Curso Online de Drenagem de Tórax
4 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de Drenagem de Tórax

A drenagem torácica tem como objetivo a manutenção ou restabelecimento da pressão negativa do espaço pleural. Ela é responsável pela remo...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

A drenagem torácica tem como objetivo a manutenção ou restabelecimento da pressão negativa do espaço pleural. Ela é responsável pela remoção de ar, líquidos e sólidos (fibrina) do espaço pleural ou mediastino, que podem ser resultantes de processos infecciosos, trauma, procedimentos cirúrgicos entre outros.

Enfermeira Proficiente Técnica em Hematologia e Hemoterapia pela ABHH.


- Isabelle Teodolinda De Almeida

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • DRENAGEM DE TÓRAX

    drenagem de tórax

    cirurgia torácica e cardíaca

    by: enfermagem & ciência

  • algumas informações:

    público alvo: enfermeiros e acadêmicos de enfermagem;
    nossos cursos não possuem avaliação;
    oferecemos tais cursos como forma de atualização e, também para ajudar os acadêmicos (carga horária) em suas atividades complementares que são exigidas pelo mec;
    esperamos contribuir no aumento de seus conhecimentos;
    este curso possui 38 slides.

  • 1 – Generalidades:

    1 – generalidades:

    a pleura possui dois folhetos: um visceral, aderente ao tecido pulmonar e; um parietal, aderente às estruturas da parede torácica. esta dupla aderência é a responsável pela manutenção da expansão torácica, ao longo do ciclo respiratório. sem essa força de tração o tecido pulmonar estaria permanentemente colapsado em torno dos ramos brônquicos

  • O espaço pleural:

    o espaço pleural:

    espaço virtual entre os dois folhetos - é ocupado pelo liquido pleural. este liquido tem por função reduzir o atrito entre os folhetos pleurais, durante o movimento respiratório.

  • Este liquido, segundo AGAREZ, é composto por:

    este liquido, segundo agarez, é composto por:

    volume: 1 a 2 ml em cada espaço proteínas: 1,77 g/dl células : 4.500/ml
    monocitos - 54 % células degenerativas - 30 % linfócitos - 10 % polimorfonucleares - 4 % células mesoteliais - 5

  • Um aumento patológico deste volume liquido (por sangue, exsudados, etc.) vai afetar a força aspirativa do espaço pleural. O mesmo se verificar  se existir ar no espaço pleural. A pressão negativa pré-existente, resultante do campo de forças exercido pelo tecido pulmonar e pela pressão intra-pleural colóido-osmótica, ir  então diminuir (ou mesmo ser anulada), com conseqüente colapso pulmonar (parcial ou total).

    um aumento patológico deste volume liquido (por sangue, exsudados, etc.) vai afetar a força aspirativa do espaço pleural. o mesmo se verificar  se existir ar no espaço pleural. a pressão negativa pré-existente, resultante do campo de forças exercido pelo tecido pulmonar e pela pressão intra-pleural colóido-osmótica, ir  então diminuir (ou mesmo ser anulada), com conseqüente colapso pulmonar (parcial ou total).

  • As trocas gasosas a nível alvéolo-capilar dependem de diversos fatores, de entre os quais salientamos:

    as trocas gasosas a nível alvéolo-capilar dependem de diversos fatores, de entre os quais salientamos:

    1) volume circulante de sangue saturado de dióxido de carbono, nos capilares pulmonares;
    2) a quantidade de oxigênio que atinge o alvéolo;
    3) a permeabilidade da membrana alvéolo-capilar.

  • Sempre que há um derrame, independentemente da sua etiologia ou do seu conteúdo (liquido ou gás), vai haver uma diminuição da superfície total disponível para a efetivação das trocas gasosas, isto é, vai ocorrer uma diminuição da capacidade vital e da compliance pulmonar

    sempre que há um derrame, independentemente da sua etiologia ou do seu conteúdo (liquido ou gás), vai haver uma diminuição da superfície total disponível para a efetivação das trocas gasosas, isto é, vai ocorrer uma diminuição da capacidade vital e da compliance pulmonar

  • Se essa coleção de liquido ou de ar atinge proporções que coloquem em risco a vida do doente dever-se-á proceder à sua remoção através de drenagem torácica.

    se essa coleção de liquido ou de ar atinge proporções que coloquem em risco a vida do doente dever-se-á proceder à sua remoção através de drenagem torácica.

  • A técnica da drenagem torácica consiste na colocação de um cateter torácico no espaço pleural, e a sua conexão a um sistema de drenagem. Este sistema é composto por uma série de tubos e por um recipiente coletor do produto drenado, colocados de modo a funcionar num único sentido (o do pulmão para o recipiente coletor).

    a técnica da drenagem torácica consiste na colocação de um cateter torácico no espaço pleural, e a sua conexão a um sistema de drenagem. este sistema é composto por uma série de tubos e por um recipiente coletor do produto drenado, colocados de modo a funcionar num único sentido (o do pulmão para o recipiente coletor).

  • 2 - Indicações e Finalidades:

    2 - indicações e finalidades:


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • DRENAGEM DE TÓRAX
  • 1 – Generalidades:
  • O espaço pleural:
  • Este liquido, segundo AGAREZ, é composto por:
  • Um aumento patológico deste volume liquido (por sangue, exsudados, etc.) vai afetar a força aspirativa do espaço pleural. O mesmo se verificar  se existir ar no espaço pleural. A pressão negativa pré-existente, resultante do campo de forças exercido pelo tecido pulmonar e pela pressão intra-pleural colóido-osmótica, ir  então diminuir (ou mesmo ser anulada), com conseqüente colapso pulmonar (parcial ou total).
  • As trocas gasosas a nível alvéolo-capilar dependem de diversos fatores, de entre os quais salientamos:
  • Sempre que há um derrame, independentemente da sua etiologia ou do seu conteúdo (liquido ou gás), vai haver uma diminuição da superfície total disponível para a efetivação das trocas gasosas, isto é, vai ocorrer uma diminuição da capacidade vital e da compliance pulmonar
  • Se essa coleção de liquido ou de ar atinge proporções que coloquem em risco a vida do doente dever-se-á proceder à sua remoção através de drenagem torácica.
  • A técnica da drenagem torácica consiste na colocação de um cateter torácico no espaço pleural, e a sua conexão a um sistema de drenagem. Este sistema é composto por uma série de tubos e por um recipiente coletor do produto drenado, colocados de modo a funcionar num único sentido (o do pulmão para o recipiente coletor).
  • 2 - Indicações e Finalidades:
  • A decisão de colocar uma drenagem torácica baseia-se em diversos fatores, tais como:
  • Segundo BENZ, a presença de dificuldade respiratória, dor moderada ou severa e agravamento do derrame são indicadores para colocar uma drenagem torácica.
  • Segundo SANCHES, ao instituir-se uma drenagem torácica pretende-se:
  • Por sua vez, as indicações mais comuns da drenagem torácica são:
  • 3 - Princípios em que se baseia a drenagem torácica:
  • 3.1 - Ação gravitacional:
  • 3.2 - Pressão Positiva Intrapleural:
  • 3.3 - Pressão Negativa no sistema:
  • 4 - Vias de Acesso:
  • a) no 2º ou 3º espaço intercostal anterior, na linha média clavicular (para drenar um pneumotórax); b) no 4º a 6º espaço intercostal, na linha média axilar (para drenar líquidos). A escolha destes locais tem a ver não só com as características físicas dos drenados (o ar tende a tomar uma posição mais elevada que o meio liquido) como também por se procurar puncionar locais em que a irrigação e a enervação não estejam no trajeto do cateter.
  • Pode haver necessidade de se colocar mais de um dreno no mesmo indivíduo e em locais diferentes dos atrás enunciados. Idealmente a introdução de um cateter torácico deverá ser feita sob controle radiológico.
  • No entanto, sabe-se que por condicionalismos diversos (sobretudo estruturais, físicos e organizacionais) tal não é praticável. Na sua impossibilidade impõe-se que, após a colocação da drenagem torácica, seja feito um exame radiológico para controle da localização do cateter e despiste de intercorrências.
  • 5 - Sistemas de Drenagem:
  • 5.1 - Sistemas de Selo de Água:
  • 5.2 - Sistemas sob aspiração:
  • 6 - Riscos e Complicações:
  • 1) a hemorragia por lesão de um vaso (artéria intercostal, subclávia, mamaria, etc.); ou por oclusão do tubo, mascarando assim a evolução de um hemotórax; 2) infecção devida sobretudo a uma manipulação incorreta do sistema; 3) enfisema subcutâneo por deficiente posicionamento do cateter torácico; 4) abscesso da parede, resultado sobretudo de deficiente técnica ou a quebra do frasco coletor.
  • 1) quebra do selo de água. Surge por:
  • 2) desconexão acidental dos tubos:
  • 3) elevação do frasco com selo de  dágua a um nível igual ou superior ao do doente:
  • 4) oclusão do tubo de drenagem por:
  • 7 - Clampagem do sistema de Drenagem Torácica:
  • Indicações da clampagem:
  • A clampagem não é isenta de riscos. Ela funciona como oclusivo do tubo de drenagem. Por impossibilitar a drenagem ela pode conduzir a um agravamento do derrame, com os conseqüentes riscos para o doente: lesão pulmonar; distúrbio cardíaco; alteração da ventilação. Por isso mesmo a clampagem deve ser efetuada no final da fase expiratória.
  • Os riscos que coloca assim o justifica. Num indivíduo com um clampe colocado, a pressão intrapulmonar pode ser aumentada diversas vezes, se o indivíduo tosse ou se o derrame se agrava. Este evento, pode vir a desencadear um agravamento da situação - por exemplo, pode reativar uma fistula bronco pleural.