Curso Online de ADOÇÃO

Curso Online de ADOÇÃO

SEJA BEM VINDA O CURSO ADOÇÃO CURSO DESTINADO A TODOS OS PROFISSIONAIS DA AREA DE DIREITO, SOCIAIS E HUMANAS.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 21 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 30 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

SEJA BEM VINDA O

CURSO

ADOÇÃO


CURSO DESTINADO A TODOS OS PROFISSIONAIS DA AREA DE DIREITO, SOCIAIS E HUMANAS.

ORGANIZAÇÃO QUE BUSCA APRESENTAR CURSOS EM DIVERSAS ÁREAS DE ATUAÇÃO E FORMAÇÃO POR UM BAIXO CUSTO PARA OS USUÁRIOS.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • ADOÇÃO

    ADOÇÃO

  • SEJA BEM VINDA (O)

    CURSO

    ADOÇÃO

  • CURSO DESTINADO A TODOS OS PROFISSIONAIS DA ÁREA DA ASSISTÊNCIA, SAÚDE E JURÍDICO.

    CURSO SEM PRE REQUISITO.

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    Para a língua portuguesa, adotar “é um verbo transitivo direto” (AURÉLIO, 2004), uma palavra genérica, que de acordo com a situação pode assumir significados diversos, como: optar, escolher, assumir, aceitar, acolher, admitir, reconhecer, entre outros.

  • LEI Nº 12.010, DE 3 DE AGOSTO DE 2009.

    LEI Nº 12.010, DE 3 DE AGOSTO DE 2009.

    Dispõe sobre adoção; altera as Leis nos 8.069, de 13 de julho de 1990 - Estatuto da Criança e do Adolescente, 8.560, de 29 de dezembro de 1992; revoga dispositivos da Lei no 10.406, de 10 de janeiro de 2002 - Código Civil, e da Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, aprovada pelo Decreto-Lei no 5.452, de 1o de maio de 1943; e dá outras providências. 

  • Art. 1o  Esta Lei dispõe sobre o aperfeiçoamento da sistemática prevista para garantia do direito à convivência familiar a todas as crianças e adolescentes, na forma prevista pela Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990, Estatuto da Criança e do Adolescente. 
    § 1o  A intervenção estatal, em observância ao disposto no caput do art. 226 da Constituição Federal, será prioritariamente voltada à orientação, apoio e promoção social da família natural, junto à qual a criança e o adolescente devem permanecer, ressalvada absoluta impossibilidade, demonstrada por decisão judicial fundamentada. 
    § 2o  Na impossibilidade de permanência na família natural, a criança e o adolescente serão colocados sob adoção, tutela ou guarda, observadas as regras e princípios contidos na Lei nº 8.069, de 13 de julho de 1990, e na Constituição Federal. 

  • Art. 2o  A Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990, Estatuto da Criança e do Adolescente, passa a vigorar com as seguintes alterações: 
    “Art. 8o  .............................................................................
    ........................................................................................ 
    § 4º  Incumbe ao poder público proporcionar assistência psicológica à gestante e à mãe, no período pré e pós-natal, inclusive como forma de prevenir ou minorar as consequências do estado puerperal. 
    § 5o  A assistência referida no § 4o deste artigo deverá ser também prestada a gestantes ou mães que manifestem interesse em entregar seus filhos para adoção.” (NR) 

  • Art. 13.  ...........................................................................
    Parágrafo único.  As gestantes ou mães que manifestem interesse em entregar seus filhos para adoção serão obrigatoriamente encaminhadas à Justiça da Infância e da Juventude.” (NR) 

  • “Art. 19.  ...........................................................................
    § 1º  Toda criança ou adolescente que estiver inserido em programa de acolhimento familiar ou institucional terá sua situação reavaliada, no máximo, a cada 6 (seis) meses, devendo a autoridade judiciária competente, com base em relatório elaborado por equipe interprofissional ou multidisciplinar, decidir de forma fundamentada pela possibilidade de reintegração familiar ou colocação em família substituta, em quaisquer das modalidades previstas no art. 28 desta Lei. 

  • § 2o  A permanência da criança e do adolescente em programa de acolhimento institucional não se prolongará por mais de 2 (dois) anos, salvo comprovada necessidade que atenda ao seu superior interesse, devidamente fundamentada pela autoridade judiciária. 
    § 3o  A manutenção ou reintegração de criança ou adolescente à sua família terá preferência em relação a qualquer outra providência, caso em que será esta incluída em programas de orientação e auxílio, nos termos do parágrafo único do art. 23, dos incisos I e IV do caput do art. 101 e dos incisos I a IV do caput do art. 129 desta Lei.” (NR) 

  • “Art. 25.  .........................................................................
    Parágrafo único.  Entende-se por família extensa ou ampliada aquela que se estende para além da unidade pais e filhos ou da unidade do casal, formada por parentes próximos com os quais a criança ou adolescente convive e mantém vínculos de afinidade e afetividade.” (NR) 


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • ADOÇÃO
  • INTRODUÇÃO
  • LEI Nº 12.010, DE 3 DE AGOSTO DE 2009.
  • CONCEITO
  • ADOÇÃO E BRASIL
  • LEGISLAÇÃO
  • CONSTITUIÇÃO FEDERAL
  • ESTATUTO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE - ECA
  • OUTRAS LEIS
  • PRINCÍPIOS E NORMAS
  • ILEGALIDADE
  • DOCUMENTAÇÃO
  • ADOÇÃO, GUARDA E TUTELA
  • NOMENCLATURA
  • FATORES MOTIVACIONAIS
  • CONTEXTO NACIONAL
  • ADOÇÃO INTERNACIONAL NO BRASIL
  • ADOÇÃO MAIORES DE 18 ANOS
  • EM PORTUGAL
  • Adoção homoparental
  • Adopção singular
  • Adopção conjunta
  • Co-adopção de filho biológico/adoptivo do companheiro
  • Adopção internacional
  • Adopção homoparental no Mundo
  • ADOPTAÇÃO SINGULAR
  • Adopção conjunta permitida:
  • Co-adopção com restrições:
  • Legislação discriminatória:
  • BRASIL
  • AGRADECIMENTO