Curso Online de Injeção Eletrônica de Automóveis
5 estrelas 2 alunos avaliaram

Curso Online de Injeção Eletrônica de Automóveis

Torne-se um profissional de sucesso! No Curso a distância de Injeção Eletrônica de Automóveis, você aprende de forma simples e descompli...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 20 horas

Por: R$ 30,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Torne-se um profissional de sucesso!

No Curso a distância de Injeção Eletrônica de Automóveis, você aprende de forma simples e descomplicada com o método de ensino passo a passo, por meio de apostilas impressas ou online.
Aprenda os principais procedimentos de montagem, desmontagem, reparos e manutenções dos sistemas de injeção eletrônica de automóveis.
Qualifique-se para o mercado e trabalhe em oficinas mecânicas, centros automotivos, empresas especializadas ou abra seu próprio negócio.

Pós-Graduação em nível de mestrado em engenharia civil estruturas - UFRJ, conclusão em 2009. graduação em engenharia civil - UFS, conclusão em 2007.


- Leandro Figueiró Guilloux

- Tiago Da Silva Santos

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Aula 02 – Classificação Aula 03 - Sistema monoponto e multiponto Aula 04 - Injeção intermitente ou simultâneo Aula 05 - Injeção banco a banco ou semi-sequencial Aula 05 - Classificação dos sistemas Aula 06 - Unidade de comando

    Aula 02 – Classificação Aula 03 - Sistema monoponto e multiponto Aula 04 - Injeção intermitente ou simultâneo Aula 05 - Injeção banco a banco ou semi-sequencial Aula 05 - Classificação dos sistemas Aula 06 - Unidade de comando

  • Aula 10 - Rastreando os códigos de defeito Aula 11 - Tabela de localização dos conectores Aula 11 - Obtendo os códigos Aula 12 - Obtendo o código de defeito por meio de um jumper Aula 12 - Tabela de códigos do sistema FIC EEC-IV Aula 13 - Código lampejante FIC EEC-IV com três dígitos

    Aula 10 - Rastreando os códigos de defeito Aula 11 - Tabela de localização dos conectores Aula 11 - Obtendo os códigos Aula 12 - Obtendo o código de defeito por meio de um jumper Aula 12 - Tabela de códigos do sistema FIC EEC-IV Aula 13 - Código lampejante FIC EEC-IV com três dígitos

  • Aula 13 - Tabela de códigos do sistema FIC EEC-IV com 3 dígitos Aula 14 - Código lampejante - linha GM Aula 15 - Objetivo do sistema de injeção Aula 16 - Determinando o tempo de injeção Aula 17 - Atomização da massa de combustível na massa de ar Aula 18 - Sensores

    Aula 13 - Tabela de códigos do sistema FIC EEC-IV com 3 dígitos Aula 14 - Código lampejante - linha GM Aula 15 - Objetivo do sistema de injeção Aula 16 - Determinando o tempo de injeção Aula 17 - Atomização da massa de combustível na massa de ar Aula 18 - Sensores

  • Aula 19 - Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento Aula 20 - Sensor de temperatura do ar admitido Sensor de posição da borboleta de aceleração Aula 23 - Sensor de pressão absoluta do coletor Aula 26 - Sensor de rotação e posição da árvore de manivelas Aula 29 - Sensor fase

    Aula 19 - Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento Aula 20 - Sensor de temperatura do ar admitido Sensor de posição da borboleta de aceleração Aula 23 - Sensor de pressão absoluta do coletor Aula 26 - Sensor de rotação e posição da árvore de manivelas Aula 29 - Sensor fase

  • Aula 30 - Conector de octanagem Aula 31 - Sensor de detonação Aula 33 - Sensor oxigênio ou sonda lambda Aula 36 - Medidor de fluxo de ar ( vazão ) Aula 37 - Medidor mássico ou medidor de massa de ar Aula 38 - Outros tipos de sinais utilizados pela unidade de comando

    Aula 30 - Conector de octanagem Aula 31 - Sensor de detonação Aula 33 - Sensor oxigênio ou sonda lambda Aula 36 - Medidor de fluxo de ar ( vazão ) Aula 37 - Medidor mássico ou medidor de massa de ar Aula 38 - Outros tipos de sinais utilizados pela unidade de comando

  • Aula 39 – Atuadores Aula 40 – Relés Aula 42 - Bomba elétrica de combustível Aula 43 - Regulador de pressão Aula 44 - Componentes da linha de combustível Aula 46 - Sistema de combustível - funcionamento e manutenção

    Aula 39 – Atuadores Aula 40 – Relés Aula 42 - Bomba elétrica de combustível Aula 43 - Regulador de pressão Aula 44 - Componentes da linha de combustível Aula 46 - Sistema de combustível - funcionamento e manutenção

  • Aula 49 - Controlador de ar de marcha lenta Aula 50- Motor de passo Aula 51- Eletroválvula Aula 52- Motor rotativo Aula 53- Sistema de ignição

    Aula 49 - Controlador de ar de marcha lenta Aula 50- Motor de passo Aula 51- Eletroválvula Aula 52- Motor rotativo Aula 53- Sistema de ignição

  • Aula 01 - Introdução ao curso

    O sistema de injeção eletrônica de combustível surgiu no Brasil no final da década de 80, mais precisamente em
    1989 com o Gol GTi da Volkswagen do Brasil SA. Logo em seguida vieram outros modelos de outras marcas como o
    Monza Classic 500 EF, o Kadett GSi, o Uno 1.6R mpi entre outros.
    O sistema baseia-se num microprocessador que faz todo o gerenciamento do motor, controlando o seu
    funcionamento de forma mais adequada possível. Este sistema veio substituir os convencionais sistemas de
    alimentação por carburador e ignição eletrônica transistorizada. Isso significa que o mesmo cuida de todo o processo
    térmico do motor, como a preparação da mistura ar/combustível, a sua queima e a exaustão dos gases.

    Para que isso seja possível, o microprocessador deve processar as informações de diversas condições do motor,
    como sua temperatura, a temperatura do ar admitido, a pressão interna do coletor de admissão, a rotação, etc. Esses
    sinais, depois de processados, servem para controlar diversos dispositivos que irão atuar no sistema de marcha
    lenta, no avanço da ignição, na injeção de combustível, etc.

  • Abaixo, damos um resumo do caminho completo de todos os sistemas de injeção existente.

    A entrada de dados correspondem aos sinais captados no motor, como temperatura, pressão, rotação, etc. Após o
    processamento (sinais processados), estes sinais são enviados para o controle de diversos dispositivos do sistema
    (sinais de saída).
    Agora, iremos substituir a figura acima por esta:

  • Como podemos observar, os sensores são os elementos responsáveis pela coleta de dados no motor. Esses dados
    são enviados à unidade de comando onde são processados. Por fim, a unidade irá controlar o funcionamento dos
    atuadores.

    Resumindo:
    - Entrada de dados »»» Sensores
    - Sinais processados »»» Unidade de comando
    - Saída de dados »»» Atuadores
    A unidade de comando (cérebro de todo o sistema) analisa as informações dos diversos sensores distribuídos no
    motor, processa e retorna ações de controle nos diversos atuadores, de modo a manter o motor em condições
    ótimas de consumo, desempenho e emissões de poluentes.
    Os sistemas de injeção eletrônica de combustível oferecem uma série de vantagens em relação ao seu antecessor, o
    carburador:

  • Benefícios:
    - Melhor atomização do combustível;
    - Maior controle da mistura ar/combustível, mantendo-a sempre dentro dos limites;
    - Redução dos gases poluentes, como o CO, HC e NOx;
    - Maior controle da marcha lenta;
    - Maior economia de combustível;
    - Maior rendimento térmico do motor;

    - Redução do efeito "retorno de chama" no coletor de admissão;
    - Facilidade de partida a frio ou quente;
    - Melhor dirigibilidade.

    Basicamente a construção física do motor não foi alterada com o sistema de injeção. O motor continua funcionando
    nos mesmos princípios de um sistema carburado, com ciclo mecânico a quatro tempos onde ocorrem a admissão, a
    compressão, a explosão e o escape dos gases. O que de fato mudou foi o controle da mistura ar/combustível, desde
    a sua admissão até a sua exaustão total.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 30,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Aula 02 – Classificação Aula 03 - Sistema monoponto e multiponto Aula 04 - Injeção intermitente ou simultâneo Aula 05 - Injeção banco a banco ou semi-sequencial Aula 05 - Classificação dos sistemas Aula 06 - Unidade de comando
  • Aula 10 - Rastreando os códigos de defeito Aula 11 - Tabela de localização dos conectores Aula 11 - Obtendo os códigos Aula 12 - Obtendo o código de defeito por meio de um jumper Aula 12 - Tabela de códigos do sistema FIC EEC-IV Aula 13 - Código lampejante FIC EEC-IV com três dígitos
  • Aula 13 - Tabela de códigos do sistema FIC EEC-IV com 3 dígitos Aula 14 - Código lampejante - linha GM Aula 15 - Objetivo do sistema de injeção Aula 16 - Determinando o tempo de injeção Aula 17 - Atomização da massa de combustível na massa de ar Aula 18 - Sensores
  • Aula 19 - Sensor de temperatura do líquido de arrefecimento Aula 20 - Sensor de temperatura do ar admitido Sensor de posição da borboleta de aceleração Aula 23 - Sensor de pressão absoluta do coletor Aula 26 - Sensor de rotação e posição da árvore de manivelas Aula 29 - Sensor fase
  • Aula 30 - Conector de octanagem Aula 31 - Sensor de detonação Aula 33 - Sensor oxigênio ou sonda lambda Aula 36 - Medidor de fluxo de ar ( vazão ) Aula 37 - Medidor mássico ou medidor de massa de ar Aula 38 - Outros tipos de sinais utilizados pela unidade de comando
  • Aula 39 – Atuadores Aula 40 – Relés Aula 42 - Bomba elétrica de combustível Aula 43 - Regulador de pressão Aula 44 - Componentes da linha de combustível Aula 46 - Sistema de combustível - funcionamento e manutenção
  • Aula 49 - Controlador de ar de marcha lenta Aula 50- Motor de passo Aula 51- Eletroválvula Aula 52- Motor rotativo Aula 53- Sistema de ignição