Curso Online de PARAMENTAÇÃO CIRÚRGICA

Curso Online de PARAMENTAÇÃO CIRÚRGICA

A Paramentação cirúrgica é um processo específico e padronizado, que envolve as técnicas de degermar as mãos, vestir avental ou opa ...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 10 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

A Paramentação cirúrgica é um processo específico e padronizado, que envolve as técnicas de degermar as mãos, vestir avental ou opa esterilizados e calçar luvas. Após o término da escovação a equipe deverá encaminhar-se para a sala de cirurgia com os antebraços fletidos, elevados e afastados do corpo. Na sala de cirurgia já estará aberto o LAP (pacote contendo campos e aventais estéreis), cada avental possui no seu interior uma compressa.

Produziu cursos na área de Instrumentação Cirúrgica, onde é formado desde 2003. Autor de mais de 100 cursos na área da saúde onde atuou por mais de 10 anos na enfermagem onde é formado desde 2004. Também produziu aproximadamente 200 cursos na área da educação (Geografia e História principalmente) onde cursou Licenciatura em História de 2009 a 2013. Autor também de alguns cursos de Administração onde cursa atualmente o 3º semestre em Administração e Gestão pela IERGS em Porto Alegre - RS. Pós-Graduado em História do Brasil pela PROMINAS.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • PARAMENTAÇÃO CIRÚRGICA

  • Paramentação Cirúrgica

    Paramentação Cirúrgica

    A Paramentação cirúrgica é um processo específico e padronizado, que envolve as técnicas de degermar as mãos, vestir avental ou opa esterilizados e calçar luvas.

    Após o término da escovação a equipe deverá encaminhar-se para a sala de cirurgia com os antebraços fletidos, elevados e afastados do corpo.

    Na sala de cirurgia já estará aberto o LAP (pacote contendo campos e aventais estéreis), cada avental possui no seu interior uma compressa.

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    Inicialmente, o uso da paramentação cirúrgica objetivava principalmente a proteção dos clientes contra contaminação do sítio cirúrgico por microorganismos liberados pelo ambiente, pessoas, materiais e equipamentos em sala de operações (SO). Com a ênfase atual na proteção também dos profissionais contra exposição ao sangue e outros fluidos, essas barreiras ganharam nova dimensão, sendo objeto de inúmeras investigações para a sua melhor qualificação.

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    Uma avaliação da paramentação deve começar pelas respostas às questões:

    a) o que é paramentação cirúrgica?
    b) a paramentação é realmente necessária para prevenir riscos biológicos em cirurgia?
    c) se ela é necessária, quais os critérios para considerar seu uso adequado?

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    A paramentação é um conjunto de barreiras contra a invasão de microorganismos nos sítios cirúrgicos dos clientes e para proteção de exposição dos profissionais a sangue e outros fluidos orgânicos de clientes. Constituem-se de: propés, uniforme privativo (jaleco e calça), gorro, máscara, avental, luvas, campos da área cirúrgica e protetor ocular.
    Na segunda questão, há que se discutir antes, sobre a ocorrência de infecção em cirurgias

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    A infecção no cliente caracteriza-se pela sua variedade, quanto aos agentes etiológicos e formas de transmissão. A infecção do sítio cirúrgico é uma das causas mais comuns de infecção hospitalar. Apesar de se manifestar após a cirurgia, a maior chance de contaminação é durante a cirurgia, já que os sítios anatômicos são invadidos por tempo prolongado, com intensa manipulação. Portanto, é durante a cirurgia que o controle de infecção deve ser redobrado .

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    A maioria das infecções que acometem o cliente são provocadas pela flora humana (endógena). Em SO, ela origina-se do próprio cliente e dos profissionais, além do ar ambiente, materiais e equipamentos contaminados por essa própria flora. Das formas de transmissão conhecidas, as que o cliente está mais susceptível são contato, veiculação, gotículas e ar ambiente. As três primeiras já estão comprovadas. Já, a transmissão direta de microorganismos pelo ar ambiente ainda é objeto de intensa discussão. No entanto, não foram encontrados estudos que menosprezem a sua importância, principalmente nos casos de infecção de cirurgias limpas.

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    Os riscos nos profissionais também existem. A principal forma de transmissão é o contato com sangue e outros fluidos do cliente. Um resumo da literatura dos últimos anos mostra os seguintes resultados: cirurgiões são os mais expostos, conforme a especialidade cirúrgica as técnicas utilizadas; os locais mais freqüentes são mãos, seguidos de face, pescoço e mucosas; 1,0% a 15,0% correspondem a injúrias percutâneas; a transmissão de HIV é muito baixa (cerca de 0,09% em contato com mucosa e 0,3% em percutâneo). Já, risco de transmissão de Hepatite B é cerca de 100 vezes maior do que de HIV.

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    O reconhecimento dos modos de transmissão em SO para clientes e profissionais e os riscos decorrentes justificam plenamente a utilização da paramentação. Do lado dos clientes, contendo a liberação dos microorganismos da sua própria flora e evitando sua transmissão por contato, gotículas e ar ambiente nos sítios invadidos. Do lado dos profissionais, evitando o contato de pele e mucosas com o sangue e outros fluidos do cliente.

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    Na terceira questão, a paramentação adequada se refere tanto às especificações técnicas de sua confecção, quanto à forma como é utilizada. Estudos recentes têm se voltado principalmente para a discussão da primeira questão, ou seja a busca de confecção "ideal" como barreira justificados pela ausência de padronização para a sua confecção, a qual permite variedade tanto nos tecidos com que são confeccionadas, quanto nos seus modelos e dificultando assim, sua confiabilidade como barreira para as funções a que se destinam.

  • INTRODUÇÃO

    INTRODUÇÃO

    Essa parte do estudo investigou a forma como a paramentação está sendo utilizada, tendo como objetivos:
    a) elaborar critérios de avaliação de adequação da utilização da paramentação cirúrgica;
    b) avaliar o uso da paramentação durante todo o ato operatório.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Paramentação Cirúrgica
  • INTRODUÇÃO
  • METODOLOGIA
  • CRITÉRIOS PARA AVALIAÇÃO DO USO DA PARAMENTAÇÃO CIRÚRGICA
  • TOUCA
  • UNIFORME PRIVATIVO
  • PROPÉ OU SAPATO CIRÚRGICO
  • SOBRE O USO DO PROPÉ CONCLUI-SE:
  • MÁSCARA CIRÚRGICA
  • AVENTAL CIRÚRGICO
  • PROTETOR OCULAR
  • LUVAS CIRÚRGICAS
  • RESULTADOS E DISCUSSÃO DOS CIRURGIÕES
  • SITUAÇÕES QUE DETERMINARAM AVALIAÇÃO INADEQUADA NOS CIRURGIÕES
  • RESULTADOS E DISCUSSÃO SOBRE OS INSTRUMENTADORES
  • SITUAÇÕES INADEQUADAS NOS INSTRUMENTADORES
  • AVALIAÇÃO DOS ANESTESISTAS
  • AVALIAÇÃO DOS CIRCULANTES
  • CONCLUSÃO
  • ETAPAS DA PARAMENTAÇÃO
  • Etapas da Paramentação
  • ESCOVAÇÃO E SECAGEM DAS MÃOS
  • AVENTAL CIRÚRGICO
  • LUVAS CIRÚRGICAS
  • “Saber instrumentar uma cirurgia é uma dádiva de Deus”.
  • PROFESSOR VILSON DIAS MORALES
  • FIM