Curso Online de CURSO ESPECIALISTA EM UTI COMO CUIDAR E AGIR COM PACIENTE

Curso Online de CURSO ESPECIALISTA EM UTI COMO CUIDAR E AGIR COM PACIENTE

Capacitar na atenção de qualidade ao doente grave terminal, de acordo com os valores e princípios dos Cuidados Paliativos preconizados P...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 29 horas

Por: R$ 69,14
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Capacitar na atenção de qualidade ao doente grave terminal, de acordo com os valores e princípios dos Cuidados Paliativos preconizados Portaria do Ministério da Saúde, integrando o cuidado interprofissional, de forma ética e reflexiva.

*CONSULTOR PROGRAMAÇÃO NEUROLINGUÍSTICA. *CONSULTOR INTELIGÊNCIA EMOCIONAL APLICADA EM SALA DE AULA. *TÉCNICO EM LEITURA DINÂMICA ,MAPAS MENTAIS E APRENDIZAGEM ACELERADA. *FORMADO EM QUÍMICA / BIOLOGIA *TERAPEUTA NATURALISTA E MASSAGISTA. *TÉCNICO EM MEDICINA CHINESA,MEDICINA AYURVEDA E TIBETANA



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • CURSO ESPECIALISTA EM UTI COMO CUIDAR E AGIR COM PACIENTE

    curso especialista em uti como cuidar e agir com paciente

    prof.:sérgyo costa

  • 2

    na uti:
    profissional atento as necessidades fisiológicas básicas;
    pctes graves em risco de morte;
    tecnologia à disposição da manutenção da vida;
    sensação de dever cumprido qdo não tem lesão com o cuidado;
    abordagem tecnicista.

    desumanização da assistência.

    dúvida: até onde podemos ir?

  • 3

    ponto final do trabalho é o cuidado e não a manutenção da vida;
    curar é escravo da tecnologia;
    cuidar pressupõe que temos uma existência mortal;
    a tecnologia é necessária

    mas a máquina jamais deve substituir a essência humana.

    cada corpo pertence a um sujeito com:
    - sonhos/esperanças;
    - família; amigos;
    - carreira; trabalho.

  • 4

    só é possível humanizar partindo de nossa própria humanização;
    uma uti humanizada significa que os enfermeiros:
    - têm compaixão e atenção:

    consigo mesmo;
    com seus pares;
    com o paciente.

    é muito importante cuidar de quem cuida:
    ouvir os funcionários;
    ter grupo de apoio.

  • 5

    papel do enfermeiro na uti:
    - usar tecnologia como aliada;
    - ouvir e perceber como estão os membros de sua equipe;
    - buscar desenvolver um trabalho em equipe;
    - coloca o cuidado humano em primeiro plano.

    técnicas a serem utilizadas:
    relaxamento (melhora da dor; resgata o corpo e a mente);
    musicoterapia ( melhora da fc; aumento da t°);
    massagem;
    permitir a entrada de familiares a qualquer momento;
    boletim médico (1 vez ao dia) e visita;

  • 6

    permitir que pacientes conscientes tenham objetos familiares;
    visita de membros da religião;
    inconscientes: colher informações de seus familiares;
    melhorar a aparência geral do doente (boca; cabelo e unhas);

    o enfermeiro deve:
    sistematizar todos os pacientes da uti;
    orientar a sua equipe na execução do cuidado;
    prestar cuidado ao paciente grave.

  • 7

    a equipe deve:
    verificar ssvv (no mínimo) a cada 2 horas (temperatura, pa, fc, fr, pvc);
    pacientes com hipertermia malígna (↑40º) ou hipotermia (↓35º) está indicado o uso de colchão térmico, que adequa a t, diminuindo a necessidade de antitérmicos, e na hipotermia a manta térmica aquece o indivíduo.
    realizar mudança de decúbito a cada 2 horas;
    fazer avaliação neurológica (nível de consciência, respostas motoras, diâmetro, simetria e fotossensibilidade das pupilas);
    auxiliar o enfermeiro e o médico em procedimentos específicos;
    realizar todos os procedimentos relacionados à higiene e conforto do paciente.

  • 8

    a monitorização cardíaca deve ser contínua, com rodízio do local dos eletrodos;
    deve-se saber diferenciar artefatos de traçados reais;
    observar alterações de ritmos cardíacos, o sinusal do ritmo não sinusal, e eventual aparecimento de arritmias;
    realizar balanço hídrico, anotando ganhos e perdas, no mínimo a cd 2h;
    ganhos: medicações, líquidos (vo e ev), dietas e líquidos por sondas, npp (nutrição parenteral prolongada) e hemoderivados.
    perdas: diurese, evacuação, débito de drenos, débito de sondas, e as perdas insensíveis (suór, estado febril e vômitos).

    “o balanço hídrico permite controlar e adequar o aporte hídrico de acordo com a afecção, evitando assim a sobrecarga volêmica ou desidratação”.

  • 9

    cuidados com sonda vesical:
    utilizar sempre sistema fechado (troca de sondas, avaliar sinais e sintomas);
    fixação adequada: prevenção de fístulas uretrocutâneas e/ou edema uretra interna);
    homens: anterior do abdome, mantendo a uretra alinhada.
    mulheres: face interna da coxa.
    trocar a fixação a cada higiene íntima.
    higienização: 2x ao dia, com água e sabão, e depois do enxague com clorexedina aquosa= diminuir riscos de infecção.

  • 10

    cuidados com o paciente em vm/cânula de entubação/traqueostomia: higiene oral 3x/dia, previne infecções respiratórias e sepse no jejum prolongado;
    observar fixação e posicionamento da cânula endotraqueal, com o objetivo de prevenir a extubação (perdas acidentais) e a ventilação seletiva;
    aspirações de secreções, mantendo vias aéreas permeáveis sempre que necessário;
    recomenda-se cânulas com cuff de baixa pressão, diminuindo traumas de traquéia, insuflar lentamente até cessar a saída de ar (ideal pressão de 20cmh2o);
    controlar e registrar parâmetros do ventilador;
    participar do processo de desmame;
    acompanhar evolução dos exames gasométricos e radiológicos, garantindo uma assistência de enfermagem adequada à evolução do paciente;

  • 11

    pacientes com função pulmonar bastante comprometida, que necessitam de peep (pressão expiratória final positiva) e fio2 (fração inspirada de oxigênio alto). ex: sara (síndrome da angústia respiratória do adulto) recomenda-se sistema fechado de aspiração endotraqueal;
    desenvolver comunicação adequada com pacientes entubados/traqueostomizados;
    mudar o decúbito a cd 2 horas para auxiliar na prevenção e/ou tratamento de atelectasias pulmonares e acúmulo de secreções.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 69,14
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Cuidados na Adm de DVA (drogas vasoativas)
  • Higienização das mãos
  • ASSISTÊNCIA DE ENFERMAGEM NO PRÉ-NATAL
  • REGULAMENTAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL
  • Resolução COFEN Nº 271/2002
  • IMPORTÂNCIA DO PRÉ-NATAL
  • OBJETIVO DO PRÉ NATAL
  • IMPORTÂNCIA DA CONSULTA PRÉ-NATAL
  • Adesão ao Pré-natal
  • Assistência Integral à Saúde da Mulher
  • ELABORAÇÃO E IMPLANTAÇÃO DE PROTOCOLOS
  • FINALIDADE DA PRIMEIRA CONSULTA DE ENFERMAGEM
  • ROTEIRO PARA A PRIMEIRA CONSULTA
  • SOLICITAÇÃO DE EXAMES E ENCAMINHAMENTOS
  • CONSULTAS SUBSEQUENTES
  • EXAMES DE ROTINA
  • Sorologias
  • GRUPOS DURANTE O PRÉ NATAL
  • QUEIXAS MAIS FREQUENTES NA GESTAÇÃO
  • PRESCRIÇÃO DE MEDICAMENTOS PADRONIZADOS NO PRÉ NATAL
  • PRÉ-NATAL DE BAIXO RISCO
  • PROGRAMA DE CONSULTAS
  • CRONOGRAMA DE CONSULTAS
  • A CONSULTA DE ENFERMAGEM
  • NORMAS DO MINISTÉRIO DA SAÚDE AVALIAÇÃO DE RISCO
  • PRÉ-NATAL DE RISCO
  • ENVOLVIMENTO FAMILIAR
  • Orientações de alta do Recém-nascido
  • Alta precoce
  • Quando receberei alta
  • Higiene Alimentação
  • Cuidados diários
  • Cuidados especiais
  • Banho
  • Coto Umbilical
  • Fralda
  • Roupas
  • Aleitamento
  • Evitar
  • Fórmulas especiais
  • Choro
  • Frio
  • Sono
  • Ninar
  • Banho de sol
  • Passeios
  • Regurgitação
  • Obstrução nasal
  • Visitas
  • Infecções
  • Medicamentos
  • Vacinas
  • VSR
  • Sinais de alerta
  • Não se preocupar
  • Icterícia
  • Exames
  • Acompanhamento
  • Apoio para os pais
  • TRANSPORTE NEONATAL
  • OXIGENOTERAPIA
  • Características do Oxigênio:
  • Indicações
  • Sinais de Hipóxia
  • Medidas de Segurança
  • Cuidados com oxigênio e sua administração
  • Métodos para Administração do Oxigênio
  • Cateter Nasal
  • Cânula Nasal
  • Máscara Facial
  • Máscara de Venturi
  • Cânula Endotraqueal
  • Cânula Trans-traqueal
  • Tenda de Oxigênio
  • Ventilação Mecânica
  • Saturação do Oxigênio
  • Complicações da Oxigenoterapia
  • Efeitos Tóxicos com o O2 e com sua Administração
  • O PACIENTE ONCOLÓGICO NA UTI
  • ADMISSÃO NA UTI
  • CAUSAS DE ADMISSÃO NA UTI
  • INSUFICIENCIA RESPIRATÓRIA AGUDA
  • VENTILAÇÃO MECÂNICA
  • VENTILAÇÃO MECANICA NÃO INVASIVA
  • TERAPIA FARMACOLÓGICA NA UTI
  • INDICAÇÕES
  • Vias
  • Cuidados de enfermagem
  • Noradrenalina
  • Indicações
  • Cuidados de enfermagem
  • Atropina
  • Administração e apresentações
  • Cuidados de enfermagem
  • Lidocaína (xilocaína)
  • Amiodarona
  • Cuidados de enfermagem
  • Nitroprussiato de sódio (nipride)
  • Nitroglicerina (Tridil)
  • Cuidados de enfermagem
  • Dobutamina (Dobutrex)
  • Administração e apresentação
  • Cuidados de enfermagem
  • Dopamina (Revivan)
  • Dopamina
  • Dopamina e ações de enfermagem
  • Soluções de Dopamina
  • Insulina regular
  • Heparina
  • Ações de enfermagem
  • Dormonid (midazolan)
  • FISOPATOLOGIA DO PROCESSO CICATRICIAL
  • Enfermagem e Farmacologia na UTI
  • Fisiologia do reparo tissular
  • FASES DA CICATRIZAÇÃO
  • Fase inflamatória
  • Preparo do local afetado
  • Etapa Granulocítica
  • Fontes importantes de nutrientes
  • Polimorfonucleares ?fagocitose / limpeza local
  • Etapa macrofágica macrófagos
  • Secretam proteases
  • Remodelam a matriz celular ?fatores de crescimento
  • FASE PROLIFERATIVA
  • FASE REPARADORA
  • FORMAS DE CICATRIZAÇÃO
  • Avaliação da Ferida
  • Fatores que otimizam a cicatrização
  • PROTOCOLOS DE AVALIAÇÃO DE FERIDAS
  • CARACTERÍSTICA DOS TECIDOS VIVOS
  • CARACTERÍSTICAS DOS TECIDOS MORTOS
  • O tecido permite o desbridamento
  • MORTE CELULAR E NECROSE
  • Definindo termos
  • LIMPEZA DE FERIDAS
  • Soluções utilizadas para limpeza
  • Recomendações para limpeza
  • DEBRIDAMENTO
  • Métodos de debridamento
  • Tipos de debridamento
  • COBERTURAS
  • HIDROCOLÓIDE
  • ALGINATO DE CÁLCIO
  • CONSIDERAÇÕES