Curso Online de ENFERMAGEM GERAL- PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM UTI E EMERGÊNCIA (54horas/aula)
5 estrelas 8 alunos avaliaram

Curso Online de ENFERMAGEM GERAL- PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM UTI E EMERGÊNCIA (54horas/aula)

ENFERMAGEM GERAL- PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM UTI E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA ASSUNTOS ABORDADOS: ANATOMIA BASICA Intubação endotraqueal Diss...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 54 horas

Por: R$ 59,90
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

ENFERMAGEM GERAL-
PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM UTI E URGÊNCIA E EMERGÊNCIA

ASSUNTOS ABORDADOS:
ANATOMIA BASICA
Intubação endotraqueal
Dissecção Venosa e Acesso venoso Central
PVC E PAM
Cateter de Swan-Ganz
Balão intra-aótico
MARCAPASSO CARDIACO DE EMERGENCIA
DESFIBRILAÇÃO
CARDIOVERSÃO
TRANSPLANTE RENAL
COMA
PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA
DERRAME PLEURAL
PNEUMOTÓRAX
TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO
ATELECTASIA, derrame pleural
EMERGENCIA PEDIATRICA
TRAUMA PEDIATRICO
MONITORIZAÇÃO EM UTI
ACLS

ESPECIALISTAS EM ENFERMAGEM; BACHAREIS EM ENFERMAGEM E OBSTETRÍCIA; Experiência em: -Urgência e Emergência, -Clinica Médica, -Clinica Círurgica, -UTI, -Oncologia, -Nefrologia e -SAÚDE PUBLICA E ETC; PROFESSORES DE CURSOS TECNICO DE ENFERMAGEM EM DIVERSAS ÁREAS.


- Diana Linhar

- Margareth Vicentini

- Cintia Gonçalves Rebouças

"excelente"

- José Fernandes Da Silva

"gostei muito me ajudou a ficar atualizado em procedimentos invasivos na uti"

- Alessandro Melo Lima

- Bernadete De Souza SimÃo

- Ana Claudia De Araujo Rodrigues Melo

- Roberto Luis Timotheo Dos Reis

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • ENFERMAGEM GERAL- PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM UTI E EMERGÊNCIA

    ENFERMAGEM GERAL- PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM UTI E EMERGÊNCIA

    Enf.: Marcelo Neves

  • ASSUNTOS ABORDADOS

    ASSUNTOS ABORDADOS

    ANATOMIA BASICA
    Intubação endotraqueal
    Dissecção Venosa e Acesso venoso Central
    PVC E PAM
    Cateter de Swan-Ganz
    Balão intra-aótico
    MARCAPASSO CARDIACO DE EMERGENCIA
    DESFIBRILAÇÃO
    CARDIOVERSÃO
    TRANSPLANTE RENAL
    COMA
    PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA
    DERRAME PLEURAL
    PNEUMOTÓRAX
    TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO
    ATELECTASIA, derrame pleural
    EMERGENCIA PEDIATRICA
    TRAUMA PEDIATRICO
    MONITORIZAÇÃO EM UTI
    ACLS

  • ELEMENTOS DE ANATOMIA HUMANA

  • Anatomia
    Ciência que estuda a estrutura macroscópica e microscópica do corpo dos seres vivos.

  • ANATOME derivado do grego
    ANA – em partes
    TOME - cortes

  • Estudar a estrutura do corpo humano nos diferentes sistemas: esqueléticos, muscular, artrologia, nervoso, hormonal, linfático, digestório, respiratório, circulatório, urinário, reprodutor e órgãos do sentido.

    OBJETIVO DA DISCIPLINA

  • ANATOMIA SISTÊMICA

    Sistema esquelético (Osteologia)
    Sistema Articular (Artrologia)
    Sistema Muscular (Miologia)
    Sistema Nervoso ( Neurologia)
    Sistema Tegumentar (Dermatologia)
    Sistema Circulatório (Angiologia)
    Sistema Disgestório ou Digestivo (Gastroenterologia)
    Sistema Respiratório (Pneumologia)
    Sistema Urinário (Urologia)
    Sistema Endócrino (Endocrinologia)
    Sistema Reprodutor

  • POSIÇÃO DE DESCRIÇÃO ANATÔMICA (POSIÇÃO ANATÔMICA)

    Face voltada para frente

    Olhar dirigido para o horizonte

    Membros superiores estendidos aplicados ao tronco e com as palmas das mãos voltadas para frente

    Membros inferiores unidos, com as pontas dos pés dirigidas para frente

  • Planos Anatômicos

    Planos que delimitam o corpo (Tangenciais), superfícies planas imaginárias.

    Ventral
    Dorsal
    Laterais
    Superior ou Cranial
    Inferior ou podálico

    Secções (cortes) que atravessam o corpo

    Sagital Mediana e ou sagital
    Coronal ou Frontal
    Transversal ou Horizontal

  • Planos que delimitam o corpo

    Ventral ou anterior

    Dorsal ou posterior

    Cranial ou superior

    Inferior ou podálico(de podos = pé)

    Lateral esquerdo e direito

  • Secções (cortes) que atravessam o corpo

    Plano de secção mediana que divide o corpo em duas metades – direita e esquerda

    Crânio de um feto em vista superior para localizar a sagitta


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 59,90
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • ENFERMAGEM GERAL- PROCEDIMENTOS INVASIVOS EM UTI E EMERGÊNCIA
  • ASSUNTOS ABORDADOS
  • Intubação endotraqueal
  • Indicações para intubação
  • Formas de intubação
  • Os objetivos da assistência ventilatória são:
  • Equipamentos
  • Cuidados na intubação
  • Assistência de enfermagem
  • Complicações mais comuns
  • É possível reduzir a incidência de complicações dando-se devida atenção as pressões de insuflação do manguito (tribuições da fisioterapia). São recomendados alto volume e baixa pressão no balonete.
  • Dissecção Venosa e Acesso venoso Central
  • Dissecção Venosa
  • Cateter venoso central
  • Indicações
  • Contra-indicação
  • Materiais necessários
  • Complicações
  • PVC E PAM
  • Pressão venosa central (PVC) Conceitos:
  • finalidades
  • Valor informativa
  • Ponto de referência
  • Cateter arterial (PAM)
  • Indicações
  • Locais para canulação
  • Materiais
  • Complicações
  • Assistência de enfermagem
  • Cateter de Swan-Ganz
  • Indicação
  • Medida do debito cardíaco pelo método de termodiluição
  • Complicações
  • Materiais necessários
  • Assistência de enfermagem
  • Balão intra-aótico
  • Indicações
  • Contra-indicações
  • Cuidados de enfermagem
  • complicações
  • MARCAPASSO CARDIACO DE EMERGENCIA
  • Existem dois tipos de marcapasso:
  • DESFIBRILAÇÃO
  • Desfibrilação elétrica
  • Desfibrilação:
  • FINALIDADE TÉCNICA:
  • Importância da desfibrilação precoce
  • Energia necessária para desfibrilação
  • Procedimentos importantes
  • Assistência importante
  • CARDIOVERSÃO
  • MATERIAL :
  • Contra- indicação
  • MEDICAÇÃO PARA CARDIOVERSÃO
  • Assistência de enfermagem
  • TRANSPLANTE RENAL
  • É um tecido retirado de qualquer parte do corpo e colocado em outro.
  • O efeito adverso mais importante é a leucopenia, expondo o paciente a um risco aumentado de infecção.
  • COMA
  • Introdução
  • Fisiologia da consciência
  • Conteúdo da consciência
  • Nível da consciência - SRAA e Córtex
  • Fisiopatologia básica do COMA
  • etiologia
  • Etiologia
  • Avaliação
  • Avaliação - Exame físico geral
  • Avaliação - Exame neurológico
  • Alterações pupilares no COMA
  • Avaliação - Exame neurológico
  • Avaliação – Exame neurológico
  • Avaliação - Exame neurológico
  • Indicadores clínicos - etiologia/localização
  • Conduta no doente em coma
  • PARADA CARDIO-RESPIRATÓRIA
  • PCR CONCEITO A parada cardiopulmonar é a cessação dos batimento cardíacos e movimentos respiratórios
  • FASES
  • II Suporte avançado de vida
  • III – Suporte prolongado de vida
  • Reanimação Cardiopulmonar É o conjunto de procedimentos utilizados na vítima de parada cardiopulmonar , na tentativa de restabelecer a ventilação pulmonar e a circulação sangüínea Na vítima em PCR o tempo é fator crítico 4 a 5 minutos
  • Reanimação cardiopulmonar básica .técnica de compressão cardíaca externa e respiração artificial realizada por pessoas treinadas
  • Causas da Parada respiratória .fibrilação ventricular No ECG aparece uma flutuação ondulante e irregular da linha basal. Para normalizar os batimentos cardíacos é necessário a cardioversão (desfibrilador) .
  • Assistoliaventricular É um coração flácido sem batimento e sem atividade elétrica, observando-se no ECG uma linha reta ou lentamente ondulada.
  • Dissociação eletromecânica
  • Taquicardia ventricular
  • ASFIXIA
  • REAÇÃO ANAFILÁTICA
  • Trauma
  • Sinais de parada cardiopulmonar . Inconsciência sem resposta a qualquer estímulo . Ausência de movimentos respiratórios . Ausência de pulso . Convulsões .Midríase Cor cinza pálido
  • Verificar nível de consciência
  • Procedimentos para realização da RCP A- Vias aéreas (controle de cervical) b- Ventilação C- Circulação
  • Manobras de desobstrução de Vias Aéreas . Com uma das mãos pressionar a testa da vítima, inclinando a cabeça da vítima levemente para trás Cuidado para não hiperestender o pescoço nas vítimas de trauma fratura de coluna cervical e lesão medular . Posicionar os dedos da outra mão sob o queixo, deslocando a mandíbula para cima; . Manter a boca da vítima aberta;
  • Manobra tripla
  • Técnicas de manutenção de vias aéreas Manobra de Chin lift uma das mãos na região frontal do paciente e a outra mão se localiza abaixo da mandíbula projetando o queixo para frente. Jaw thrust – projeta-se a mandíbula colocando as mãos uma de cada lado dos ângulos do maxilar inferior deslocando-o para frente.
  • VENTILAÇÃO VER OUVIR SENTIR Iniciar ventilação de resgate com duas ventilações de um e meio a dois segundos cada
  • Técnica de compressão torácica .Decúbito dorsal superfície dura o socorrista se mantém ao lado do tórax da vítima; . Posicione a região hipotenar de uma das mãos no meio do esterno a outra mão sobre a primeira de forma que ambas fiquem paralelas; alinha os ombros sobre o esterno e mantém os cotovelos estendidos; Exercer pressão vertical, deprimindo a parte inferior do esterno por cerca de 4 a 5 cm; as compressões devem ser regulares.
  • American Heart Association 30 COMPRESSÕES PARA 2 VENTILAÇÕES a partir de 8 anos 1 VENTILAÇÃO PARA 3 COMPRESSÕES recém nascido 2 VENTILAÇÃO PARA 15 COMPRESSÕES 1 mês a 7 anos
  • Complicações da RCP .Fraturas de costelas; . Disjunção condrocostal; . Pneumotórax; . Lesões pulmonares; . Laceração do fígado com hemorragia interna
  • DERRAME PLEURAL
  • Revisando a anatomia
  • DERRAME PLEURAL
  • TRAUMATISMO CRANIOENCEFÁLICO
  • ATELECTASIA, PNEUMOTORAX E DERRAME PLEURAL ENF. MARCELO NEVES
  • ATELECTASIA
  • FATORES DE RISCO
  • COMPLICAÇÕES PULMONARES
  • ATELECTASIA X PÓS - OPERATÓRIO
  • Atelectasia Pulmão Direito x Esquerdo
  • Mecanismo do atelectasia
  • Diagnóstico da atelectasia
  • Pneumotórax
  • Pneumotórax – Quadro clínico
  • Pneumotórax Classificação quanto à etiologia
  • Pneumotórax Classificação quanto ao tipo
  • Pneumotórax Espontâneo
  • Pneumotórax Espontâneo Primário - Fisiopatologia
  • Pneumotórax Secundário Causas
  • Pneumotórax – tratamento
  • Derrame Pleural
  • Derrame Pleural - sintomas
  • Derrame Pleural - sinais
  • Derrame pleural – transudato Causas mais freqüentes
  • Derrame pleural – transudato Causas raras
  • Derrame pleural – exsudato - causas
  • Reanimação Cardiopulmonar em Pediatria
  • Diferentes Etiologias Trauma, Hipovolemia, Doenças respiratorias, Infecções
  • O que é essencial então??
  • O ABC da Ressuscitação
  • Via Aérea
  • Boa Respiração
  • Métodos de fornecer O2
  • Tamanho adequado da máscara facial
  • Não está melhorando com O2?
  • Circulação
  • Indicações de Compressão Torácica(MCE)
  • Compressões Torácicas(MCE)
  • Compressões torácicas(MCE)
  • Indicações para intubação
  • Intubação
  • Regras práticas
  • Regras (A partir de 2 anos)
  • Intubação
  • Intubação-SRI
  • Paciente em Parada sem pulso
  • Porquê ????
  • Porquê ???
  • Circulação-Continuando os passos de RCP
  • Além da Monitorização Cardíaca...
  • Estabilizado...
  • No restante...
  • Trauma na Criança
  • Trauma Pediátrico
  • Monitorização em UTI
  • Monitorizar (Buarque de Holanda)
  • Indicações da Monitorização
  • Modalidades de monitorização
  • Monitorização da oxigenação
  • Variação da PaO2 com a idade
  • Monitorização da oxigenação
  • Curva de dissociação
  • Desvio da curva de dissociação
  • Monitorização da oxigenação
  • Oximetria de pulso
  • Índices de oxigenação
  • Equação do ar alveolar
  • Diferença alvéolo-arterial de O2
  • Índice de oxigenação
  • Relação PaO2 / PAO2
  • Índice respiratório
  • Monitorização da ventilação
  • Ventilação alveolar
  • Espaço Morto
  • Espaço morto anatômico
  • Espaço morto alveolar
  • Espaço morto fisiológico
  • Espaço Morto
  • Volumes respiratórios
  • Volume corrente
  • Volume minuto
  • Pressão parcial de CO2
  • Pressão parcial do CO2 exalado
  • Gradiente artério-alveolar de CO2
  • Capnigrafia
  • PetCO2
  • PetCO2 – Fase 1: Gás das vias aéreas
  • PetCO2 – Fase 2: Gás transacional
  • PetCO2 – Fase 3: Gás alveolar
  • Volume corrente exalado
  • Relação Vd / Vt
  • Capnigrafia - Reinalação
  • Capnigrafia
  • Monitorização do estado de consciência
  • Monitorização da sedação
  • Escala de Ransey
  • ACLS
  • Sobrevida na FV
  • Cadeia de sobrevivência
  • C-A-B
  • Algoritmo ACLS 2010
  • Acessar responsividade
  • Abertura das vias aéreas com trauma cervical
  • Ventilação
  • Desfibrilação ?
  • DESFIBRILAÇÃO
  • Posição de recuperação
  • Após análise de ritmo e/ou choque
  • Intubação Orotraqueal
  • Acesso venoso
  • Sequência do atendimento na FV/TV
  • Sequência do atendimento na assistolia / AESP
  • Atualizem seus conhecimentos