Curso Online de TUBERCULOSE

Curso Online de TUBERCULOSE

TUBERCULOSE

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 3 horas

Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

TUBERCULOSE

ESPECIALISTAS EM ENFERMAGEM; BACHAREIS EM ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA; Experiência em: -Urgência e Emergência, -Clinica Médica, -Clinica Círurgica, -UTI, -Oncologia, -Nefrologia e -SAÚDE PUBLICA E ETC; PROFESSORES DE CURSOS TECNICO DE ENFERMAGEM EM DIVERSAS ÁREAS.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • TUBERCULOSE

    tuberculose

    enf.: marcelo neves

  • DEFINIÇÃO E AG. ETIOLÓGICO

    definição e ag. etiológico

    doença infecciosa crônica causada pelo bacilo aeróbico mycobacterium tuberculosis, cuja característica principal é o tropismo pelo parênquima pulmonar e a transmissão pela inalação de partículas infectadas por este bacilo.

    o mycobacterium tuberculosis, foi isolado em 1882 pelo pesquisador alemão robert koch. por isso o bacilo da tuberculose ficou conhecido como bacilo de koch (bk).

  • EPIDEMIOLOGIA

    epidemiologia

    no brasil: em incidência só perde para índia, china e filipinas;
    cerca de 40 milhões de infectados e 100 mil novos casos/ano;
    letalidade: aproximadamente 5%;
    dos infectados: 90% não terá sinais e sintomas; 5% terá a forma precoce (em 3 anos); 5% forma tardia ( após 3 anos)

  • MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS

    manifestações clínicas

    tosse
    expectoração (inclusive com sangue)
    falta de apetite
    emagrecimento
    febre
    suores noturnos
    indisposição, mal estar

  • SÍNDROMES CLÍNICO-RADIOLÓGICAS

    síndromes clínico-radiológicas

    tb primária típica: mais comum em crianças entre 2 e 12 anos – qualquer segmento pulmonar acometido.

    tb primária progressiva: ainda mais comum em crianças, o foco primário evolui para área de inflamação granulomatosa e exsudativa, e então evolui para pneumonia tuberculosa; 1/3 médio e inferior do pulmão.

  • tb miliar: forma mais comum em menores de 2 anos e não vacinados pelo bcg, ou então imunodeprimidos; comprometimento multi-nodular pulmonar, macroscopicamente semelhante a gramíneas da semente de miliet.

    tb pós-primária: “forma do adulto”, onde estão infectados há mais de 3 anos; podem ocorrer por reativação da infecção; comum produzir padrão cavitário, e portanto altamente contagioso. comum entre 15 e 30 anos.

  • tb no idoso: geralmente forma pós-primária, apical, mas frequentemente apresentam a tb primária progressiva com infiltrados pneumônicos.

    tb no imunodeprimidos: espectro amplo, dependente do grau de imunodepressão e contagem de cd4, aspecto radiológico atípico.

    tb extra-pulmonar: com patogênese variando conforme órgão acometido; pleura, linfonodos, ossos, articulações, meninges, rins, genitália, pericárdio, intestino...

  • DIAGNÓSTICO

    diagnóstico

    baseia-se na suspeita clínica, radiografia de tórax e estudo bacteriológico;
    suspeita clínica quando apresenta-se com as manifestações da doença, quando houve contato próximo com bacilífero nos últimos 2 anos, em casos de desnutrição grave e alterações no raio-x e ppd; (escala proposta para triagem de pacientes sintomáticos)... sendo :
    > 40 pontos- diagnóstico muito provável;
    30 e 35 pontos- diagnóstico possível;
    < 25 pontos- diagnóstico pouco provável.

  • Diagnóstico - Bacteriológico

    diagnóstico - bacteriológico

    exame bacteriológico. a pesquisa bacteriológica é o método mais importante, tanto para o diagnóstico como para o controle de tratamento e será utilizado na ordem de prioridade abaixo detalhada.

    1. exame microscópico direto do escarro
    a baciloscopia direta do escarro é o método prioritário, porque permite descobrir as fontes mais importantes de infecção: os casos bacilíferos. por ser um método simples e seguro, é praticado em todos os serviços de saúde que disponham de laboratório.

    2. cultura do bacilo de koch
    a cultura é indicada para os suspeitos de tuberculose pulmonar persistentemente negativos ao exame direto e para o diagnóstico de formas extrapulmonares, como meníngea, renal, pleural, óssea e ganglionar. também está indicada a solicitação desse exame nos casos de suspeita de resistência bacteriana às drogas, acompanhado do teste de sensibilidade. nos casos de micobactérias, além da cultura deverá ser solicitada a tipificação do bacilo.

  • Diagnóstico - Exame radiológico

    diagnóstico - exame radiológico

    para o diagnóstico de tuberculose, o exame radiológico será utilizado nos seguintes casos:
    sintomáticos respiratórios negativos à baciloscopia direta;
    comunicantes de todas as idades sem sintomatologia respiratória;
    suspeito de tuberculose extrapulmonar; e
    portadores do hiv ou pacientes com aids.
    o exame radiológico nesses grupos permite a seleção de portadores de imagens suspeitas de tuberculose, sendo indispensável submetê-los a exame bacteriológico para se fazer um correto diagnóstico, já que não é aceitável, exceto em crianças, o diagnóstico de tuberculose pulmonar sem investigação do agente causal pela bacteriologia..
    em suspeitos radiológicos de tuberculose pulmonar com baciloscopia direta negativa, deve-se afastar a possibilidade de outras etiologias, recomendando-se, quando possível, a cultura para bacilo de koch.

  • TRATAMENTO

    tratamento

    a tuberculose é uma doença grave, porém curável em praticamente 100% dos casos novos, desde que obedecidos os princípios da quimioterapia moderna. a associação medicamentosa adequada e seu uso regular, por tempo suficiente, são os meios necessários para evitar a resistência e a persistência bacterianas. o tratamento correto dos bacilíferos é a atividade prioritária de controle da tuberculose, uma vez que permite anular rapidamente as maiores fontes de infecção.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • TUBERCULOSE
  • DEFINIÇÃO E AG. ETIOLÓGICO
  • EPIDEMIOLOGIA
  • MANIFESTAÇÕES CLÍNICAS
  • SÍNDROMES CLÍNICO-RADIOLÓGICAS
  • DIAGNÓSTICO
  • Diagnóstico - Bacteriológico
  • Diagnóstico - Exame radiológico
  • TRATAMENTO
  • Esquemas de Tratamento
  • Esquemas de tratamento
  • Esquema I 2RHZ/4RH* - Indicado nos casos novos de todas as formas de tuberculose pulmonar e extra pulmonar, exceto meningite
  • Esquema IR** 2RHZE/4RHE** - Indicado nos casos de retratamento em recidivantes e retorno após do esquema I
  • Esquema II 2RHZ/7RH* - Indicado na meningite tuberculosa
  • Esquema III 3SEtEZ / 9EtE* Indicado nos casos de falência de tratamento com os esquemas I, IR E II
  • Efeitos Adversos
  • PROFILAXIA
  • QUIMIOPROFILAXIA A quimioprofilaxia da tuberculose consiste na administração de Isoniazida em pessoas infectadas pelo bacilo (quimioprofilaxia secundária) ou não (quimioprofilaxia primária), na dosagem de 10 mg/kg de peso (até 400 mg), diariamente, durante 6 meses. 2ª. Opção : Rifampicina 10 mg/kg/dia (máx. 600mg) por 3 meses. 3ª. Opção : Rifampicina + Pirazinamida por 2 meses.