Curso Online de Inquisição Medieval

Curso Online de Inquisição Medieval

A Inquisição foi uma instituição da Igreja Católica que, até hoje, causa polêmicas entre os cristãos e os não-cristãos. Este curso visa a...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 5 horas

Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

A Inquisição foi uma instituição da Igreja Católica que, até hoje, causa polêmicas entre os cristãos e os não-cristãos. Este curso visa a entender melhor seus antecedentes, sua origem e seu desenvolvimento durante a Idade Média

Bacharel em Filosofia (Faculdade Paulo VI - Nova Iguaçu) Graduando em Teologia pela Faculdade de São Bento do Rio de Janeiro



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • a inquisição

  • três distinções:

    1- inquisição medieval

    - combate às heresias cátara e valdense nos séculos xii-xiii e aos falsos misticismos nos séculos xiv-xv.

    2- inquisição espanhola

    - combate aos judeus e muçulmanos, instituída por iniciativa dos reis fernando e isabel em 1478.
    - perdurou até o século xix como poderoso instrumento do absolutismo dos reis espanhóis.
    - quase não pode ser considerada instituição eclesiástica, pois, não raro, procedeu independentemente de roma.

    3- inquisição romana ou santo ofício

    - combate ao surto protestante, instituída em 1542 pelo papa paulo iii.

  • antecedentes da inquisição

    a igreja antiga aplicava penas espirituais – principalmente a excomunhão – para combater as heresias.

    não pensava em usar a força bruta, até que o imperador romano tornou-se cristão.

    sendo o cristianismo a religião do estado, os césares passaram a agir contra os hereges da mesma forma que agiram contra os cristãos.

    a heresia era vista como um crime civil e todo atentado contra a religião oficial era um atentado contra a sociedade.

    os crimes contra a majestade divina deveriam ser punidos do mesmo modo como eram punidos os crimes de lesa-majestade humana.

    do séc. iv em diante, as penas eram a proibição de fazer testamento, a confiscação dos bens, o exílio.

    - no ano 300, diocleciano inflige a pena de morte pelo fogo aos maniqueus.

  • inicialmente, rejeitava qualquer pena temporal aos hereges. mas, mediante os males trazidos pelos donatistas, passou a aceitar os açoites e o exílio, não a tortura ou a morte.

    argumentava que, se o estado punia severamente o adultério, deveria punir também a infidelidade a deus, que é muito mais grave que a infidelidade a um homem.

    os infiéis não deveriam ser obrigados a abraçar a fé cristã, mas os hereges deveriam ser punidos e obrigados a ouvir a verdade.

    pensamento de santo agostinho:

  • a pena de prisão para os hereges teve origem nos mosteiros e, depois foi transferida para a vida civil.

    os reis merovíngios e carolíngios aplicavam penas civis a crimes eclesiásticos e penas eclesiásticas a crimes civis.

    - os padres da igreja não tinham todos a mesma opinião sobre a morte dos hereges.

    são joão crisóstomo (+407), por exemplo, considerava a execução de um herege culpa gravíssima, mas permitia medidas repressivas.

  • as origens da inquisição

    acompanhando o antigo direito romano, a igreja não ia à procura dos hereges; só julgava depois que lhe fosse apresentada a denúncia.

    tendo surgido, no séc. xi, o catarismo, ou movimento dos albingenses, que se tratava de uma heresia fanática e revolucionária, a práxis em relação aos hereges teve de mudar.

    este movimento herético constituía grave ameaça para a fé cristã e para a vida pública, pois rejeitavam as instituições básicas da vida civil (matrimônio, autoridade governamental, serviço militar), bem como a própria igreja em sua face visível, e enalteciam o suicídio.

  • espontaneamente, o povo e as autoridades civis reprimiam com violência os hereges causadores de tumultos e ataques às igrejas.

    por solaparem os fundamentos da ordem constituída até por volta do ano 1150, os reis franceses condenavam à morte os pregadores de tais heresias.

    exemplo disto se deu em orleans (1017), onde o rei roberto mandou lançar ao fogo os hereges que contaminavam a cidade, pois a causa da civilização e da ordem pública se identificava com a fé.

    - a autoridade eclesiástica, porém, limitava-se a impor penas espirituais aos albingenses, pois, até então, nenhuma heresia foi combatida com violência física.

  • em meados do séc. xii, os magistrados e o povo exigiam colaboração mais direta na repressão do catarismo.

    o papa alexandre iii, então, em 1162, escreveu numa carta ao arcebispo de reims e ao conde de flândria: “mais vale absolver culpados do que, por excessiva severidade, atacar a vida de inocentes... a mansidão mais convém aos homens da igreja do que a dureza...”.

    o rei luís vii de frança, irmão daquele arcebispo, não gostou do conteúdo da carta e advertiu ao papa sobre o perigo de agir com mansidão contra tais hereges e pediu a concessão de plenos poderes a seu irmão para que este pudesse combater a heresia.

    o concílio regional de tours (1163) mandou procurar (inquirir) os hereges.

  • a assembleia de verona, à qual compareceram o papa lúcio iii, o imperador frederico barba-roxa, numerosos bispos, prelados e príncipes, baixou, em 1184, um decreto de grande importância:

    o poder eclesiástico e o civil deveriam, doravante, trabalhar juntos na questão das heresias.

    os hereges serão não apenas punidos, mas inquiridos.

    aos bispos caberia inspecionar pessoalmente (ou através de legados), uma ou duas vezes por ano, as paróquias suspeitas.

    as autoridades civis deveriam ajudá-los sob pena de perder seus cargos ou terem suas terras interditadas.

    os hereges depreendidos ou abjurariam seus erros ou seriam entregues ao braço secular, que lhes imporia a sanção devida.

    - surge, assim, a chamada inquisição episcopal.

  • com o tempo, percebeu-se que esta inquisição não era suficiente para combater as heresias, pois alguns bispos eram tolerantes e outros ficavam limitados às suas respectivas dioceses.

    com isso, os papas, em fins do séc. xii, começaram a nomear legados especiais, munidos de plenos poderes para combater as heresias em qualquer lugar. surge a chamada “inquisição pontifícia” ou “legatina”.

    em 1233, o papa gregório ix estabeleceu a organização da inquisição e confiou aos dominicanos a missão de inquisidores.

    em cada nação ou distrito inquisitorial, havia um inquisidor-mor que, com seus auxiliares, trabalharia com independência em relação ao bispo da diocese em que estivesse.

    as normas do procedimento inquisitorial foram sucessivamente ditadas por bulas pontifícias e decisões conciliares.

  • autoridade civil e inquisição

    a autoridade civil, mesmo antes da instituição da inquisição como tal, agia com bastante zelo contra os hereges.

    alguns exemplos:


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail: