Curso Online de DEFICIÊNCIA AUDITIVA NOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS: Análise relevante na  Psicologia do Trânsito

Curso Online de DEFICIÊNCIA AUDITIVA NOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS: Análise relevante na Psicologia do Trânsito

O tema merece atenção, frente aos dados estatísticos preocupantes de acidentes no trânsito todos os dias, ressaltando a necessidade de pe...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 16 horas

De: R$ 50,00 Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

O tema merece atenção, frente aos dados estatísticos preocupantes de acidentes no trânsito todos os dias, ressaltando a necessidade de pesquisas e investimentos nesta área.
A condução de um veículo envolve múltiplos estímulos cognitivos e atitudes do motorista, e a identificação das principais funções psicológicas e cognitivas do ato de dirigir favorecem a avaliação de fatores de comportamentos de risco de surdez dos motoristas de ônibus, demonstrando a relevância de buscar intervenções preventivas no trânsito.
Pode-se concluir que a atividade de dirigir é desgastante, causa fadiga e sua eficácia está relacionada principalmente a fatores ambientais do local de trabalho e a forma como os motoristas lidam com esses fatores.
Há grande incidência de perda auditiva no exercício da função, além de incidência de distúrbios orgânicos (dores na cabeça, nas pernas e problemas auditivos) e psíquicos (como estresse, irritabilidade e fadiga), que afetam não só a atividade de dirigir mas também a vida social e coletiva desse profissional.


Resumo
Introdução
O comportamento dos condutores
Situações de trânsito que demandam atenção
Os tipos de atenção
Fatores de alteração da atenção
Os acidentes de trânsito
A relevância da avaliação psicológica periódica
Condutores de veículos com deficiência auditiva- Lei 8.160
Exames necessários para o surdo obter carteira de habilitação
A PERDA AUDITIVA SOFRIDA PELOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS
A atividade de transportar pessoas
Análise da perda auditiva em motoristas de ônibus
O ruído e o risco de perda auditiva pelos motoristas de ônibus
Conclusão


Formação Acadêmica:Pedagogia Especialização em: Psicologia e Saúde Mental Educação à Distância Metodologia da Pesquisa



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • Análise relevante na Psicologia do Trânsito

    Análise relevante na Psicologia do Trânsito

    Raquel Sampaio

    DEFICIÊNCIA AUDITIVA NOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS:

  • RESUMO

    O tema merece atenção, frente aos dados estatísticos preocupantes de acidentes no trânsito todos os dias, ressaltando a necessidade de pesquisas e investimentos nesta área.

    A condução de um veículo envolve múltiplos estímulos cognitivos e atitudes do motorista, e a identificação das principais funções psicológicas e cognitivas do ato de dirigir favorecem a avaliação de fatores de comportamentos de risco de surdez dos motoristas de ônibus, demonstrando a relevância de buscar intervenções preventivas no trânsito.

  • Pode-se concluir que a atividade de dirigir é desgastante, causa fadiga e sua eficácia está relacionada principalmente a fatores ambientais do local de trabalho e a forma como os motoristas lidam com esses fatores.

    Há grande incidência de perda auditiva no exercício da função, além de incidência de distúrbios orgânicos (dores na cabeça, nas pernas e problemas auditivos) e psíquicos (como estresse, irritabilidade e fadiga), que afetam não só a atividade de dirigir mas também a vida social e coletiva desse profissional.

  • Introdução

    O ato de dirigir envolve um processo de funções psicológicas e cognitivas, em que os motoristas estão expostos no trânsito a diversos fatores de risco, já que conduzir um veículo envolve memória, atenção, tomada de decisões, e se trata de um ambiente repleto de informações, como tráfego de pedestres, de outros veículos, diversidade de sons e imagens.

    A multiplicidade de fatores influencia o comportamento dos indivíduos e sua forma de conduzir um veículo. O fator humano é, muitas vezes, considerado o principal responsável por eles.

    Introdução

  • No Brasil,segundo o Instituto de Pesquisas Econômicas Aplicadas (IPEA), os acidentes de trânsito apresentam custos sociais, ambientais, psicológicos e financeiros, demanda por leitos hospitalares, impacto psicológico em acidentados e familiares, faltas ao trabalho, indenizações e gastos materiais.

    Estima-se que as despesas com os acidentes nas rodovias brasileiras sejam de R$ 22 bilhões, o que representa aproximadamente 1,2% do PIB brasileiro.

  • Percebe-se um número crescente, no Brasil, de pesquisas científicas na área de psicologia do trânsito, enfocando o comportamento de condutores de risco no trânsito e o seu possível envolvimento em acidentes, além de possíveis soluções.

    A aprendizagem veicular exige capacidades e a aquisição de habilidades motoras, sensoriais, cognitivas e de informações sobre o trânsito, com suas implicações técnicas, preventivas, defensivas e punitivas.

    As funções cognitivas relacionadas à direção veicular incluem “memória, atenção, avaliação sistemática do ambiente e outras habilidades visuais e espaciais, verbais e de processamento de informações, tomada de decisões e resolução de problemas.

  • Estas funções devem se processar de modo dinâmico e, assim, e o ato de dirigir um veículo pode parecer uma atividade simples, quase automática, mas exige uma complexa articulação de funções do condutor.

    Sem a pretensão de esgotar o tema, seguem alguns componentes que constituem esse cenário. Pretende-se deter-se ais nos aspectos envolvidos no ato de dirigir dos motoristas de ônibus, as funções psicológicas e cognitivas presentes nesta atividade que, principalmente nas grandes cidades, faz crescer as estatísticas de perda auditiva no exercício da função, pelo número crescente de condutores e pelo caos que vêm se configurando o trânsito, merecendo atenção.

  • As condições de saúde e de trabalho de motoristas de transporte coletivo urbano podem ser consideradas um importante fator de dimensionamento da qualidade de vida dos centros urbanos, visto que diferentes fatores ambientais e de interação social contribuem para o aumento do estresse, dentre eles o trânsito.

    Segundo a Associação Nacional de Empresas de Transportes Urbanos (NTU), o caos do trânsito nas cidades de médio e grande porte e já chegando às de menor porte é um fator de grande influência no estresse das pessoas residentes, principalmente, em áreas urbanas.

  • O trabalho do motorista de transporte coletivo urbano está diretamente relacionado ao ambiente no qual o mesmo é realizado. Diferente das pessoas que desempenham suas atividades profissionais em ambientes fechados como salas ou lojas, esse profissional desempenha suas atividades num ambiente público, o trânsito.

    Não possui um local restrito e bem definido para realizar suas tarefas; ao contrário, trabalha fora dos portões da empresa, estando sujeito a intempéries como o clima, as condições de tráfego e do trajeto das vias.

  • A condição de trabalho interfere no estado psicofisiológico do motorista, traduzindo-se em irritabilidade (que pode levar a um comportamento agressivo na direção), insônia (podendo resultar em sonolência nas horas de trabalho, diminuindo os reflexos) e, em especial, distúrbios na atenção (fator essencial para a direção segura).

    O estudo ora apresentado partiu da necessidade de realizar uma investigação no campo da Psicologia, que possibilite caracterizar as condições de trabalho e de saúde auditiva dos motoristas de transporte coletivo urbano por ônibus.

  • O comportamento dos condutores

    Para o estudo do comportamento dos condutores, deve-se compreender o ambiente em que estes se inserem ao dirigir. Conforme o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), em seu Artigo 1.º, parágrafo 1.º, por trânsito se entende “a utilização das vias por pessoas, veículos e animais, isolados ou em grupos, conduzidos ou não, para fins de circulação, parada, estacionamento e operação de carga ou descarga”.

    O comportamento dos condutores


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Análise relevante na Psicologia do Trânsito
  • Introdução
  • O comportamento dos condutores
  • Situações de trânsito que demandam atenção
  • Os tipos de atenção
  • Fatores de alteração da atenção
  • Os acidentes de trânsito
  • A relevância da avaliação psicológica periódica
  • Condutores de veículos com deficiência auditiva- Lei 8.160
  • Exames necessários para o surdo obter carteira de habilitação
  • A PERDA AUDITIVA SOFRIDA PELOS MOTORISTAS DE ÔNIBUS
  • A atividade de transportar pessoas
  • Análise da perda auditiva em motoristas de ônibus
  • O ruído e o risco de perda auditiva pelos motoristas de ônibus
  • Conclusão