Curso Online de Turismo de Aventura II
5 estrelas 1 aluno avaliou

Curso Online de Turismo de Aventura II

Diferença entre Turismo e Esporte de Aventura ; Lei do Turismo ; ABNT - Normas Técnicas de Aventura ; Associações e Procedimentos ; Dica...

Continue lendo

Autor(a):

Carga horária: 13 horas

Por: R$ 50,00
(Pagamento único)

Certificado digital Com certificado digital incluído

Diferença entre Turismo e Esporte de Aventura ; Lei do Turismo ; ABNT - Normas Técnicas de Aventura ; Associações e Procedimentos ; Dicas ; Especificando cada atividade e trades turísticos. O Curso está Visando dar ênfase ao Turismo de aventura, mercado cada vez maior no Brasil, sendo um mediados nas suas dúvidas. Aproveitem!

Arte Educadora formada pela UFAM (Universidade Federal do Amazonas);Especialização em Arte Terapia (Ensino Nacional) Gestora em Educação e Responsabilidade Ambiental;Inglês (ICBEU - AM); Gerência e monitoramento em Ecoturismo e Turismo de Aventura pela Selva Dentro / Fundação Universa - Ministério do Turismo; Professora de Artes com especialização em História da Arte e Capoeira na Escola e SGS - Sistema de Gestão de Segurança (ABETA).


- Erico Helmut Baukat

  • Aqui você não precisa esperar o prazo de compensação do pagamento para começar a aprender. Inicie agora mesmo e pague depois.
  • O curso é todo feito pela Internet. Assim você pode acessar de qualquer lugar, 24 horas por dia, 7 dias por semana.
  • Se não gostar do curso você tem 7 dias para solicitar (através da pagina de contato) o cancelamento ou a devolução do valor investido.*
* Desde que tenha acessado a no máximo 50% do material.
  • Turismo de Aventura II

    Turismo de Aventura II

    Foto: Regina e Hannah Rabello

  • Categorias:

    Categorias:

    O turismo de aventura é geralmente agrupado em duas categorias: aventuras radicais e leves. Aventuras radicais envolvem algum tipo de atividade esportiva extrema e quase sempre perigosa. Paraglider, escalada,surfe, exploração de caverna e mergulho em locais remotos e exóticos são alguns exemplos de aventuras radicais.

    Aventuras leves são direcionadas para o lazer, educativas e não envolvem aventuras perigosas e extenuantes. Turnês culinárias e de vinhos, observação de pássaros (em inglês), turnês de arquitetura e peregrinações religiosas são atividades consideradas como aventuras leves.

  • O Pai da Aventura:

    O Pai da Aventura:

    O pai da viagem de aventura é Leo Le Bon, co-fundador da Mountain Tours, a primeira empresa de turismo de aventura do mundo. Em 1967, Le Bon e oito amigos fizeram a primeira expedição comercial para a região de Annapurna, no Nepal e fundaram uma companhia de viagem quando voltaram. Atualmente afastado da Mountain Tours, Le Bon ainda é consultor de várias entidades de viagem por meio de sua firma convenientemente chamada de Wanderlust Consulting. A indústria cresceu bastante desde que Leo foi para Nepal, com milhares de companhias oferecendo férias de aventura em todos os cantos do globo.

  • Como Definir:

    Como Definir:

    Uma das manias que mais cresce no ramo do turismo é o turismo de aventura. Definir exatamente o que isso significa é um pouco complicado. Para alguns, aventura pode significar caminhadas e pedaladas de lazer. Para outros, isso significa um base jumping em uma caverna subterrânea do México. As principais facetas do turismo de aventura geralmente incluem viagens para locais distantes, interação com culturas diferentes e a prática de algum tipo de atividade física.

  • Algumas Diferenças entre: TURISMO DE AVENTURA x ESPORTE DE AVENTURA

    Algumas Diferenças entre: TURISMO DE AVENTURA x ESPORTE DE AVENTURA

  • TURISMO x esporte

    TURISMO x esporte

    O TURISMO DE AVENTURA:
    “Turismo de Aventura compreende os movimentos turísticos decorrentes da prática de atividades de aventura de caráter recreativo e não - competitivo”. (Marcos Conceituais – Mtur)

    O ESPORTE DE AVENTURA:
    Os esportes de aventura caracterizam-se como um conjunto de práticas recreativas que surgiram nos países desenvolvidos na década de 1970, mas que só obtiveram desenvolvimento e consolidação na década de 1990. A classificação destes esportes deu-se através dos três grandes meios físicos: a terra, o ar e a água. Hoje percebemos que o esporte de aventura tem ganhado cada vez mais espaço no esporte de alto rendimento, porém o seu enfoque de lazer foi perdido, além disso, estes esportes podem ser utilizados também como instrumento pedagógico promovendo educação para jovens e adultos.

  • Conceito de turismo

    Conceito de turismo

    CONCEITO DE TURISMO :

    Turismo é movimento de pessoas, é um fenômeno social, econômico e cultural que envolve pessoas. É um ramo das ciências sociais e não das ciências econômicas, apesar de que esta última pode ser a razão de tal movimento, o turismo transcende as esferas das meras relações da balança comercial. O conceito de Turismo, segundo o dicionário Michaelis é: "Viagens realizadas, por prazer, a lugares que despertam interesse", já o dicionário Aurélio conceitua o verbete como: "Viagem ou excursão, feita por prazer, a locais que despertam interesse. 2. O movimento de turistas", finalmente o dicionário Michaelis conceitua o Turismo como: "Gosto das viagens. 2. Viagens realizadas, por prazer, a lugares que despertam interesse ".

    Foto: Johnny Wyatt (Water Man)

  • Importância econônomica

    Importância econônomica

    IMPORTÂNCIA ECONÔMICA DO TURISMO:

    O Turismo é a atividade do setor terciário que mais cresce no Brasil (dentre as espécies, significativamente, o Ecoturismo) e no mundo, movimentando, direta ou indiretamente mais de U$ 3,5 trilhões (2001). É o meio lícito que mais movimenta dinheiro, atrás somente do narcotráfico e da indústria bélica (meios ilícitos).  Tal ramo é de fundamental importância para o profissionalismo do setor turístico e necessário para a economia do Brasil, país com excelente potencial Turístico.
    Além de ser uma grande renda (o turismo) ao gerar seus efeitos positivos deve ser planejado de forma a não acarretar a degradação do meio ambiente ou a concentração dos benefícios gerados por grandes grupos econômicos, daí a importância do planejmanento da atividade por um profissional habilitado. A tendência é que com o crescimento da atividade, os turismólogos alcancem posição de destaque e ocupem cargos mais elevados nas organizações às quais pertencem ou sejam proprietários.

    Foto: Regina Rabelllo

  • RAMIFICAÇÕES DO TURISMO (todas as atividades citadas podem ser inclusas na aventura)

    RAMIFICAÇÕES DO TURISMO (todas as atividades citadas podem ser inclusas na aventura)

    Turismo de Aventura
    Turismo Arqueológico
    Turismo Convencional
    Turismo Ecológico
    Turismo Fotográfico
    Turismo Rural
    Turismo Cultural
    Turismo Pedagógico
    Turismo Receptivo

  • Atividades destacadas

    Atividades destacadas

    DESTACAM-SE ATIVIDADES COMO:

    arvorismo,
    ciclismo,
    atividades equestres,
    atividades em cavernas,
    percursos fora de estrada - bungee jump,
    cachoeirismo,
    canionismo,
    caminhadas,
    escaladas,
    montanhismo,
    rapel,
    tirolesa - boia-cross,
    canoagem,
    mergulho,
    rafting - asa delta,
    balonismo,
    parapente,
    paraquedas,
    ultraleve
    * No Slide 9 mostramos as Ramificações. No 10 mostramos as atividades mais procuradas.

  • TURISMÓLOGO:

    TURISMÓLOGO:

    É o o profissional de nível superior que conhece, analisa e estuda o turismo em sua totalidade. Embora a profissão não seja reconhecida pelo Ministerio do Trabalho e do Turismo brasileiro, muitas pessoas procuram bacharelado nessa area.
    O termo Turismólogo surgiu no início dos anos 70, com o intuito de normatizar uma categoria de profissionais da área de turismo que não possuem reconhecimento pelo mercado.

    TURISMOLOGIA:
    é a ciência centralizada no estudo do turismo. Ela se preocupa em conhecer e estudar o turismo em sua totalidade.


Matricule-se agora mesmo Preenchendo os campos abaixo
R$ 50,00
Pagamento único
Processando... Processando...aguarde...
Autorizo o recebimento de novidades e promoções no meu email.

  • Turismo de Aventura II
  • Categorias:
  • O Pai da Aventura:
  • Como Definir:
  • Algumas Diferenças entre: TURISMO DE AVENTURA x ESPORTE DE AVENTURA
  • TURISMO x esporte
  • Conceito de turismo
  • Importância econônomica
  • RAMIFICAÇÕES DO TURISMO (todas as atividades citadas podem ser inclusas na aventura)
  • Atividades destacadas
  • TURISMÓLOGO:
  • Ecoturismo:
  • Turismo Arqueológico:
  • Turismo Convencional: * Muitas vezes é prejudicial.
  • Turismo Ecológico ou Ecoturismo:
  • Turismo Fotográfico e Fotografia de Natureza:
  • Turismo Rural:
  • Turismo Cultural:
  • Turismo Receptivo:
  • Trade Turístico:
  • Arvorismo
  • Observação da vida selvagem
  • Observação de Aves
  • Equipamento para observação
  • Dicas para Observação:
  • Observatório Amazonas
  • Caving / Espeleoturismo
  • Acqua ride ou Bóia Cross
  • Cascading
  • Duck
  • Rapel:
  • Tirolesa
  • Parapente
  • Escalada
  • Rafting
  • Water Trekking
  • Trekking
  • Primeiros Socorros
  • Hiking
  • Diferença entre Trekking e Hiking
  • História do Trekking
  • Off Road
  • Feiras e Eventos
  • Associações de Aventura
  • Qualificações:
  • Programas:
  • Referências de Destinos:
  • Normas Técnicas ABNT
  • Indicação de Leitura
  • ABNT – Normas do Sistema de gestão de segurança:
  • Normalização em Turismo
  • Lei geral do turismo (fortalece setor)
  • Perfil do ecoturista:
  • Aspectos básicos
  • qualificação
  • DECRETO Nº 7.381, DE 2 DE DEZEMBRO DE 2010.
  • Capítulo I - Da Finalidade
  • Capítulo II - DA POLÍTICA NACIONAL DE Turismo
  • Incisos de I a XIV
  • Capítulo III -DO FOMENTO DE ATIVIDADES TURÍSTICAS COM SUPORTE FINANCEIRO DO FUNDO GERAL DE TURISMO - FUNGETUR
  • CAPÍTULO IV DOS PRESTADORES DE SERVIÇOS TURÍSTICOS 
  • Sub seção I
  • Subseção II
  • Subseção III
  • Subseção IV e V
  • Subseção Vi
  • Seção II - Dos Prestadores de Serviços Turísticos
  • CAPÍTULO V
  • Seção I Da Fiscalização 
  • Seção II Das Penalidades Administrativas 
  • Seção III Das Infrações 
  • CAPÍTULO VI -DO PROCESSO ADMINISTRATIVO  Seção I
  • Seção II Dos Autos de Infração e de Apreensão e Guarda de Certificado de Cadastro 
  • Seção III
  • Seção IV
  • Seção V
  • Seção VI e vii
  • CAPÍTULO VII DAS DISPOSIÇÕES FINAIS 
  • Normas técnicas do turismo de aventura
  • Normas do Turismo de Aventura - Técnicas Verticais (NBR 15501 e NBR 15502)
  • técnicas Verticais - procedimentos
  • Links sugeridos
  • Conselho de educação física
  • Considerações finais
  • Turismo de aventura…adote essa idéia!