Curso Online de Especialização: Crimes Virtuais: O Desvio de Fundos Bancários e o Uso Indevido de Cartões de Crédito.
5 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de Especialização: Crimes Virtuais: O Desvio de Fundos Bancários e o Uso Indevido de Cartões de Crédito.

Este curso tem por objetivo apresentar um estudo sobre a realidade brasileira atual no que tange os crimes de uso indevido de cartões de...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 18 horas

Por: R$ 50,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Este curso tem por objetivo apresentar um estudo sobre a realidade brasileira atual no que tange os crimes de uso indevido de cartões de crédito de terceiros e do desvio de fundos bancários alheios por meio da internet. O curso foi idealizado durante um período de seis meses, através do qual se buscou o mais amplo e ao mesmo tempo profundo conhecimento sobre as peculiaridades inerentes às práticas de tais infrações, bem como analisar suas consequentes tipificações no Código Penal Brasileiro. Altamente presente na atual sociedade, a internet se tornou um meio eficiente para a prática de crimes objetivando-se o patrimônio alheio.

- Rosa Maria Costa

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Este curso tem por objetivo apresentar um estudo sobre a realidade brasileira atual no que tange os crimes de uso indevido de cartões de crédito de terceiros e do desvio de fundos bancários alheios por meio da internet. O curso foi idealizado durante um período de seis meses, através do qual se buscou o mais amplo e ao mesmo tempo profundo conhecimento sobre as peculiaridades inerentes às práticas de tais infrações, bem como analisar suas consequentes tipificações no Código Penal Brasileiro. Altamente presente na atual sociedade, a internet se tornou um meio eficiente para a prática de crimes objetivando-se o patrimônio alheio.

  • Deste modo, o presente curso apresenta primeiramente uma análise sobre a evolução do crime, passando pela apresentação das características da Sociedade da Informação e também pela análise das peculiaridades e diferenças entre o crime de furto e estelionato, seguido pela apresentação dos crimes patrimoniais cometidos por meio da internet, suas descrições, as formas como são praticados e suas decorrentes tipificações penais.

  • A sociedade e seus processos internos assumiram formas até então jamais vistas ou presenciadas pelo homem. Em meio a mudanças e evoluções surgiu a internet, um novo meio de comunicação que também sofreu e ainda sofre constantes evoluções. No centro de tais processos evolutivos novos serviços surgiram e, dentre eles, o internet banking e o e-commerce. Acompanhando tais benefícios, rapidamente ambos os serviços se tornaram instrumentos para a prática de crimes patrimoniais. Assim, criminosos hoje fazem uso de técnicas utilizando tais serviços com o intuito de angariar lucros ilícitos por meio da rede mundial de computadores.

  • Diariamente grandes montantes financeiros são desviados de contas bancárias e também inúmeras compras não autorizadas são realizadas mediante cartão de crédito de terceiros em lojas virtuais. Nos dias atuais, tais crimes assumiram grande vultuosidade tanto em número de ações como também no que tange a quantidade financeira movimentada.

  • O objetivo deste curso é apresentar, de forma clara, as peculiaridades de dois dos principais crimes patrimoniais cometidos por meio da internet: O desvio de fundos bancários de contas alheias e o uso indevido de cartões de créditos de terceiros. Ambos crimes serão analisados sob três aspectos: As características gerais, o modo peculiar como cada um é praticado e a sua tipificação penal.
    Busca-se apresentar também algumas observações acerca do submundo criminal onde tais ilicitudes são arquitetadas e praticadas.

  • No entanto, antes de tudo, se faz necessário e imperioso o conhecimento de algumas características da sociedade atual, como também do fenômeno comunicativo denominado internet. É muito importante a contextualização dos delitos apresentados, tanto sob um aspecto evolucionista como também histórico, a fim de melhor fundamentar e embasar o que aqui se propõe.

  • O presente curso funda-se na necessidade por maiores conhecimentos acerca de tais práticas – as quais, devido a suas características e formas como são praticadas, tornam-se distantes do conhecimento geral, pois se dão de forma silenciosa por meio da internet – e também assentar matéria inerente a divergências acerca das tipificações penais de tais crimes, pois quanto mais profundamente se conhece determinada ação, melhor pode-se enquadrá-la na lei penal.

  • 3.1 O crime como fato social

    Desde os primórdios da humanidade, dos mais remotos tempos até os dias de hoje, constantemente a sociedade, não importando as inúmeras concepções que tenha assumido durante séculos, tem sido pulverizada por condutas as quais reiteradamente reprova.
    Tem-se então duas decorrências de tal reprovação social. Primeiramente aquelas condutas que não possuem um alto ou suficiente poder de ferir fortemente a moral social, apenas afrontando-a.

  • Tais condutas são apenas reprovadas pela moral coletiva dentro da própria sociedade, sem, todavia, haver algum tipo de sansão expressa e direta para tal atitude. É o caso, por exemplo, de sujeitos que faltam com a honestidade ou de ébrios.

  • Apesar da rejeição social a tais comportamentos, não há nenhuma pena expressa para quem assim age, a não ser o fato de que tais sujeitos serão, tácita e gradativamente, colocados à margem da sociedade, tornando-se indignos às interações sociais.
    O que torna inicialmente um fato criminoso não é essencialmente sua tipificação nos códigos e normas que discorram sobre si e suas penas, e sim o fato de este ser inicialmente reprovado de forma reiterada pelo consenso social, pela sociedade, uma vez que a configuração de tal fato no meio social fere fortemente sua moral, tornando-se, como já dito, algo refutado, odioso e indesejado para o bem estar coletivo.

  • Primeiramente há uma rejeição social por determinada conduta, e só então tal conduta será tipificada nas normas legais, tornando-se uma conduta passível de punição, punição esta que é cabalmente empunhada pelo Estado, o qual também responsável por captar as maiores repulsões da coletividade e trasladá-las para os diplomas legais.
    Assim, por exemplo, não é a sociedade quem repudia o furto por ser ele tipificado como crime, mas sim o furto que é tipificado como crime por ser abominado pelo meio social. A oposição a determinado fato não se dá por ser ele crime, e sim, o crime se dá por ser o fato repudiado.
    Nestes termos afirma É. Durkheim (1858 – 1917), um dos maiores sociólogos da história, afirmando ser um ato, criminoso, quando estes ofenda os estados fortes e definidos da consciência coletiva.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 50,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Apresentação
  • Introdução
  • O crime e sua morfologia social
  • -O crime como fato social
  • -Adequação e evolução do crime
  • A sociedade da informação
  • -Internet Banking
  • Crimes patrimoniais e suas tendências evolutivas
  • -Furto
  • -Estelionato
  • -Tendência evolutivas
  • Os crimes cometidos por meio da internet
  • -O desvio de fundos bancários de contas alheias
  • -O crime
  • -Como é praticado
  • -Tipificação penal