Curso Online de Curso de Formação de Obreiros e Líderes

Curso Online de Curso de Formação de Obreiros e Líderes

Consagrar se trata da dedicação de alguém, ou de algo a Deus. Após a respectiva consagração a pessoa, ou o utensílio e etc. passa a perte...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 4 horas

De: R$ 40,00 Por: R$ 23,00
(Pagamento único)

Mais de 80 alunos matriculados no curso.

Certificado digital Com certificado digital incluído

Consagrar se trata da dedicação de alguém, ou de algo a Deus. Após a respectiva consagração a pessoa, ou o utensílio e etc. passa a pertencer ao templo de Deus. Doravante, as suas existências são, exclusivamente, separadas para os cultos e para os serviços divinos. As consagrações não consistem em algo medíocre; mas em fatores, extremamente sério e profundo.
Este fator, Consagração, é um fenômeno milagroso. E, todavia, é realizada mediante a uma oração, ou algum ritual. Com por exemplo, a consagração de pastores, ou de alguém ao Santo Ministério é efetuada em um culto especial, em um momento, também, especial. A oração é imprescindível quando se consagra algo, ou alguém, visto que, por intermédio dela colocamos os na presença de Deus para ser utilizados, ou usados, exclusivamente, segundo a Sua soberana Vontade.

Vou fazer um resumo do meu currículo sou Técnico em Segurança do Trabalho e Registrado no Ministério do Trabalho e Emprego, faço acessória empresarial e comercial. Sou formado em segurança patrimonial e industrial, Curso atualmente o Curso de Direito e, tenho uma empresa no seguimento representação comercial (vendas e acessória) sou Orientador de Casais e Jovens na Igreja Evangélica que pertenço e igrejas ao qual sou convidado para cursos e palestras e atuo também na área de libertação espiritual.



  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
  • Adquira certificado ou apostila impressos e receba em casa.**
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
** Material opcional, vendido separadamente.
  • SUMÁRIO
    INTRODUÇÃO ........................................................................................................04
    I - PANORAMA DA MATÉRIA ...............................................................................10
    1. APRESENTAÇÃO DO CONTEÚDO DA DISCIPLINA
    2. OBJETIVO DA DISCIPLINA
    II - MINISTÉRIO ECLESIÁSTICO ........................................................................16
    1. HIERARQUIA
    2. OS DEZ NUNCA DO OBREIRO
    III - ATITUDES DO LÍDER ECLESIÁSTICO ANTES DE APRESENTAR UM
    OBREIRO AO MINISTÉRIO .........................................................................................27
    1. NÃO CONFIAR O MINISTÉRIO
    2. CONFIAR O MINISTÉRIO

    2

  • IV - OS NOVE TÓPICOS QUE DEPENDEM DO CANDIDATO.......................................43
    1. CONVICÇÃO
    2. APTIDÃO
    3. ATITUDE
    4. CAPACIDADE
    5. FUNÇÃO ECLESIÁSTICA
    6. VOCAÇÃO
    7. ESPIRITUALIDADE
    8. COMO MEMBRO DA IGREJA
    9. A FAMÍLIA
    V - ÉTICA MINISTERIAL .............................................................................................109
    VI - ACONSELHAMENTO PASTORAL .......................................................................130
    VII - ADMINISTRAÇÃO ECLESIÁSTICA .....................................................................160
    CONCLUSÃO ................................................................................................................188

    3

  • INTRODUÇÃO

    Consagrar se trata da dedicação de alguém, ou de algo a Deus. Após a respectiva consagração a pessoa, ou o utensílio e etc. passa a pertencer ao templo de Deus. Doravante, as suas existências são, exclusivamente, separadas para os cultos e para os serviços divinos. As consagrações não consistem em algo medíocre; mas em fatores, extremamente sério e profundo.
    Este fator, Consagração, é um fenômeno milagroso. E, todavia, é realizada mediante a uma oração, ou algum ritual. Com por exemplo, a consagração de pastores, ou de alguém ao Santo Ministério é efetuada em um culto especial, em um momento, também, especial. A oração é imprescindível quando se consagra algo, ou alguém, visto que, por intermédio dela colocamos os na presença de Deus para ser utilizados, ou usados, exclusivamente, segundo a Sua soberana Vontade.

    4

  • Mas o que pode se consagrar? Ora, a Bíblia Sagrada narra às seguintes consagrações:
    a) Animais (2º Cr 29 v 33);
    b) Campos (Lv 27 v 21);
    c) Dinheiro e utensílios (Js 6 v 19);
    d) Lugares (Jr 31 v 40).
    e) O dia (Ne 8 v 9);
    f) Ofertas (Dt 12 v 26);
    g) Pessoas (Ex 22. 31);
    h) Vestes sacerdotais (Ex 29 v 29);
    Estas passagens bíblicas nos proporcionam uma lição, em que mediante um ato de fé, devemos consagrar todas as coisas a Deus.

    5

  • A apresentação de obreiro a igreja é efetuada por parti de um líder eclesiástico, de uma igreja local, que após a aprovação, da respectiva igreja, são levados os nomes dos candidatos a Diretoria do Ministério.
    A consagração de obreiros é efetuada pelo ministério da igreja.
    Onde que em um evento especial é ministrada a Cerimônia de Consagração.
    Na constituição de seus obreiros há igrejas que adotam a forma de consagração; mas, porém, há outras igrejas que adotam a forma de eleição para esse fim. Não vou defender uma forma e nem outra, mas os obreiros de Cristo precisam portar se de requisitos exigidos pela Bíblia Sagrada.

    6

  • Quem é o líder eclesiástico que apresentam obreiros a fim de piorar a situação do seu ministério? O Líder precisa ser muito prudente para não cometer tal erro. Visto que Satanás e as suas legiões de demônios já têm este encargo. E eles batem pesadíssimo nesta tecla.
    Sempre quando apresentamos a pessoa errada ao ministério, ele se enfraquece e igreja acaba sofrendo muito com isso.
    Para evitar a apresentação de pessoas erradas para os cargos sagrados, é necessário observarmos, rigorosamente, onze fatores importantíssimos. Dois fatores dependem do líder apresentador e nove fatores dependem do apresentado, ou do candidato ao Santo Ministério.

    7

  • Os fatores que dependem do líder apresentador do candidato ao ministério são: “Não Confiar o Ministério” e “Confiar o Ministério”.
    E os fatores que dependem do candidato ao ministério são: “Convicção, Aptidão, Atitude, Capacidade, Função Eclesiástica, Vocação, Espiritualidade, Como Membro da Igreja e a Família”.
    A pessoa errada no Ministério é um problema seriíssimo. Esse sério problema pode ter duas naturezas. A saber: incontinência (Consagrar um incapacitado), ou traição (consagrar um traidor). Jesus Cristo precisava de um traidor em seu Ministério para cumprir as profecias. Porque Ele veio para morrer por nós. Mas, atualmente, não estar tendo nenhuma necessidade para sermos, traídos, julgados e crucificados em um cruz.

    8

  • Um inimigo conosco só vai atrapalhar.
    É como diz o ditado:
    “É melhor mil inimigos longe, do que um inimigo conosco”.
    Em uma reunião de obreiros ouvi um pastor fazendo uma alegoria:
    “Uma cobra é muito perigosa, mas se ungi-la, ela passa ser mil vezes mais perigosa”.
    Caros companheiros ministeriais tomem muito cuidados, porque uma cobra ungida é um grande perigo. Os senhores como ungido de Deus sabem muito bem o que estou dizendo.

    9

  • PANORAMA DA MATÉRIA
    O nosso pano de fundo (As discrições e o Propósito deste Livro) é constituído por dois tópicos, a saber:
    Apresentação do Conteúdo da Disciplina e Objetivo da Disciplina.
    “E Jesus lhe disse:
    Ninguém, que lança mão do arado e olha para trás, é apto para o reino de Deus.” (Lucas 9 v 62)

    10

  • 1. APRESENTAÇÃO DO CONTEÚDO DA DISCIPLINA

    O conteúdo desta imprescindível Matéria, não irá além do que acabas de ler. Confira:

    1.1. HIERARQUIA
    1.2. OS DEZ NUNCA DO OBREIRO,
    1.3. NÃO CONFIAR O MINISTÉRIO,
    1.4. CONFIAR O MINISTÉRIO,
    1.5. CONVICÇÃO,
    1.6. APTIDÃO,
    1.7. ATITUDE,
    1.8. CAPACIDADE,
    1.9. FUNÇÃO ECLESIÁSTICA,
    1.10. VOCAÇÃO DO CANDIDATO AO MINISTÉRIO,
    1.11. ESPIRITUALIDADE,
    1.12. COMO MEMBRO DA IGREJA,
    1.13. A FAMÍLIA
    1.14. ÉTICA MINISTERIAL
    1.15. ACONSELHAMENTO PASTORAL
    1.16. ADMINISTRAÇÃO ECLESIÁSTICA

    11

  • 2. OBJETIVO DA DISCIPLINA
    O alvo desta Matéria é fazer com que cada líder eclesiástico e cada candidato ao Santo Ministério estejam plenamente convictos de uma série de fatores, saber:
    2.1. HIERARQUIA: Neste tópico irás conhecer as ordens, ou as classes de cada grau do Ministério.
    2.2. OS DEZ NUNCA DO OBREIRO: Ao estudar este tópico, aprenderás as regras básicas e infalíveis para um obreiro ser idôneo.
    2.3. NÃO CONFIAR O MINISTÉRIO A: Assim, saberás a quem um líder eclesiástico não pode confiar o ministério.
    2.4. CONFIAR O MINISTÉRIO A: Então terás a oportunidade de saber a quem um líder eclesiástico pode confiar o ministério.
    2.5. A CONVICÇÃO DO CANDIDATO AO MINISTÉRIO: Um candidato ao ministério precisa ter a absoluta certeza da sua chamada.
    2.6. A APTIDÃO DO CANDIDATO AO MINISTÉRIO: Um candidato ao ministério deve ter fome e sede de fazer a Obra de Deus.

    12


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 23,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...

Desejo receber novidades e promoções no meu e-mail:


  • Panorama da Matéria
  • Apresentação do conteúdo da Disciplina
  • Objetivo da disciplina
  • Ministério eclesiástico
  • Hierarquia
  • Os dez nunca do obreiro
  • Atitudes do líder eclesiástico antes de apresentar um obreiro ao ministério
  • Não confiar o Ministério
  • Confiar o ministério
  • Os nove tópicos que dependem do candidato
  • Convicção
  • Aptidão
  • Atitude
  • Capacidade
  • Função eclesiástica
  • Vocação
  • Espiritualidade
  • Como membro da igreja
  • A família
  • Ética ministerial
  • Aconselhamento Pastoral
  • Administração Eclesiástica
  • Conclusão