Curso Online de Envelhecer Com Saúde

Curso Online de Envelhecer Com Saúde

Hábitos saudáveis que contribuem para a saúde.

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 20 horas


Por: R$ 25,90
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Hábitos saudáveis que contribuem para a saúde.

Mestre em alimentos e nutrição. Especialista em nutrição clínica e esportiva, gerontologia e qualidade de vida e metodologia de ensino de biologia e química. Professor de ciências e biologia. Bacharel em bioquímica com ênfase no entendimento de ciências dos alimentos, fitoterapia, nutrição e ensino após cursar disciplinas eletivas referentes a estas áreas e fazer estágios no decorrer da graduação.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa. Os certificados são impressos em papel de gramatura diferente e com marca d'água.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.

Modelo de certificados (imagem ilustrativa):

Frente do certificado Frente
Verso do certificado Verso
  • ENVELHECER COM SAÚDE

  • INTRODUÇÃO

    O envelhecimento é definido como um processo biológico, universal, dinâmico e progressivo, no qual ocorrem modificações morfológicas, funcionais, bioquímicas e psicológicas, que reduzem a capacidade de adaptação do indivíduo ao meio ambiente, afetando sua integridade e tornando mais propenso o surgimento das doenças crônicas, com impacto sobre a saúde e a qualidade de vida do idoso.

  • A conquista da longevidade saudável do resultado soma de fatores importantes como resultado genética, uma infância bem cuidada, viver em um ambiente acolhedor, estável e seguro, atividade física e intelectual, o autoconhecimento como ponto de partida para o alcance do equilíbrio físico e emocional e , acima de tudo, ter um projeto de vida.

  • Estamos vivendo mais, muito mais. Cada vez mais velhos habitarão o planeta. Como atravessar as idades e aprender a envelhecer? Como envelhecer? Infinitas questões permeiam o assunto idade: a durabilidade das relações amorosas; as conquistas profissionais; a independência; a aparência, o corpo, a morte.

  • Dentre os sistemas do organismo, os que mais sofrem efeitos do envelhecimento são o nervoso, o endócrino e o imunológico.

  • Atualmente, chegar à velhice é uma realidade populacional, ainda que a melhora substancial dos parâmetros de saúde das populações esteja longe de se distribuir de forma eqüitativa nos diferentes países e contextos socioeconômicos.

  • A velhice bem-sucedida, física e psiquicamente, constitui-se, indiscutivelmente, na grande fase da vida, onde o ser humano está preparado para entrar em comunhão com a grandiosidade da criação.

  • Tanto a senescência quanto a senilidade são termos relacionados ao processo de envelhecimento, mas existem diferenças entre eles.
    A senescência engloba as alterações que ocorrem no organismo com o passar dos anos, são situações fisiológicas do envelhecimento e não estão relacionados a doenças. A redução da estatura, o aparecimento de cabelos brancos e das rugas são condições normais do envelhecimento.
    A senilidade são alterações que acontecem no organismo decorrente de doenças crônicas como a hipertensão, diabetes e doenças pulmonares. Essas doenças podem comprometer a funcionalidade e a qualidade de vida das pessoas.
    A presença de doenças na velhice NÃO é normal!!
    Não podemos alterar os nossos fatores genéticos, mas diversos outros fatores podem ser modificados, então mantenha uma alimentação balanceada, faça exercícios físicos e controle o estresse. Essas são algumas dicas para vivermos mais e melhor.

  • O crescimento da população idosa é um fenômeno mundial e, no Brasil, as modificações ocorrem de forma radical e bastante acelerada. O número de idosos no Brasil passou de 3 milhões, em 1960, para 7 milhões, em 1975, e 20 milhões em 2008 um aumento de quase 700% em menos de 50 anos. Conseqüentemente, doenças próprias do envelhecimento passaram a ganhar maior expressão no conjunto da sociedade.

  • No início do século XX, a média da expectativa de vida ao nascer era cerca de 47 anos, passando para cerca de 78 anos no início do século XXI. O crescimento da população de idosos é explicado por especialistas em estudos demográficos por meio da queda da taxa de fecundidade aliada à queda da taxa de mortalidade, conseqüência do avanço da medicina que, além de combater as epidemias que ceifavam vidas jovens, pôde controlar doenças crônicas. A expectativa de vida em 1940 era de 40,5 anos; em 2007 era de 70,4 anos, e as estimativas para 2050 são de 81,3 anos.

  • O rápido envelhecimento da população brasileira indica um contingente atual de aproximadamente 15 milhões de idosos. As projeções mais conservadoras indicam que, em 2020, o Brasil será o sexto país do mundo em número de idosos, com um contingente superior a 30 milhões de pessoas.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 25,90
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • INTRODUÇÃO
  • NUTRIÇÃO E ESTÉTICA
  • VITAMINA E
  • ATIVIDADE FÍSICA NA TERCEIRA IDADE
  • EMAGRECIMENTO
  • ALIMENTOS FUNCIONAIS E OBESIDADE
  • FIBRAS E OBESIDADE
  • CHÁ VERDE E OBESIDADE
  • PREVENÇÃO DA HIPERTENSÃO
  • PREVENÇÃO DA ATEROSCLEROSE
  • ATEROSCLEROSE
  • DIETA MEDITERRÂNEA
  • NUTRIÇÃO DO IDOSO
  • RELAÇÃO ENTRE ESTRESSE OXIDATIVO E ENVELHECIMENTO
  • ESTUDO CORRELACIONANDO ESTRESSE OXIDATIVO, DOENÇAS E ENVELHECIMENTO
  • ENCURTAMENTO DOS TELÔMEROS
  • ATIVIDADE FÍSICA E ESTRESSE OXIDATIVO
  • AMENIZAÇÃO DO ENVELHECIMENTO: EFEITOS PROTETORES DOS ALIMENTOS FUNCIONAIS E DOS ANTIOXIDANTES
  • IMUNOSSENESCÊNCIA
  • CONSIDERAÇÕES FINAIS
  • REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS