a qual tenho obtido excelentes resultados

  • Tecido epitelial

    Tecido epitelial

    O tecido epitelial serve para cobrir o organismo, ou seja fazer o revestimento interno e externo do corpo.
    Epitélio de revestimento
    Funciona como uma membrana isolante que reveste todas as superfícies internas e externas do organismo,. As células que compõe a pele ( revestimento externo) são bastante grudadas umas nas outras, através de estruturas chamadas demossomos, nos quais são pequenos filamentos de proteínas presentes nas membrana plasmáticas se enlaçam dando firmeza às células. Não existem artérias ou capilares sanguíneos nesse epitélio, a oxigenação das células ocorre por difusão com células do tecido conjuntivo, é por isso também que essa camada não sangra.
    Os epitélios de revestimentos podem ser classificados de várias maneiras: uni estratificado (simples) e estratificado ( ou pluriestratificado) , quanto ao numero de camadas de células que compõem o tecido. Quanto à forma as divisões são feitas em, pavimentos, cúbico e prismático ( colunar ou cilíndrico ). O epitélios de revestimentos podem ser classificados de várias maneiras: uni estratificados simples e estratificados ( pluriestratificados ) quanto ao número de camadas de células que compõem o tecido. Quanto a forma as divisões são feitas em pavimentoso, cúbito e prismático (colunar ou cilíndrico ).

  • O epitélio pavimentoso

    O epitélio pavimentoso

    O epitélio pavimentoso tem células achata, formando pavimentos que cobrem grandes áreas . O epitélio cúbico é formado por células em forma de cubos, e os prismáticos (ou colunares tem forma de colunas. As células pertencentes aos epitélios uni estratificados podem apresentar micro vilosidade ou cílios . Essas micro vilosidades, são formadas por pequenas pregas na membrana plasmática da célula e tem como objetivo aumentar área superficial. Estão presentes em células do intestino por exemplo para haver uma maior área para uma melhor absorção de água e nutrientes. Os cílios estão presentes por exemplo nas células da traqueia e servem para remover partículas estranhas através de movimentos ordenados em uma direção.

  • Tecido epitelial glandular

    Tecido epitelial glandular

    Existem dois tipos de células glandulares: as exócrinas e as endócrinas. A diferença entre elas é que a primeira libera sua secreção diretamente no meio externo (ambiente) e a outra joga as secreções na corrente sanguínea. Ainda existe a divisão por glândulas multicelulares e uni celulares, que são aquelas formadas por várias células e uma só célula, respectivamente.
    As glândulas exócrinas são formadas por invaginações na camada de células do epitélio de revestimento. Elas se afastam, formando um canal, onde liberam suas substâncias. Em torno dessas glândulas passam capilares sanguíneos, que transportam a matéria prima da secreção.
    As glândulas endócrinas são formadas por células do epitélio de revestimento que se aprofundam e se separam no tecido conjuntivo, perdendo contato com o meio externo. Em volta da glândula estão diversos capilares, que fornecerão matéria prima para a formação da secreção e recolherão essa secreção, levando-a ao seu destino.

  • Imagem do tecido epitelial

    Imagem do tecido epitelial

  • Células epiteliais glandulares

    Células epiteliais glandulares

    Quando agrupadas em grande número as células epiteliais glandulares formam estruturas denominadas glândulas. Alojadas no interior das glândulas as células epiteliais glandulares podem sintetizar, armazenar e secretar várias substâncias tais como proteínas (pâncreas), lipídios (adrenal e glândulas sebáceas) ou complexos de carboidratos e proteínas (glândulas salivares). As glândulas mamarias merecem destaque por conseguirem sintetizar todas as três substâncias (proteínas, lipídios e carboidratos).
    Podemos classificar as glândulas, quanto ao número de células, em unicelular (a secreção é produzida por células especializadas ocasionais, como as células caliciformes muco-secretoras) ou multicelular (a secreção é elaborada por agrupamentos de células). As secreções produzidas pelas glândulas podem ser expelidas tanto para o meio externo, quanto para o meio interno. Portanto, elas são classificadas em glândulas exócrinas e glândulas endócrinas respectivamente. A principal diferença entre estes dois tipos de glândulas é que as glândulas endócrinas não possuem ductos (tubos), ao contrário das glândulas exócrinas , que os têm, e os utilizam para transportar suas secreções para locais específicos.

  • Imagem de glândulas endócrinas e exócrinas

    Imagem de glândulas endócrinas e exócrinas

  • Existem dois tipos de glândulas endócrinas

    Existem dois tipos de glândulas endócrinas

    As glândulas endócrinas também referidas como glândulas de secreção interna, eliminam suas secreções (hormônios) diretamente na corrente sanguínea. Como exemplo pode-se citar as glândulas da tireoide, glândulas adrenais e hipófise.
    As glândulas endócrinas podem ser de dois tipos: Glândula endócrina do tipo cordonal (As células deste tipo de glândula organizam-se formando cordões maciços. Exemplo: hipófise e paratireoide) e Glândula endócrina do tipo folicular ou vesicular (As células deste tipo de glândula organizam-se formando vesículas. Exemplo: Tireoide).
    Já as glândulas exócrinas também referidas como glândulas de secreção externa, eliminam suas secreções na superfície do corpo (glândulas sudoríparas, lacrimais, mamárias e sebáceas) ou na superfície de revestimento de órgãos que se comunicam com o meio externo como a boca (glândulas salivares). Quando a glândula exócrina

  • Tecido conjuntivo

    Tecido conjuntivo

    Tecidos conjuntivos são os responsáveis pelo estabelecimento e manutenção da forma do corpo, fazendo a ligação entre as diferentes células e órgãos, mantendo-os unidos e dando suporte mecânico. Em uma analogia simples, em que os órgãos e células seriam os tijolos de uma parede, o tecido conjuntivo seria como o cimento que os une.
    1- Epitélio Pavimentoso Estratificado Queratinizado, 2- Tecido Conjuntivo Frouxo, 3- Tecido Conjuntivo Denso
    Estruturalmente o tecido conjuntivo possui três componentes: células, fibras e substâncias fundamental. A variação na qualidade e quantidade destes componentes define os diferentes tipos de tecido conjuntivo. Enquanto os demais tecidos (epitelial, muscular e nervoso) têm como constituintes principais as células, no tecido conjuntivo predomina a matriz extracelular, formada pela A matriz extracelular é uma combinação variada de diversas proteínas fibrosas com a substância fundamental. As fibras podem ser colágenas, reticulares ou elásticas, dependendo da composição das proteínas, que por sua vez definirá suas propriedades e funções.
    substância fundamental e pelas fibras.

  • Matriz extra celular

    Matriz extra celular

    A matriz extracelular é uma combinação variada de diversas proteínas fibrosas com a substância fundamental. As fibras podem ser colágenas, reticulares ou elásticas, dependendo da composição das proteínas, que por sua vez definirá suas propriedades e funções.
    A substância fundamental é um complexo viscoso e altamente hidrofílico, ou seja, que possui grande afinidade pela água (hidro= água / filia= afinidade por), portanto solúvel. É composto principalmente de macromoléculas aniônicas (como glicosaminoglicanos e proteoglicanos) e glicoproteínas multiadesivas (como a lamina, a fibronectina, entre outras). Estas macromoléculas se ligam a receptores específicos na superfície das células, promovendo assim a união do tecido, conferindo força tênsil e rigidez à matriz.
    As principais células do tecido conjuntivo são os fibroblastos, os leucócitos e as células adiposas (gordura).
    Os fibroblastos produzem as fibras e a substância fundamental, além de estarem envolvidos na produção de fatores de crescimento que controlam o crescimento e a diferenciação celular. Quando os fibroblastos tornam-se metabolicamente quiescentes (pouco ativos) passam a ser chamados de fibrócitos. Os leucócitos são as células de defesa, eles produzem anticorpos fagocitam corpos estranhos (bactérias ou partículas) e mudam reações alérgicas e inflamatórias.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Tratamento da flacidez corporal e redução de medidas
  • introdução
  • Tecido epitelial
  • O epitélio pavimentoso
  • Tecido epitelial glandular
  • Imagem do tecido epitelial
  • Células epiteliais glandulares
  • Imagem de glândulas endócrinas e exócrinas
  • Existem dois tipos de glândulas endócrinas
  • Tecido conjuntivo
  • Matriz extra celular
  • Células adiposas
  • TECIDO ADIPOSO E TECIDO ÓSSEO
  • IMAGEM DO TECIDO CONJUNTIVO
  • Tecido cartilaginoso
  • Diferenças de cartilagens
  • Tecido conjuntivo frouxo
  • Imagem do tecido cartilaginoso
  • Tecido tegumentar
  • FUNÇÕES
  • derme
  • Imagem de um corte de pele
  • Tecido Subcutâneo
  • Sistema muscular
  • Imagem do sistema muscular:
  • Classificação do sistema muscular
  • Tecido muscular em geral
  • Sistema linfático
  • Estudos laboratoriais sobre o sistema linfático
  • Circulação Linfática
  • Esquema do circulatório linfático
  • A linfa
  • O sistema linfático humano
  • órgãos Linfáticos:
  • Ducto Linfático Direito
  • : O baço, os linfonodos (nódulos linfáticos), as tonsilas palatinas (amígdalas), a tonsila faríngea (adenoides) e o timo (tecido conjuntivo reticular linfoide rico em linfócitos) são órgãos do sistema linfático. Alguns autores consideram a medula óssea pertencente ao sistema linfático por produzirem os linfócitos. Estes órgãos contém uma armação que suporta a circulação dos linfócitos A e B e outras células imunológicas tais como os macrófagos e células dendríticas. Quando micro-organismos invadem o corpo ou o mesmo encontra outro antígeno (tal como o pólen), os antígenos são transportados do tecido para a linfa. A linfa é conduzida pelos vasos linfáticos para o linfonodo regional. No linfonodo, os macrófagos e células dendríticas fagocitam os antígenos, processando-os, e apresentando os antígenos para os linfócitos, os quais podem então iniciar a produção de anticorpos ou servir como células de
  • Baço:
  • Imagem do baço
  • Anatomia do baço
  • Linfonodos (Nódulos Linfáticos) linfonodos ( gânglios linfáticos
  • macrófagos
  • Continuação de macrófagos
  • Tonsilas palatinas(amidalas)
  • Timo
  • Continuação de timo
  • Timo
  • Linfonodos da cabeça e pescoço
  • Imagem de tonsilas
  • Imagem do timo
  • Vasos linfáticos e linfonodos da faringe
  • Vasos linfáticos e linfonodos da mama
  • Vasos linfáticos e linfonodos do membro superior
  • Vasos linfáticos e linfonodos da parede abdominal posterior
  • Vasos linfáticos do períneo e região inguinal
  • Linfonodos do membro inferior
  • Linfonodos da região poplítea
  • Sistema Arterial
  • Algumas artérias importantes o corpo humano
  • Sistema da artéria aorta o sangue oxigenado
  • Esquema da aorta
  • coração
  • Artéria coronária esquerda
  • Artéria coronária direita
  • Artéria marginal esquerda
  • Artérias da aorta
  • ARTÉRIAS DO PESCOÇO E CABEÇA
  • Artéria carótida
  • Esquema de artéria carótida externa
  • Artéria carótida externa direita e esquerda
  • Esquemas de artérias cerebral
  • ARTÉRIAS DOS MEMBROS SUPERIORES
  • Artéria subclávia
  • gráfico
  • Artéria aorta torácica
  • Tabela
  • Artérias do membro inferior
  • Abdome:
  • O SISTEMA PORTA-HEPÁTICO
  • Tabela de VEIAS DOS MEMBROS SUPERIORES
  • Trajeto das veias profundas dos membros superiores
  • Veias dos membros inferiores
  • Gráfico veias dos membros inferiores
  • ESTRUTURAS DO TECIDO MUSCULAR
  • Fibra muscular vista no microscópio
  • PROCESSO DE CONTRAÇÃO MUSCULAR
  • Estímulos musculares
  • ARCO REFLEXO
  • TIPOS DE CONTRAÇÃO MUSCULAR
  • Desenho esquemático da malha de controle que envolve músculo, tendão, fuso muscular e fibras nervosas
  • TIPOS DE CONTRAÇÃO MUSCULAR Contração Muscular Isométrica
  • HIPERTROFIA E ATROFIA MUSCULARES
  • DE CONTROLE MÚSCULOS X MALHAS
  • Algumas causas dos problemas estéticos
  • flacidez
  • Principais indicações da massagem modeladora
  • Técnicas de massagem modeladora
  • Celulite grau I
  • Celulite grau II
  • CELULITE GRAU III
  • CELULITE GRAU IV
  • Contra indicação
  • Tratamentos associados
  • Definição de argila
  • Composição mineral
  • Tônico e equilibrante do organismo
  • Argiloterapia, geoterapia, ou talassaterapia
  • procedimento
  • Região lateral do tórax
  • Frente do tórax
  • coxa
  • Pés e tíbia
  • Tórax posterior
  • Coxa posterior
  • Argiloterapia, ou talassaterapia
  • Região do braço
  • Lista de material