Curso Online de Envelhecimento Celular

Curso Online de Envelhecimento Celular

Alterações celulares principalmente causadas pelo estresse oxidativo tende a acelerar o envelhecimento das células.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 50 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 0 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Alterações celulares principalmente causadas pelo estresse oxidativo tende a acelerar o envelhecimento das células.

Mestre em alimentos e nutrição. Professor no ensino superior, médio e fundamental. Licenciado em biologia e química, bacharel em bioquímica com ênfase no entendimento de ciências dos alimentos, fitoterapia e nutrição e ensino no decorrer da graduação. Especialista em nutrição clínica e esportiva, gerontologia e qualidade de vida e metodologia de ensino de biologia e química. Experiência como professor de ciências, biologia, química, bioquímica e alimentos. Currículo Lattes: http://buscatextual.cnpq.br/buscatextual/visualizacv.do?id=K4485065A7.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • ENVELHECIMENTO CELULAR

  • Envelhecer é um processo natural de cada indivíduo, sendo que o envelhecimento é diferente de pessoa para pessoa, pois cada um envelhece em ritmos variados e diferentes se comparado a mesma idade cronológica. Essas diferenças podem ser genéticas, fisiológicas, associadas a enfermidades, estilos de vida, gênero, cultura, educação e condição socioeconômica.

  • Espécies reativas e antioxidantes

  • As células do corpo humano e de outros organismos estão constantemente expostas a uma variedade de agentes oxidantes, alguns dos quais são necessários para a vida. Esses agentes podem estar presentes no ar, na comida, na água ou até serem produtos metabólicos do corpo. O fator chave da saúde é manter um equilíbrio entre os oxidantes e os antioxidantes para assim sustentar condições fisiológicas ótimas. A produção excessiva de oxidantes pode causar um desequilíbrio, levando ao estresse oxidativo, o que pode ser agravado em casos de infecções crônicas bacterianas, virais e parasitárias

  • Os agentes oxidantes são principalmente os radicais livres e outras espécies não radicalares tão reativas quanto os radicais livres e os agentes que estimulam a produção de radicais livres e espécies reativas, como radiação ionizante, metal potencialmente tóxico ou metal não quelado livre na célula ou extracelular.

  • Os radicais livres são moléculas que têm a capacidade de doar ou receber um elétron, portanto, podem levar outra molécula a ficar instável por meio de um elétron desemparelhado. Este, por sua vez, passa a ser também altamente reativo, o que pode gerar uma reação em cadeia de danos ao tecido do corpo humano. O corpo humano possui um mecanismo de controle e defesa contra os radicais livres, porém, às vezes somente ele não é suficiente. Como o ambiente em que vivemos tem papel significante na produção de radicais livres, é importante a ingestão de antioxidantes contidos nos alimentos.

  • O estresse oxidativo pode causar danos aos lipídios, às proteínas e ao DNA, resultando em um aumento do risco de câncer e de doenças cardiovasculares. Para prevenir ou reduzir o estresse oxidativo induzido por radicais livres, é necessário o consumo adequado de antioxidantes.

  • Os antioxidantes são substâncias que previnem ou amenizam a oxidação das biomoléculas ao neutralizarem as espécies reativas, impedindo a ocorrência do estresse oxidativo. Dentre os antioxidantes, se destacam as vitaminas C e E, carotenoides, ácidos fenólicos, flavonoides, glutationa, coenzima Q, ácido lipóico e as enzimas antioxidantes, como a superóxido dismutase (SOD), catalase (CAT) e a glutationa peroxidase (GSH-Prx).

  • O estrógeno é um hormônio que tem potente ação antioxidante, principalmente devido a inibir a peroxidação lipídica e ativar vias de sinalização que estimulam a expressão de enzimas antioxidantes. A maior concentração de estrógeno nas mulheres é considerada a principal razão para a maior proteção antioxidante e menor envelhecimento delas antes da menopausa.

  • A ampla variedade de fitoquímicos encontrados em frutas e verduras podem prover efeitos protetores à saúde, principalmente através de efeitos antioxidantes aditivos ou sinérgicos. Isto é muito importante, pois com o envelhecer, os processos fisiológicos como o motor e o cognitivo diminuem, assim como a proteção antioxidante e anti-inflamatória necessitando maior atenção para uma adequação de antioxidantes na dieta.

  • A degeneração macular relacionada à idade é a principal causa de cegueira nos idosos e o estresse oxidativo é um dos causadores dela. As substancias antioxidantes podem ser capazes de prevenir e minimizar os efeitos desta degeneração. A luteína é um carotenoide que protege os fotorreceptores da retina ao exercer ações antioxidantes como inativação do oxigênio singlete e reação com radicais peróxidos. Ao filtrar a luz azul, que é danosa para a retina por estimular a formação de espécies reativas, a luteína que participa da constituição de uma região da retina chamada de mácula, protege a retina eficientemente. O retinol (vitamina A) pode inibir a oxidação de lipídios e estimular a reparação de danos oxidativos nas células. A deficiência de vitamina A provoca disfunções nos bastonetes, prejudicando a visão.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • ESPÉCIES REATIVAS E ANTIOXIDANTES
  • BIOLOGIA CELULAR
  • MEMBRANA PLASMÁTICA
  • CÉLULAS TRONCO
  • MITOCÔNDRIAS
  • CROMOSSOMOS
  • COMPLEXO GOLGIENSE
  • ESPÉCIES REATIVAS
  • IMPORTÂNCIA FISIOLÓGICA DAS ESPÉCIES REATIVAS
  • RADICAL SUPERÓXIDO
  • RADICAL HIDROXILA
  • PERÓXIDO DE HIDROGÊNIO
  • ÓXIDO NÍTRICO
  • PEROXIDAÇÃO LIPÍDICA
  • INFLAMAÇÃO
  • ATEROSCLEROSE
  • CÂNCER
  • ESPÉCIES REATIVAS E PELE
  • ESPÉCIES REATIVAS E DANOS CEREBRAIS
  • DIABETES
  • ESPÉCIES REATIVAS E ENVELHECIMENTO
  • ANTIOXIDANTES
  • GLUTATIONA
  • ENZIMAS ANTIOXIDANTES
  • TIORREDOXINA
  • VITAMINA E
  • VITAMINA C
  • COENZIMA Q-10
  • FLAVONOIDES
  • ANTOCIANINAS
  • ÁCIDO LIPÓICO
  • CAROTENOIDES
  • ALGUNS MECANISMOS DE COMO TENTAR DIMINUIR A INCIDÊNCIA DO ESTRESSE OXIDATIVO
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • CUIDADOS COM A PELE
  • HISTOLOGIA DA PELE
  • RADIAÇÃO ULTRAVIOLETA
  • ANTIOXIDANTES
  • ENVELHECIMENTO CUTÂNEO
  • CAROTENOIDES
  • POLIFENÓIS
  • VITAMINA C
  • VITAMINA E
  • NUTRIÇÃO E CICATRIZAÇÃO
  • COBRE
  • ZINCO
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS
  • NUTRICOSMÉTICOS
  • ANTIOXIDANTES E PELE
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS