Curso Online de Osteoporose e suas Implicações Clínicas
5 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de Osteoporose e suas Implicações Clínicas

O curso busca abordar de maneira abrangente as implicações clínicas da osteoporose. Abrangendo: medicina, fisioterapia, educação física, ...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

O curso busca abordar de maneira abrangente as implicações clínicas da osteoporose. Abrangendo: medicina, fisioterapia, educação física, nutrição e psicologia.

- Mariana Egger Catucci

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • OSTEOPOROSE

    OSTEOPOROSE

    Implicações Clínicas

    Autora Giselle Stefanelli de Lima
    2012

  • CITAÇÃO

    Lima (2012) ou (LIMA, 2012)

    REFERÊNCIA

    LIMA, G. S. Osteoporose e suas Implicações Clínicas. Curso oferecido à distância pelo BUZZERO, 14 dez. 2011 (ano de realização de seu curso).

  • FUNÇÃO DOS OSSOS

    FUNÇÃO DOS OSSOS

    Protegem os órgãos, sustentam e estruturam o corpo, ajudam no movimento servindo de alavanca para o sistema muscular e servem de depósito de cálcio e de sais minerais ao organismo (REBELATTO; MORELLI, 2004, p.279).

    Sendo ainda outra função dos ossos longos a hematopoiese, ou seja, a medula óssea origina células sanguíneas.

  • DEFINIÇÃO DA PATOLOGIA

    DEFINIÇÃO DA PATOLOGIA

    Síndrome clínica na qual o peso da massa óssea é menor que a esperada num indivíduo de determinada idade, raça e sexo, resultando em fragilidade óssea e elevado risco de fratura.

    A osteoporose é assintomática, lenta e progressiva, ou ainda conhecido como “Ladrão silencioso”.

    Os ossos se tornam fracos e porosos.

    (PICKLES, 2000, p. 213 e 217)
    (REBELATTO; MORELLI, 2004, p.278-279)

  • INCIDÊNCIA

    INCIDÊNCIA

    Na América do Norte cerca de 1 em cada 4 mulheres e 1 em cada 10 homens acima de 50 anos são afetados (PICKLES, 2000, p. 213).

    É atualmente reconhecida como um importante problema de saúde pública (REBELATTO; MORELLI, 2004, p.278).

    Há projeções de que o aumento de fraturas por osteoporose no mundo chegue a 6,26 milhões em 2050, comparado aos 1,66 milhões em 1990 (LANHAM, 2006, s.p.).

    Por vezes as fraturas podem levar ao óbito, principalmente em decorrência às complicações de fratura de fêmur.

  • OSTEOPOROSE

    OSTEOPOROSE

    É a principal causa das fraturas registradas em indivíduos da terceira idade e em mulheres pós-menopáusicas.

    Provocando morte, incapacidade física considerável e imensas despesas médicas.

    Acredita-se que o número de fraturas por osteoporose venha crescer em decorrência ao aumento da longevidade.

    (PICKLES, 2000, p. 213)

  • SINAIS E SINTOMAS

    SINAIS E SINTOMAS

    Pode ocorrer perda significativa de substância óssea (osteopenia) sem quaisquer sintomas ou sinais clínicos.

    Muitos indivíduos que apresentam redução da massa óssea, jamais apresentarão fratura óssea.

    Alguns sintomas e sinais prováveis virão oriundas às fraturas, exemplos: dor, espasmo muscular, ↓ ou ↑ de PA, comprometimento da mobilidade e a capacidade funcional.

    (PICKLES, 2000, p. 217)

  • MENOPAUSA E PÓS-MENOPAUSA

    MENOPAUSA E PÓS-MENOPAUSA

    As mulheres têm um risco quatro vezes maior de desenvolver osteoporose que os homens, basicamente em função da diminuição de hormônios sexuais femininos (estrógenos e progesterona) após a menopausa (REBELATTO; MORELLI, 2004, p.281).

    A menopausa é um fator de risco para o desenvolvimento da osteoporose, entretanto nem todas as mulheres na pós-menopausa apresentam diminuição acentuada de massa óssea (REBELATTO; MORELLI, 2004, p.279).

  • ANATOMIA E FISIOLOGIA

    ANATOMIA E FISIOLOGIA

    Os ossos são compostos de duas camadas macroscópicas: a camada mais externa e mais dura é chamada de osso cortical, enquanto a camada interna, mais esponjosa, é chamada de osso trabecular.

    O osso trabecular é o tipo mais vulnerável à osteoporose, tornando-se menos denso.

    O cálcio e outros minerais “endurecem” os ossos, aumentando a sua densidade.

    (REBELATTO; MORELLI, 2004, p.279)

  • ANATOMIA E FISIOLOGIA

    ANATOMIA E FISIOLOGIA

    O esqueleto do indivíduo adulto é formado por osso cortical compacto (cerca de 80%) e por osso trabecular ou esponjoso (cerca de 20 %).

    A substância óssea é um tecido dinâmico, sujeito à remodelagem constante ao longo da vida, sendo capaz de se adaptar à solicitação física e de se regenerar em caso de traumatismo.

    Esta capacidade do osso de se remodelar ao longo do tempo é devida à atividade das células ósseas.

    (PICKLES, 2000, p. 214)

  • FISIOPATOLOGIA

    FISIOPATOLOGIA

    No osso jovem e/ou saudável existe um estreito paralelismo entre deposição (osteoblastos) e reabsorção (osteoclastos), de modo que a massa de substância óssea se mantém inalterada.

    A perda de substância óssea que caracteriza a osteoporose tanto pode ser devida ao excesso de reabsorção óssea como à diminuição da neoformação de tecido ósseo.

    (PICKLES, 2000, p. 214)


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • OSTEOPOROSE
  • FUNÇÃO DOS OSSOS
  • DEFINIÇÃO DA PATOLOGIA
  • INCIDÊNCIA
  • OSTEOPOROSE
  • SINAIS E SINTOMAS
  • MENOPAUSA E PÓS-MENOPAUSA
  • ANATOMIA E FISIOLOGIA
  • FISIOPATOLOGIA
  • PATOLOGIA
  • CLASSIFICAÇÃO
  • CURIOSIDADE
  • TRATAMENTOS
  • ATIVIDADE FÍSICA
  • PREVENÇÃO DE TRAUMATISMOS
  • FRATURAS
  • DEFORMIDADES DA COLUNA
  • TRATAMENTO MÉDICO
  • DIAGNÓSTICO PRECOCE
  • DIAGNÓSTICO POR IMAGEM
  • ORIENTAÇÃO NUTRICIONAL
  • PSICOTERAPIA
  • FISIOTERAPIA
  • ENVELHECIMENTO
  • REABILITAÇÃO APÓS FRATURA
  • FRATURA VERTEBRAL
  • FRATURA DE FÊMUR
  • FRATURA DE RÁDIO
  • ESTRATÉGIAS TERAPÊUTICAS A LONGO PRAZO
  • EXERCÍCIOS E DENSIDADE ÓSSEA
  • PRIMEIROS SOCORROS
  • ORIENTAÇÕES DOMICILIARES
  • CONSCIENTIZAÇÃO
  • PESQUISA
  • REFERÊNCIAS