Curso Online de Saúde Hospitalar e Saúde Pública 146 horas/aula
5 estrelas 59 alunos avaliaram

Curso Online de Saúde Hospitalar e Saúde Pública 146 horas/aula

Curso de Enfermagem: saúde pública e hospitalar 146 horas/aula

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 146 horas

Por: R$ 59,90
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Curso de Enfermagem: saúde pública e hospitalar 146 horas/aula

ESPECIALISTAS EM ENFERMAGEM; BACHAREIS EM ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA; Experiência em: -Urgência e Emergência, -Clinica Médica, -Clinica Círurgica, -UTI, -Oncologia, -Nefrologia e -SAÚDE PUBLICA E ETC; PROFESSORES DE CURSOS TECNICO DE ENFERMAGEM EM DIVERSAS ÁREAS.


- Vania De Paula Oliveira

- Francisca Jennifer Do Nascimento Hora

- Camila Araújo Rastoldo Da Silva

- Cicera Glarete Silva Bezerra

- Carmelita Probst Bortolato

- Antônio Fábio Da Silva Rocha

- Anadia Barbosa De Cerqueira

- Guilherme Brasil De Oliveira

- Sandra Aparecida Pitz

"muito bom com informaçoôes exelentes"

- Leilian Oliveira E Silva

- Cintia Aparecidea Borges Matieli

- Marcia Jose De Jesus

- Láudes De Oliveira Lucio

"MUITO BOM PARA CAPACITAR E INFORMAR TODAS AS ATIVIDADES DA ENFERMAGEM"

- Daniele Schikotski Rosenhaim Da Silva

- Aldenia Albino Bantim

- Rosiana Carvalho Velasco

- Antônia Adriana Da Silva Nogueira

- Miriam Faune Fontolan

- Roseli Aparecida Teixeira

- Edilamar Alves Tavora

- Estela Marina Braga Lira

- Maria Helena Barboza Spontone

- Raimunda Sueli Felipe Bezerra

- Sirlene Fátima Langaro

- Aparecida De Fatima Garcia

- Aline Fernandes Guimarães

"muito bom"

- Leonardo Pereira De Carvalho

- Maria Liduina Da Silva Vasconcelos

- Marlene Da Silva Almeida

"Na minha avaliação o conteúdo é muito bom! Bem atual com uma linguagem dinâmica e simplificada."

- Glaucia Saldanha

- Andrezza Souza Lima

- Ronnielly Parente

- Aryelle Santos Queiroz Macedo

- Camila Bonfim Sales

"este curso mim proporcionou uma boa avaliação profissional,reciclagem para meus conhecimentos,obgada!"

- Adelma Da Conceição Flôr

- Marcus Filipe Borges Marangon

- Luiz Evan Almeida Dos Santos

- Ana Claudia De Freitas Alves

- Suelen Oechsler

- Flavio Pereira Lima

- Rozani Da Silva Taufener

"muito bem explicado."

- Rafaella Andrade Fonseca De Morais

"curso muito bom, e bem atualizado."

- Edmária Cruz Soares

- Hesline De Freitas Pinto

- Adriana Burin Haendchen

"Curso oportuno para utilização da área onde trabalho pois já atua na saúde publica. Muito bom, gostei demais e recomendo para que atua na saúde pública."

- Marcia Salete Dreher Hunhoff

- Maria Aparecida Mendes GalvÃo

- Meyriellen Monteiro Perdomo

- Antonio Elcio Dos Santos

- Silvia Martins Da Silva

- Eliane Vieira De Araujo

- Jaciane Santos Marques

- Josânia Ferreira Mascarenhas

- Carla Sabrina Pires Abreu Marques

- Jose Raimundo Soares Junior

"achei um tanto superficial, generalista. |Poderia aprofundar um pouco mais."

- Carlos Alberto Da Rosa

- Eduardo Lopes Almeida

- Silvana Dias

- Rosilene Da Silva Oliveira

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Curso completo de enfermagem 146 horas

    Curso completo de enfermagem 146 horas

  • Programa de Saúde do Idoso do MS – Legislação “Estatuto do Idoso”

    Programa de Saúde do Idoso do MS – Legislação “Estatuto do Idoso”

  • Contextualização da Clientela

    Contextualização da Clientela

    As perspectivas dos processos de transição demográfica e epidemiológica no Brasil apontam para a tendência ao envelhecimento da população.

    Segundo projeções estatísticas da Organização Mundial de Saúde – OMS –, o grupo de idosos no Brasil deverá ter aumentado em 15 vezes, enquanto a população total em cinco. O País ocupará, assim, o sexto lugar quanto ao contingente de idosos, alcançando, em 2025, cerca de 32 milhões de pessoas com 60 anos ou mais de idade.

  • Contextualização da Clientela

    Contextualização da Clientela

    No Brasil, em 1900, a expectativa de vida ao nascer era de 33,7 anos; nos anos 40, de 39 anos; em 50, aumentou para 43,2 anos e, em 60, era de 55,9 anos. De 1960 para 1980, essa expectativa ampliou-se para 63,4 anos, isto é, foram acrescidos vinte anos em três décadas, De acorda com Anuário Estatístico do Brasil de 2000(IBGE). Sendo que já existem estudos preliminares apontando a expectativa de vida atual em 69,3 anos.

  • Contextualização da Clientela

    Contextualização da Clientela

    O envelhecimento populacional é uma resposta à mudança de alguns indicadores de saúde, especialmente a queda da fecundidade e da mortalidade e o aumento da esperança de vida. Não é homogêneo para todos os seres humanos, sofrendo influência dos processos de discriminação e exclusão associados ao gênero, à etnia, ao racismo, às condições sociais e econômicas, à região geográfica de origem e à localização de moradia.

    Urbanização da população idosa.

  • Quem são os idosos?

    Quem são os idosos?

  • Estatuto do Idoso

    Estatuto do Idoso

    Em outubro de 2003 foi aprovada a lei 10.741, Estatuto do Idoso — a entrar em vigor em 1.º de janeiro de 2004, considerada atualmente a mais importante norma infraconstitucional já aprovada em nosso país com o intuito de proteger o idoso.

    Referente a área de Saúde – pg. 03

  • Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Idosos

    Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Idosos

    A Política Nacional de Saúde do Idoso apresenta "como propósito basilar a promoção do envelhecimento saudável, a manutenção e a melhoria, ao máximo, da capacidade funcional dos idosos, a prevenção de doenças, a recuperação da saúde dos que adoecem e a reabilitação daqueles que venham a ter a sua capacidade funcional restringida, de modo a garantir-lhes permanência no meio em que vivem, exercendo de forma independente suas funções na sociedade" (Brasil, 1999:21).

  • Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Idosos

    Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Idosos

    DIRETRIZES
    Para o alcance do propósito desta Política Nacional de Saúde do Idoso, são definidas como diretrizes essenciais :
    a promoção do envelhecimento saudável;
    a manutenção da capacidade funcional;
    a assistência às necessidades de saúde do idoso;
    a reabilitação da capacidade funcional comprometida;
    a capacitação de recursos humanos especializados;
    o apoio ao desenvolvimento de cuidados informais ; e
    o apoio a estudos e pesquisas.

  • Envelhecimento

    Envelhecimento

    A Organização Pan-Americana de Saúde (OPAS) define envelhecimento como
    “um processo seqüencial, individual, acumulativo, irreversível, universal, não patológico, de deterioração de um organismo maduro, próprio a todos os membros de uma espécie, de maneira que o tempo o torne menos capaz de fazer frente ao estresse do meio-ambiente e, portanto, aumente sua possibilidade de morte”.

  • Alterações Físicas do Processo de Envelhecimento

    Alterações Físicas do Processo de Envelhecimento

    *Sistema Musculoesquelético - Desgaste e atrofia das células, lentidão no processo de regeneração e produção de novas células, diminuição de tamanho, achatamento vertebral;
    *Sistema gastrointestinal - Lentidão e diminuição das enzimas de digestão;
    * Sistema Endócrino - Alteração hormonal;
    *Sistema Cardiovascular- Diminuição da força de contração cardíaca, assim como facilidade de circulação sangüínea.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 59,90
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Programa de Saúde do Idoso do MS
  • Legislação
  • Estatuto do Idoso
  • Contextualização da Clientela
  • Quem são os idosos
  • Estatuto do Idoso
  • Política Nacional de Atenção Integral a Saúde do Idosos
  • Envelhecimento
  • Alterações Físicas do Processo de Envelhecimento
  • AVALIAÇÃO DAS FUNÇÕES VITAIS
  • Doenças de Maior prevalência
  • INCONTINÊNCIA URINÁRIA
  • Fisiopatologia da IU
  • Classificação da IU segundo tipo, sintomas e causas comuns
  • Demência
  • Medicamentos e Envelhecimento
  • Atribuições do Enfermeiro na Atenção Básica
  • PROMOÇÃO DE HÁBITOS SAUDÁVEIS
  • GERIATRIA: O ENVELHECER
  • CICLO DE VIDA
  • ENVELHECIMENTO
  • SENESCÊNCIA E SENILIDADE
  • CAPACIDADE FUNCIONAL AO LONGO DO CICLO DE VIDA
  • PROLONGAMENTO DA VIDA E A COMPRESSÃO DA MORBIDADE
  • ENVELHECIMENTO
  • Alterações Fisiológicas do Envelhecimento
  • DOENÇA CARDIOVASCULAR
  • Controle da Respiração
  • Mecanismos de Defesa
  • Sistema Nervoso
  • Domínios da Cognição
  • Exame Neurológico
  • Funções Psicomotoras
  • HUMOR
  • DEPRESSÃO
  • Função Renal
  • MUDANÇAS BIOLÓGICAS DO ENVELHECIMENTO
  • AMOR NÃO TEM IDADE
  • DADOS ESTATÍSTICOS
  • MUDANÇAS NA MULHER E NO HOMEM
  • Menopausa x andropausa
  • POSSIBILIDADES DA VELHICE
  • SEXO NA TERCEIRA IDADE
  • Relevância do Tema
  • Conceito de Demência
  • Elementos
  • ANAMNESE
  • Avaliação Neuropsicológica
  • Questionário de Atividades Funcionais (Pfeiffer)
  • Exame Físico
  • MINI EXAME DO ESTADO MENTAL (MEEM)
  • Teste do Relógio
  • ANAMNESE
  • Escore Clínico da Demência
  • As Quatro Causas Mais Freqüentes de Demência
  • Alzheimer
  • Pressupostos
  • Recomendações
  • Implantação
  • Avaliação e Adequação
  • BLS-REANIMAÇÃO CARDIOPULMONAR
  • HISTÓRICO
  • HABILIDADES BÁSICAS SAVC
  • ATENDENDO A UMA EMERGÊNCIA
  • AVALIAÇÃO APÓS PROCEDIMENTO
  • ACLS
  • ALGORITMO PARA FV/TV SEM PULSO
  • ALGORITMO INTEGRAL PARA ACE
  • SUGESTÕES
  • Novas diretrizes BLS e ACLS 2006/2007
  • Sobrevida na FV
  • Cadeia de sobrevivência
  • C-A-B
  • Algoritmo ACLS 2010
  • Acessar responsividade
  • Abertura das vias aéreas com trauma cervical
  • Ventilação
  • Desfibrilação
  • Posição de recuperação
  • Após análise de ritmo e/ou choque
  • Intubação Orotraqueal
  • Acesso venoso
  • Sequência do atendimento na FV/TV
  • Sequência do atendimento na assistolia / AESP
  • PRIMEIROS SOCORROS EM CASOS QUEIMADURAS E CHOQUE ELÉTRICO
  • ACIDENTE COM ANDAIME
  • ACIDENTE COM ELETRICISTA
  • ACIDENTE COM INCÊNDIO E EXPLOSÃO
  • EMERGÊNCIAS
  • Camadas da pele
  • Classificação das Queimaduras Quanto a Profundidade da Lesão
  • Como agir em caso de queimaduras
  • RCP EM ADULTOS
  • Acidentes em alta tensão
  • OS 10 MANDAMENTOS DO SOCORRISTA
  • ACIDENTES COM MÚLTIPLAS VÍTIMAS
  • ADMINISTRAÇÃO DE MEDICAMENTOS
  • 07 Acertos
  • Via oral
  • VIA SUBLINGUAL
  • Via intradérmica
  • VIA SUBCUTÂNEA
  • Via Intramuscular
  • VIA INTRAMUSCULAR
  • VIA INTRAVENOSA
  • Via Cutânea
  • Via Inalatória
  • Princípios do Atendimento Pré-Hospitalar
  • 1° Princípio Garantir a segurança dos socorristas e do paciente
  • 2° Princípio Avaliar a situação para determinar a necessidade de solicitar outros recursos
  • 3° Princípio Reconhecer a biomecânica envolvida nas lesões
  • 4° Princípio Reconhecer as lesões com risco de vida já no exame primário
  • 5° Princípio Cuidar das vias aéreas mantendo a coluna cervical estabilizada
  • 6° Princípio Providenciar suporte ventilatório e oferecer oxigênio para manter SO2 superior a 95%
  • 7° Princípio Controlar toda hemorragia externa significativa
  • 8° Princípio Tomar as medidas iniciais para tto do choque, incluindo a restauração e a manutenção da temperatura normal do organismo e a imobilização adequada das lesões músculo-esqueléticas
  • 9° Princípio Considerar o uso da calça antichoque (PASG) nos pctes com choque descompensado (PAS<90) e suspeita de fratura pélvica, hemorragia intraperitoneal ou retroperitoneal; e nos pctes com hipotensão grave (PAS<60)
  • 10° Princípio Manter a estabilização da coluna até que o paciente esteja imobilizado em prancha longa
  • 11° Princípio Quando se tratar de traumatizado grave, iniciar o transporte para o hospital apropriado mais próximo dentro de 10 minutos após a chegada ao local
  • 12° Princípio A caminho do hospital, iniciar a reposição de volume com soluções aquecidas
  • 13° Princípio Uma vez adequadamente tratadas ou descartadas as lesões com risco de vida, obter a história médica do doente e fazer o exame secundário
  • 14° Princípio Acima de tudo não causar mais dano
  • 3. Arritmias ventriculares # extra-sístoles ventriculares # taquicardia ventricular # fibrilação ventricular(LETAL)
  • ATELECTASIA, PNEUMOTORAX E DERRAME PLEURAL ENF. MARCELO NEVES
  • FATORES DE RISCO
  • COMPLICAÇÕES PULMONARES
  • ATELECTASIA X PÓS - OPERATÓRIO
  • Atelectasia Pulmão Direito x Esquerdo
  • Mecanismo do atelectasia
  • Diagnóstico da atelectasia
  • Pneumotórax
  • ASSUNTOS ABORDADOS
  • Intubação endotraqueal
  • Indicações para intubação
  • Formas de intubação
  • Os objetivos da assistência ventilatória
  • Indicações
  • Contra-indicação
  • Materiais necessários
  • Complicações
  • PVC E PAM
  • Pressão venosa central (PVC)
  • Medida do debito cardíaco pelo método de termodiluição
  • Complicações
  • Materiais necessários
  • Assistência de enfermagem
  • Balão intra-aótico
  • Indicações
  • Contra-indicações
  • Cuidados de enfermagem
  • MARCAPASSO CARDIACO DE EMERGENCIA
  • TRANSPLANTE RENAL
  • Fisiologia da consciência
  • Conteúdo da consciência
  • Nível da consciência - SRAA e Córtex
  • Fisiopatologia básica do COMA
  • Etiologia
  • Avaliação
  • Indicadores clínicos - etiologia/localização
  • Conduta no doente em coma
  • PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA
  • PCR
  • II Suporte avançado de vida
  • III Suporte prolongado de vida
  • Reanimação Cardiopulmonar
  • Assistoliaventricular
  • Dissociação eletromecânica
  • Taquicardia ventricular
  • ASFIXIA
  • REAÇÃO ANAFILÁTICA
  • Trauma
  • DERRAME PLEURAL
  • Revisando a anatomia
  • Planejamento na ESF
  • MOMENTOS DO PLANEJAMENTO ESTRATÉGICO SITUACIONAL
  • MOMENTO EXPLICATIVO
  • MOMENTO NORMATIVO
  • MOMENTO ESTRATÉGICO
  • MOMENTO TÁTICO-OPERACIONAL
  • MÉTODO ALTADIR DE PLANEJAMENTO POPULAR (MAPP)
  • CARACTERÍSTICAS DA ATENÇÃO BÁSICA
  • APS NO BRASIL
  • PRINCÍPIOS DO SUS
  • ENF.:MARCELO NEVES
  • Conteúdo
  • Contextualização
  • Medicina de Família e Comunidade
  • ESF
  • HANSENIASE
  • Mycobacterium leprae
  • Hanseníase indeterminada
  • Virchowiana
  • Fenômeno de lúcio
  • Boderline
  • DIABETES MELLITUS
  • Efeitos da deficiência de insulina
  • Patogênese do Diabetes Mellitus Tipo 1
  • Patogênese do Diabetes Mellitus Tipo 2
  • Patogênese do DM2
  • OBESIDADE DIAGNÓSTICO
  • Perímetro da cintura
  • Complicações Agudas
  • Definição de hipoglicemia
  • Sinais e sintomas
  • Condições de Risco
  • Teste do Monofilamento
  • COMPLICAÇÕES CRÔNICAS DO DIABETES
  • EPIDEMIOLOGIA
  • RETINOPATIA DIABÉTICA NÃO PROLIFERATIVA (RDNP)
  • Retinopatia Diabética Não Proliferativa
  • Retinopatia Não Proliferativa Severa
  • RETINOPATIA DIABÉTICA NÃO PROLIFERATIVA
  • NEUROPATIA DIABÉTICA
  • EPIDEMIOLOGIA
  • CLASSIFICAÇÃO
  • POLINEUROPATIA SENSITIVO-MOTORA DISTAL
  • Nerve damage ? neuropathy
  • POLINEUROPATIA SENSITIVO-MOTORA DISTAL - CLÍNICA
  • Sensory nerve damage
  • POLINEUROPATIA SENSITIVO-MOTORA DISTAL - COMPLICAÇÕES
  • POLINEUROPATIA SENSITIVO-MOTORA DISTAL - TRATAMENTO
  • NEFROPATIA DIABÉTICA CONCEITO
  • EPIDEMIOLOGIA
  • HISTÓRIA NATURAL
  • FATORES DE RISCO
  • PATOGÊNESE
  • PROTEINÚRIA
  • TRATAMENTO
  • CONTROLE DA HIPERGLICEMIA
  • REDUÇÃO DA PRESSÃO ARTERIAL
  • REDUÇÃO DA PROTEINÚRIA
  • CORREÇÃO DA DISLIPIDEMIA
  • DOENÇA RENAL DIABÉTICA EM ESTÁGIO TERMINAL
  • Pé diabético
  • Úlcera isquêmica
  • Pé diabético isquêmico
  • Manuseio das úlceras isquêmicas
  • Úlceras neuropáticas
  • Pé diabético neuropático
  • Manuseio da úlcera neuropática
  • Pré e pós-debridamento
  • Pé diabético misto
  • Doença arterial coronariana Acidente vascular cerebral
  • TUBERCULOSE
  • DEFINIÇÃO E AG. ETIOLÓGICO
  • EPIDEMIOLOGIA
  • MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
  • SÍNDROMES CLÍNICO-RADIOLÓGICAS
  • DIAGNÓSTICO
  • Diagnóstico - Bacteriológico
  • Diagnóstico - Exame radiológico
  • TRATAMENTO
  • Esquemas de Tratamento
  • Esquemas de tratamento
  • Esquema I 2RHZ/4RH* - Indicado nos casos novos de todas as formas de tuberculose pulmonar e extra pulmonar, exceto meningite
  • Esquema IR** 2RHZE/4RHE** - Indicado nos casos de retratamento em recidivantes e retorno após do esquema I
  • Esquema II 2RHZ/7RH* - Indicado na meningite tuberculosa
  • Esquema III 3SEtEZ / 9EtE* Indicado nos casos de falência de tratamento com os esquemas I, IR E II
  • Efeitos Adversos
  • PROFILAXIA
  • QUIMIOPROFILAXIA
  • ALGUNS DADOS ESTATÍSTICOS
  • VANTAGENS PARA CRIANÇA
  • VANTAGENS PARA A MÃE
  • A MAMA E O LEITE HUMANO
  • PRODUÇÃO DO LEITE
  • PSICO-FISIOLOGIA DA AMAMENTAÇÃO
  • COMPOSIÇÃO DO LEITE
  • LEITE HUMANO X LEITE DE VACA
  • FATORES PROTETORES
  • CARACTERÍSTICAS BIOQUÍMICAS
  • CARÊNCIAS DO L.M.
  • LEITE DE MÃES DE PREMATUROS
  • AFECÇÕES DA MAMA
  • L.M. e MEDICAMENTOS
  • CONTRA-INDICAÇÕES L.M.
  • SITUAÇÕES ESPECIAIS
  • MITOS
  • ALGUNS CONCEITOS
  • AMAMENTAÇÃO BEM SUCEDIDA
  • TÉCNICA DE AMAMENTAÇÃO
  • POSIÇÕES PARA AMAMENTAR
  • ROUPAS ADEQUADAS
  • INDICATIVOS DE TECNICA INCORRETA DE AMAMENTAÇÃO
  • DOAÇÃO DE LEITE MATERNO
  • ALGUNS CONCEITOS
  • DESMAME E ALIMENTAÇÃO COMPLEMENTAR
  • SUPLEMENTAÇÃO DE FERRO
  • Parto e amamentação controle endócrino
  • Assistência Pré-natal
  • Assistência pré-natal
  • Acompanhamento da gravidez (pré-natal)
  • Definições na gravidez
  • Duração da gravidez
  • Cálculo da data provável do parto
  • Trimestres da gravidez
  • Visita inicial
  • Educação pré-natal
  • Problemas comuns na gravidez
  • Educação pré-natal
  • Problemas intercorrentes
  • Visita inicial
  • Visitas subseqüentes
  • Exames Laboratoriais de Rotina
  • Exames complementares no Pré-natal
  • Glicemia em jejum
  • Rastreamento do diabetes gestacional
  • Testes Simplificado de Tolerância à Glicose
  • Grupo sanguíneo e Fator Rh
  • Exame sumário de urina
  • Dosagem de hemoglobina
  • Sorologia para rubéola
  • Sorologia para toxoplasmose
  • Sorologia para sífilis
  • Sorologia para HIV
  • Rastreamento Hepatite B
  • Colposcopia e citologia vaginal
  • Cultura cervico-vaginal
  • Exames laboratoriais de rotina em situações especiais
  • Rastreamento de anomalias cromossômicas fetais
  • Ultra-sonografia
  • VACINAS RECOMENDADAS
  • CONCEITO DE CURATIVOS
  • CRITÉRIOS PARA UM CURATIVO IDEAL
  • REQUISITOS DE UM CURATIVO
  • FINALIDADES DO CURATIVO
  • SUBSTÂNCIAS E COBERTURAS USADAS EM CURATIVOS
  • ALGINATO DE CÁLCIO
  • INDICAÇÕES DO ALGINATO DE CÁLCIO
  • ALGINATO DE CÁLCIO
  • MECANISMO DE AÇÃO
  • MODO DE USAR
  • PERIODICIDADE DE TROCA
  • CARVÃO ATIVADO
  • MECANISMO DE AÇÃO
  • INDICAÇÃO
  • CONTRA- INDICAÇÕES
  • MODO DE USAR
  • PERIODICIDADE DE TROCA
  • HIDROGEL
  • HIDROGEL / INDICAÇÃO
  • MECANISMO DE AÇÃO
  • CONTRA - INDICAÇÃO
  • PERIODICIDADE DE TROCA
  • HIDROCOLÓIDE
  • MECANISMO DE AÇÃO
  • INDICAÇÃO
  • CONTRA - INDICAÇÃO
  • PERIODICIDADE DE TROCA
  • MODO DE USAR
  • ÁCIDO GRAXO ESSENCIAL
  • MECANISMO DE AÇÃO
  • INDICAÇÃO
  • CONTRA - INDICAÇÃO
  • MODO DE USAR
  • PERIODICIDADE DE TROCA
  • BOTA DE UNNA
  • PAPAÍNA
  • MECANISMO DE AÇÃO
  • INDICAÇÃO
  • CONTRA - INDICAÇÃO
  • MODO DE USAR
  • INDICAÇÃO DAS CONCENTRAÇÕES
  • COLAGENASE
  • MECANISMO DE AÇÃO
  • INDICAÇÃO CONTRA-IND.
  • MODO DE USAR
  • SULFADIAZINA DE PRATA
  • OBSERVAÇÕES
  • MECANISMO DE AÇÃO
  • INDICAÇÃO
  • MODO DE USAR
  • Monitorização Hemodinâmica Invasiva
  • Variáveis hemodinâmicas
  • Indicações
  • Contra-indicações
  • Complicações
  • Benefício e efetividade
  • Controle social
  • Políticas Publicas
  • Surgimento do Sistema Único de Saúde - SUS
  • SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS
  • SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Princípios:
  • Controle social
  • Pensando sobre o controle social
  • SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE SUS Participação da comunidade: (controle social)
  • CONFERENCIAS DE SAÚDE
  • Contradições de um longo processo
  • história
  • História ? 1a conferência
  • História ? 2a conferência
  • História ? 3a conferência
  • História ? 4a conferência
  • História ? 5a conferência
  • História ? 6a conferência
  • História ? 7a conferência
  • História ? 8a conferência
  • História ? 9a conferência
  • História ? 10a conferência
  • CONSELHOS DE SAÚDE
  • bibliografia
  • HIV-AIDS
  • HIV: Origem
  • Aids no Brasil
  • HIV: Transmissão
  • HIV: Transmissões Polêmicas
  • HIV: Transmissão
  • Transmissão e Carga Viral
  • Transmissão Vertical do HIV
  • Epidemiologia: África
  • O Vírus HIV
  • O ciclo viral
  • Diagnóstico: Elisa
  • Testes Diagnósticos
  • Evolução HIV x CD4
  • Síndrome Retroviral Aguda
  • Anamnese
  • Exames Complementares
  • Tratamento Antirretroviral
  • Recomendações para Profilaxia
  • Antirretrovirais
  • Inibidores Nucleotídeos da Transcriptase Reversa
  • Inibidores Não Nucleosídeos da Transcriptase Reversa
  • Inibidores de Protease
  • Esquemas de Antirretrovirais
  • Efeitos Adversos
  • Lipodistrofia
  • Efeitos Adversos
  • Aderência ao Tratamento
  • Aderência aos Antirretrovirais
  • Critérios para Mudança no Tratamento
  • Tratamento em Gestantes
  • Síndrome Reconstituição Imune
  • Exposição Ocupacional
  • Exposição ocupacional
  • Prevenção
  • Teorias de enfermagem
  • Teoria
  • Teoria de enfermagem
  • Teorias de enfermagem
  • Teoria ambiental
  • Teoria das Necessidades Básicas
  • Teoria do autocuidado
  • Teoria da adaptação
  • Teoria das relações interpessoais
  • Teoria holística
  • Teoria modelo conceitual do homem
  • Teoria das NHB
  • Teoria alcance dos objetivos
  • Sistematização da Assistência de Enfermagem Perioperatória (SAEP) Enf.: Marcelo neves
  • Etapas da SAEP
  • Visita pré?operatória
  • O QUE É DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM???
  • DIAGNÓSTICO DE ENFERMAGEM
  • PRINCIPAIS DIAGNÓSTICOS DE ENFERMAGEM EM CENTRO CIRÚRGICO (NANDA)
  • Implementação da assistência de enfermagem ( Período transoperatório)
  • Visita pós-operatória
  • Comportamento do paciente
  • Ação do enfermeiro
  • Dados Relevantes
  • Diagnóstico e intervenções de enfermagem
  • SAÚDE PÚBLICA I: HISTÓRICO DA CRIAÇÃO DO SUS NO BRASIL
  • 1. HISTÓRICO
  • 1.HISTÓRICO
  • 1. HISTÓRICO
  • 2. EVOLUÇÃO
  • 2.EVOLUÇÃO
  • 2. EVOLUÇÃO
  • 2. Evolução
  • 2.EVOLUÇÃO
  • 3. Princípios do SUS
  • 3 ? Princípios do SUS
  • 3.1 ? Princípios Ideológicos ou Doutrinários
  • 3.1 ? Princípios Ideológicos ou Doutrinários
  • 3.2 - Princípios Organizacionais
  • 3.2 ? Princípios Organizacionais
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • AFECÇÕES HEMATOLÓGICAS E CUIDADOS DE ENFERMAGEM
  • REVISÃO DO SISTEMA HEMATOLÓGICO
  • ANEMIAS
  • HEMOFILIA
  • Manifestações clínicas:
  • Cuidados de enfermagem:
  • LEUCEMIAS
  • HEMOTRANSFUSÃO
  • CONDUTAS
  • VIGILÂNCIA SANITÁRIA
  • PORTARIA GM/MS Nº 204, 29 DE JANEIRO DE 2007
  • BLOCO DE VIGILÂNCIA EM SAÚDE TEM 2 COMPONENTES:
  • PORTARIA GM/MS Nº 1998, de 21 de agosto de 2007
  • Atualizem seus conhecimento