Curso Online de BEXIGA NEUROGÊNICA

Curso Online de BEXIGA NEUROGÊNICA

Esse curso voltado para área da saúde, estudantes e profissionais vem mostrar sobre o que é bexiga neurogênica. os tipos sinais e sintoma...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 2 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 25,00
(Pagamento único)

Mais de 0 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Esse curso voltado para área da saúde, estudantes e profissionais vem mostrar sobre o que é bexiga neurogênica.
os tipos
sinais e sintomas
tratamentos clínicos e fisioterapêuticos e a importância da eletroterapia.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • BEXIGA NEUROGÊNICA

    BEXIGA NEUROGÊNICA

    Milian Oliveira

    Fonte: google imagens

  • Micção: ato complexo. Interação entre os sistemas nervoso e muscular. Fibras musculares lisas e estriadas promovem contração e relaxamento, com a finalidade de manter um gradiente de pressão que assegure o armazenamento de urina na bexiga e sua liberação no momento conveniente.

    Micção: ato complexo. Interação entre os sistemas nervoso e muscular. Fibras musculares lisas e estriadas promovem contração e relaxamento, com a finalidade de manter um gradiente de pressão que assegure o armazenamento de urina na bexiga e sua liberação no momento conveniente.

  • Existem terminações simpáticas e parassimpáticas distribuídas ao longo de toda a bexiga e região esfincteriana. O músculo vesical (detrusor) é rico em receptores colinérgicos, sendo a região esfincteriana controlada principalmente por receptores adrenérgicos do tipo alfa1. A falha do esfíncter produz os mais variados graus de incontinência urinária.

    Existem terminações simpáticas e parassimpáticas distribuídas ao longo de toda a bexiga e região esfincteriana. O músculo vesical (detrusor) é rico em receptores colinérgicos, sendo a região esfincteriana controlada principalmente por receptores adrenérgicos do tipo alfa1. A falha do esfíncter produz os mais variados graus de incontinência urinária.

  • O QUE É ? A bexiga neurogênica é a perda da função normal da bexiga provocada pela lesão de uma parte do sistema nervoso.

    O QUE É ? A bexiga neurogênica é a perda da função normal da bexiga provocada pela lesão de uma parte do sistema nervoso.

  • Pode ser decorrente de alguma doença, de uma lesão ou de um defeito congênito que afeta o cérebro, a medula espinhal ou os nervos que se dirigem à bexiga ou a seu esfíncter.

    Pode ser decorrente de alguma doença, de uma lesão ou de um defeito congênito que afeta o cérebro, a medula espinhal ou os nervos que se dirigem à bexiga ou a seu esfíncter.

  • A bexiga é controlada por mecanismos voluntários e involuntários.

    Imediatamente após um trauma medular, torna-se atônica e não pode contrair-se pela atividade reflexa.

  • A retenção urinária é o resultado imediato da lesão medular. Como o paciente não sente a distensão vesical, o superestiramento da bexiga e do músculo detrusor pode ocorrer e retardar o retorno da função vesical.

  • Qualquer lesão nervosa que interfira nesse mecanismo origina uma bexiga neurogênica.

    A bexiga neurogênica reflexa, causada por lesão total acima do centro de micção, com comprometimento sensitivo e motor, tem como característica a dissinergia detrusor esfincteriana.

  • Tipos de bexiga neurogênica:

    Tipos de bexiga neurogênica:

  • Fonte: google imagens

  • Tipos de bexiga neurogênica

    Tipos de bexiga neurogênica

    Hipoativa: Lesão nervosa periférica ou da medula sacral ou lesão central na fase de choque (o órgão é incapaz de contrair e de esvaziar adequadamente);

    Hiperativa (espástica): Esvazia-se por reflexos incontroláveis.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 25,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • BEXIGA NEUROGÊNICA
  • Micção: ato complexo. Interação entre os sistemas nervoso e muscular. Fibras musculares lisas e estriadas promovem contração e relaxamento, com a finalidade de manter um gradiente de pressão que assegure o armazenamento de urina na bexiga e sua liberação no momento conveniente.
  • Existem terminações simpáticas e parassimpáticas distribuídas ao longo de toda a bexiga e região esfincteriana. O músculo vesical (detrusor) é rico em receptores colinérgicos, sendo a região esfincteriana controlada principalmente por receptores adrenérgicos do tipo alfa1. A falha do esfíncter produz os mais variados graus de incontinência urinária.
  • O QUE É ? A bexiga neurogênica é a perda da função normal da bexiga provocada pela lesão de uma parte do sistema nervoso.
  • Pode ser decorrente de alguma doença, de uma lesão ou de um defeito congênito que afeta o cérebro, a medula espinhal ou os nervos que se dirigem à bexiga ou a seu esfíncter.
  • Tipos de bexiga neurogênica:
  • Tipos de bexiga neurogênica
  • Normalmente, a bexiga hipoativa é decorrente da interrupção dos nervos que a inervam.
  • A bexiga hiperativa comumente decorre da interrupção do controle normal da bexiga pela medula espinhal cervical ou torácica .
  • Em distúrbios centrais, a lesão inicialmente faz com que a bexiga torne-se flácida durante dias, semanas ou meses (fase de choque). Posteriormente, a bexiga torna-se hiperativa e esvazia sem controle voluntário. Na bexiga hiperativa , geralmente os reflexos osteotendinosos são exaltados .
  • Principal causa de bexiga neurogênica na infância: mielodisplasia (meningocele ou mielomeningocele). Principal sintoma da bexiga neurogênica (hipoativa ou hiperativa): incontinência urinária. A incontinência de esforço é pouco encontrada na infância.
  • * Verificar pressões de enchimento, esvaziamento e avaliação da complacência; * Avaliar a pressão de perda durante a fase de enchimento; * Utilizar diário miccional.
  • * Dados sobre a ingesta de líquidos e quantidade eliminada (seja por manobras de Crede ou por cateterismo intermitente); * Informação sobre intervalos entre as perdas urinárias (importantes para avaliar capacidade funcional e contrações involuntárias do detrusor).
  • TREINAMENTO VESICAL:
  • FISIOTERAPIA UROGINECOLÓGICA