Curso Online de PEDREIRO

Curso Online de PEDREIRO

CURSO COMPLETO DE PEDREIRO

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

Por: R$ 50,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

CURSO COMPLETO DE PEDREIRO

Curso de Tutoria EAD pela UNINTER - Assis/SP (2014) Pós-Graduado - MBA Executivo em Negócios pela UNOPAR (EAD) 2011 Graduado em Ciências Contábeis pelo Instituto Educacional de Assis (IEDA) - 2003 Cursando: Instrutor de Trânsito (REALIZA-ASSIS/SP) Cursando: GESTÃO EM ENGENHARIA DE TRÁFEGO (Instituto Cotemar)



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • CURSO COMPLETO DE PEDREIRO

  • Apresentação

    Apresentação

    A fim de satisfazer às necessidades didáticas do programa APRENDENDO E CONSTRUINDO, elaboramos esta cartilha com o objetivo de permitir aos alunos do curso de pedreiro o acompanhamento das aulas teóricas e prá- ticas, desenvolvidas no decorrer do mesmo, no sentido de auxiliar o aluno na aprendizagem dos conhecimentos, das técnicas e atitudes do oficio de pedreiro.

  • 1. Introdução

    1. Introdução

    O pedreiro é o profissional da obra que atua na construção das etapas de fundação, paredes e acabamento. Ele deve ter conhecimento sobre o emprego de materiais, sobre ferramentas e equipamentos, sobre as téc- nicas utilizadas na construção, entre outros.
    Deve saber construir vigas e pilares, levante de parede, revestimento de piso e paredes, etc. e como funciona um canteiro de obras e suas insta- lações. Ter noções sobre instalações de água, esgoto e instalações elétri- cas, saber ler e interpretar projetos e ter conhecimento sobre cálculos de área e volume são conhecimentos essenciais que completa a formação do pedreiro.

  • PROFESSOR PAULO

  • 2. Noções Básicas

    2. Noções Básicas

    2.1. Nivelamento
    Operação que consiste em transportar uma referência de nível marcada em uma determinada altura para outro local, estabelecendo assim um pla- no horizontal. Numa obra a referência de nível (marca) é estabelecida a 1,0 metro do nível do piso e transportada para as paredes dos outros cô- modos. É através do nivelamento que marcamos as alturas da alvenaria, dos vãos de janelas e portas, do pé direito das alturas do piso e contrapiso na pavimentação.
    A ferramenta utilizada para realizar o nivelamento é a mangueira de nível e no caso de vãos pequenos o nível de madeira.
    Nivelamento com mangueira:

    2.2. Alinhamento
    Operação que consiste em posicionar numa mesma direção, através de uma linha, os elementos de uma construção.
    Para se utilizar a técnica do alinhamento é necessário que esteja estabe- lecido o ponto inicial e final do mesmo e a partir daí fixar uma linha (linha de pedreiro) entre estes ponto.
    Numa obra utilizamos este procedimento no levante de parede construin- do as fiadas de blocos cerâmicos, no assentamento das mestras interme- diárias dos revestimentos de parede e piso, etc..
    Operação de alinhamento utilizado na construção da segunda fiada de uma alvenaria de bloco cerâmico:

    4

    4

  • 2.3. Esquadro

    2.3. Esquadro

    Operação que consiste em marcar os vãos de uma obra a um ângulo de 90° (noventa graus). É utilizado no locação da obra, na marcação das alvenarias e nos revestimentos de paredes, etc. A ferramenta empregada nesta operação é o esquadro, po-
    rém limita-se aos vãos pequenos. No caso das locações da obra utilizamos a rela- ção do triângulo retângulo que são medidas marcadas em alinhamen-
    to nas proporções de 3:4:5.
    Esquadro de 60 cm, 80 cm e 100 cm

    2.4. Prumada
    Operação que consiste em posicionar numa direção vertical os elemen- tos de uma construção. É utilizada na construção da fiada de blocos le- vante de parede aprumando os blocos iniciais e finais de cada fiada, na marcação das mestras superiores do reboco de uma parede, na obten- ção de eixos de elementos es-
    truturais de uma fundação, etc. As ferramentas utilizadas para obter a prumada são: prumo de face e o prumo de centro.

    Comprimento

    Metro (m) Centímetro (cm) Milímetro (mm)

    Relação entre as unidades:
    1m = 100cm = 1000mm

    Área
    Metro quadrado (m2)

    Centímetro quadrado ( cm2)

    Relação entre as unidades:
    1m2 = 10.000 cm2

    Volume
    Metro cúbico (m3) Litro (l)

    Relação entre as unidades:
    1 m3 = 1000 l

    Massa
    Quilograma (Kg) Grama (g)

    Relação entre as unidades:
    1Kg = 1000g

    1cm

    1cm

    1cm

    1cm2

    1cm3

    Kg

    2.5. Unidades de Medida

    Cálculo da Área:
    O cálculo da área é obtido pelo produto (multiplicação) de duas dimen- sões (comprimento x largura).
    Ex.: Para calcularmos a área de um quarto com as dimensões de 4 metros de comprimento e 3 metros de largura fazemos:
    A (m²) área = 4m (comprimento) x 3m (largura). A= 12 m²
    Cálculo do Volume:
    O cálculo do volume é obtido pelo produto (multiplicação) de três dimen- sões (comprimento x largura x altura).
    Ex.: Para calcularmos o volume de uma lata com as dimensões de 0,21 metros de comprimento, 0.21 metros de largura e 0,41 metros de altura fazemos:
    V (m³) Volume = 0,21m (comprimento) x 0,21m (largura) x 0,41m (altu- ra). V = 0,018m³

    5

    5

  • 2.6. A Argamassa

    2.6. A Argamassa

    É a mistura de cimento, areia e água com ou sem outros elementos como arenoso, saibro e a cal. É utilizada nas alvenarias, nas fundações de pe- dra, nos revestimentos de paredes, etc.
    A resistência, a facilidade de trabalho, a qualidade das argamassas de- pendem da qualidade dos materiais empregados, de suas proporções (tra- ços) e da quantidade de água na mistura.
    Na pavimentação (pisos e contrapisos), no assentamento de piso cerâmico e azulejos, etc. devemos sempre preparar a quantidade de argamassa ne- cessária para que não ocorra o endurecimento da mesma antes de secar a aplicação.
    Devemos também utilizar as argamassas retiradas ou caídas das alvena- rias ou revestimento se removidos sem sujeiras.
    2.7. O Concreto
    O concreto é a mistura de cimento, areia, brita e água. É utilizado em ele- mentos estruturais como vigas e pilares, em lajes, etc.

    Areia Cimento Brita
    A resistência do concreto aumenta com o aumento da quantidade de ci- mento que o constitui e diminui com o aumento da quantidade de água na mistura.
    A qualidade e resistência do concreto dependem da dosagem dos materi- ais, da qualidade dos mesmos e também do preparo.
    Devemos utilizar areia e brita de boa qualidade ( ver assunto de materiais de construção), adicionar apenas a água necessária a tornar o concreto mole e fácil de ser trabalhado, misturá-lo de forma a obter um material uniforme com partes iguais em toda a sua composição.

    O preparo do concreto pode ser manual ou mecânico. Para preparar o con- creto manual é necessário que se tenha uma área pavimentada com um piso cimentado ou com um lastro de madeira sobre o chão. O preparo mecânico é realizado por um equipamento chamado betoneira que é uma caçamba acionada por um motor elétrico ou a combustível, que gira mis- turando os componentes do concreto.
    2.8. Traços
    Chama-se de traço a relação ( em volume ou peso) entre as quantidades de materiais dos concretos e das argamassas. É representado por um nú- mero que indica a proporção de cada material que o constitui.
    Ex.: traço 1:2:4 de cimento, areia e brita.
    Preparo dos Traços
    Medem-se as quantidades dos materiais em uma lata, balde ou padiola na propor- ção indicada pelo traço. Derrama-se so- bre o local do preparo e mistura-se até obter uma cor igual em todas as partes. Nos concretos mistura-se primeiro o ci- mento e a areia, depois adiciona-se a quantidade de brita indicada pelo traço e distribui-se sobre a mistura de cimento e areia. Nas argamassas misturam-se o ci- mento, a areia e o arenoso.
    Faz-se um buraco no centro da mistura e adiciona-se água pouco a pouco até ob- ter uma mistura fácil de manusear e de ser moldada. Nos concretos abre-se uma vala na beira da mistura e adiciona-se água pouco a pouco.

    CARTILHA DO PEDREIRO

    CARTILHA DO PEDREIRO

    6

    6

  • 3.2. Corte Outro projeto também utilizado na construção da obra é o corte. É um pro- jeto representado num plano vertical com a direção (para frente ou para o fundo) indicado na planta. Vê-se somente o lado cuja direção foi feito o corte.

    3. Leitura e Interpretação de Projetos

    CARTILHA DO PEDREIRO

    7

    7

    3.1. Plantas
    A planta é um projeto que representado no papel, indica o que se vai cons- truir numa obra. Também chamada de planta baixa é o projeto de que se faz uso logo na locação da obra, é através dela que obtemos as distânci- as que serão marcadas no gabarito dos vãos dos cômodos.
    Utilizamos também para a marcação da alvenaria de bloco cerâmico, mar- cação dos vãos de janelas e portas, basculantes, combogós, vãos livre, etc.
    As distâncias ou comprimentos e larguras dos vãos dos cômodos são cha- mados de cotas. São os números escritos em cima das linhas e entre duas linhas laterais, geralmente fora das paredes. As unidades de medida das cotas são o metro ou o centímetro.

    A planta nos mostra:

    As paredes dos cômodos (quartos, salas, cozinhas, etc.), com suas dimensões;

    Espessura das paredes;

    Localização, altura e dimensões de portas, janelas, combogós, basculantes, etc.;

    Piso com localização de aparelhos sanitários, pias, lavanderias e conforme o caso móveis;

    Nome dos cômodos e suas respectivas áreas;

    Projeção do telhado (indicação da largura do beiral);

    Posição do corte, conforme a necessidade, posição do reservatório de água.

    Carimbo

    3.2. Corte
    Outro projeto também utilizado na construção da obra é o corte. É um pro- jeto representado num plano vertical com a direção (para frente ou para o fundo) indicado na planta. Vê-se somente o lado cuja direção foi feito o corte.

    O corte nos mostra:
    A altura das paredes (empenas) que irão apoiar o telhado.

    A posição das peças do telhado.

    A altura do pé direito (altura que vai do piso pronto até o teto da casa) e de portas, janelas, combogós, basculantes, etc.;

    A indicação dos cômodos e cotas.

    Carimbo

  • 4. Materiais de Construção

    4. Materiais de Construção

    Materiais de construção são todos os materiais utilizados nas obras (cons- trução de casas, prédios, etc.), podendo ser obtido da natureza ou atra- vés da intervenção do homem para produzi-los.
    Os materiais de construção devem satisfazer as condições de acordo com a função que desempenham:

    Facilidade de aplicação do material na obra;

    Resistência à ação do tempo ( durabilidade)

    Preservação das condições de higiene como o isolamento do calor, do som e de infiltrações de água.

    Estética que resulta dos aspectos dos materiais, de cujo emprego pode tirar proveito para a beleza da construção.

    Tipos de Materiais de Construção
    Agregados:
    São materiais que constituem grande parte da composição das argamas- sas e dos concertos. Têm menor custo e sua presença dá maior resistên- cia ao desgaste.
    São classificados em naturais ou artificiais, miúdos ou graúdos e em leves ou pesados.
    Exemplos: Areia, Arenoso e Brita.
    Areia- Componente das argamassas e dos concre- tos. É um agregado miúdo. São materiais mi- nerais que se apresentam sob forma de
    grãos. A areia de boa qualidade é aquela em que não há presença de raizes, bar- ro, óleo ou graxa e outros tipos de sujei- ra. Classificam-se em areias finas, médias e grossas. A unidade de medida da areia é o m³ (metro cúbico).

    Arenoso- Material de origem mineral sob a forma de grãos finos. É um agregado miú- do. Fazem parte das argamassas e na sua composição encontra-se a argila, um tipo de solo que da liga (cola) quando misturado com água. Tem a aparência
    de barro.
    A unidade de medida do arenoso é o m³ (metro cúbico).

    Brita- Componente dos concretos. É um agregado graúdo. São materiais que resultam da quebra
    de pedaços pequenos de rochas através do britamento de pedras nas pedreiras. A bri- ta utilizada na construção deve ser lim- pa sem presença de terra ou barro e sem pó de pedra.
    A unidade de medida da brita é o m³ (metro cúbico).
    Os tipos de brita são classificadas segun- do suas dimensões:
    Brita 0 menor que 1,0 cm (Gravilhão)

    Brita 1 entre 1,0 e 2,5 cm

    Brita 2 de 2,5 a 5,0 cm

    Pedra de Mão de 10,0 a 30,0 cm

    10

    10

  • 4.1.3. Outros:

    Resistência por cm²

    4.1.2. Aglomerantes
    São os materiais que unidos aos agregados formam os concretos ou as argamassas. Também chamados de ligantes pois são componentes que dão liga ou seja têm a propriedade de colar os agregados.
    Ex: Cal, cimento e gesso.
    Cimento- Material que dá liga (cola) aos componen- tes das argamassas e dos concretos. Quando em con-
    tato com a água, ocorrem reações químicas e endurece. Com o passar do tempo torna-se mais resistente atingindo maior resistência aos 28 dias.
    O cimento é vendido em sacos de 50 qui- los.

    Cuidados quanto ao estoque de cimento:

    Proteger da chuva e do contato direto com o terreno.

    Empilhar no máximo 10 sacos por fileira.

    Usar o cimento de forma a não envelhecer na obra.

    Gesso- Material a base de cálcio usado em forros e pinturas. Pó branco que misturado com água forma uma pasta e seu momento de pega é mais rápido com menos água.
    O gesso é vendido em quilos.
    Cal- Usada em pintura e em argamassas. Serve como aglomerante ou co- rante. A cal virgem não é diretamente empregada, tem que ser extinta (hi- dratada) para ser utilizada.
    A cal é vendida em quilos.

    4.1.3. Outros:

    Aço- Usado nas ferragens de concreto ar- mado, vendido em quilos sob a forma de varas ou rolos. São utilizados nos con- cretos de lajes, vigas, pilares e vergas.
    Água- Utilizada nas argamassas e nos concretos. Deve ser limpa cristalina isen- ta de óleos e graxas e que possa ser uti- lizada para o consumo humano (potável).
    A unidade de medida da água é o litro.
    Azulejo- Material cerâmico impermeável à água
    com uma das faces lisas e vidradas e outra rústica ou porosa. Destina-se ao revestimento de paredes que devam ser laváveis.
    A unidade de medida é o metro quadrado (m²).
    Ladrilho de Cimento- São placas de material feito a base de cimento, resistente a umidade. Usado em revestimento de pisos laváveis (banhei- ro, cozinha, copa, etc.)
    A unidade de medida é o metro quadrado (m²).
    Ladrilho Cerâmico- São placas de materiais cerâmicos impermeáveis à água com uma das faces lisas e vidradas e outra rústica ou porosa. Des- tina-se aos revestimentos de pisos laváveis dos banheiros, cozinhas, áre- as de serviços, copas, varandas, etc.
    Existem com diversos tipos e dimensões.
    A unidade de medida é o metro quadrado (m²).
    Mármore e Granito- Material usado em revestimento de pisos e pare- des sob forma de placas ou cacos.
    A unidade de medida é o metro quadrado (m²).
    Saibro- Material usado como componente das argamassas. É rico em ar- gila e tem a aparência de barro.
    Porcelana- Usada principalmente na aparelhagem sanitária como vasos sanitários, bidês, lavatórios, lavanderias, etc.
    Existem em cores brancas ou coloridas e são vendidos em unidades ou o jogo completo de aparelhos.

    11

    11

  • Madeira- Usado na construção do madeiramento das coberturas e nas esquadrias de madeira. Deve estar seca e livre de brocas e fendas.
    No telhado: Massaranduba, ipê, sucupira, etc.; forro: cedro, peroba, etc.;
    Nas portas e janelas: cedro, peroba, sucupira, imbuia, etc.
    Formas de concreto: pinho-do-paraná
    A unidade de medida é o metro linear (m).
    Vidro- Material utilizado principalmente nas esquadrias de portas e jane- las. Deve ser bem plano, sem bolhas, rachaduras, manchas, estrias e es- pessura regular.
    Apresenta-se nos seguintes tipos:
    Vidro liso e vidro fantasia (martelado, canelado, etc.) Quanto à cor: Vidro incolor, colorido e leitoso
    A unidade de medida é o metro quadrado (m²)
    Impermeabilizantes- Usados geralmente em revestimentos para prote- ger contra a infiltração de água. São adicionados aos concretos e arga- massas de lajes, terraços, reservatório, etc.
    A unidade de medida é o litro.
    Telha- Material utilizado nas coberturas. Existem diversos tipos sendo os mais comuns:
    Telha de barro

    Telha de fibrocimento

    Telha de alumínio

    Telha de ferro zincado

    Metais- Materiais utilizados como esquadrias (portas, janelas e basculantes), grades, portões, torneiras e registros, etc.

    Tijolos- São materiais componentes das alvenarias assentados com argamassas utilizados na construção de paredes e da fundação.

    Tipos de Tijolos:
    Tijolo maciço- Muito usado em paredes estrei- tas de armários, em caixas d'água, caixas de es- goto ou em paredes comuns;
    Dimensões: 5 x 9 x 19cm, etc.

    Tijolo furado- Mais leve
    que o tijolo maciço, é barato e não sobrecarre- gam as estruturas;
    Dimensões: 9 x 14 x 19cm, 9 x 14 x 19cm, etc.

    Tijolos vazados- Mais leve que o tijolo furado. Usado particularmente nas pare- des divisórias sobre estrutura de concreto armado. É o tijolo mais leve e tem furos quadrados.
    Dimensões: 9 x 14 x 19cm, 9 x 17 x 25cm, etc.

    Tijolo de concreto- Também
    chamado bloco de concreto, tem maior resistên- cia do que o de barro e pode ser utilizado sem revestimento.
    Dimensões: 9 x 19 x 39cm, 14 x 19 x 39cm, etc.

    12

    12


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 50,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Apresentação
  • 1. Introdução
  • 2. Noções Básicas
  • 2.3. Esquadro
  • 2.6. A Argamassa
  • 3.2. Corte
  • Outro projeto também utilizado na construção da obra é o corte. É um pro- jeto representado num plano vertical com a direção (para frente ou para o fundo) indicado na planta. Vê-se somente o lado cuja direção foi feito o corte.
  • 4. Materiais de Construção
  • 4.1.3. Outros:
  • 5. Ferramentas
  • 6. Locação da Obra
  • 7. Escavação da Obra
  • 8. Fundação
  • 8.2. Viga Baldrame
  • 8.4. Construção de Sapatas Corridas
  • 8.7. Construção de Fundação em Alve- naria de Pedra
  • 9. Parede
  • 11. Bibliografia
  • 12. Anotações
  • 13. Questões